As melhores Receitas de Natal e Ano Novo

Viva as Festas à mesa com a ajuda do seu robot de cozinha e deste e-book gratuito cheio de receitas fáceis e deliciosas.

Ao clicar concordo receber comunicações de marketing directo enviadas por e-konomista.pt e pelos nossos Parceiros

Quero receber o e-book

7 alimentos que não deviam ter prazo de validade

Saiba quais os alimentos que pode consumir sem medos mesmo depois de expirado o prazo de validade. 

7 alimentos que não deviam ter prazo de validade
Sim, leu bem. Há alimentos que não deviam (de todo) ter prazo de validade

Se é verdade que há alimentos em que o prazo de validade é lei, há outros em que não é bem assim: há uma série de alimentos que não deviam ter prazo de validade. E verdade também é que a questão dos prazos de validade levanta algumas questões. Senão repare, o prazo de validade define o período em que um alimento é seguro e tem qualidade para ser consumido. No entanto, há casos em que a longevidade dos alimentos pode ser muito) maior do que aquela indicada na embalagem.

Isto significa que, muito provavelmente, tem atirado para o lixo muitos alimentos que – mesmo que a data de validade diga o contrário – ainda estão em ótimo estado para serem consumidos. Vamos dar-lhe alguns exemplos.


7 alimentos que não deviam mesmo ter prazo de validade


Arroz

Faz parte dos ditos alimentos não-perecíveis ou imperecíveis. Quer isto dizer que é um alimento que tem uma longa durabilidade. E quando o assunto é o prazo de validade, o arroz simplesmente não tem razões para ter um. Pode até ganhar uma camada de pó na embalagem, mas se falarmos de arroz branco, selvagem, arbóreo, jasmim ou basmati, a verdade é que (com ou sem pó) se mantêm em bom estado por muito tempo (mesmo além da validade estabelecida).

Basta que tenha atenção no armazenamento para evitar que ganhe algum tipo de bicho. Mas atenção. Isto também não é válido para qualquer tipo de arroz. O arroz integral,  por exemplo, por ter altas quantidades de água tende a tornar-se rançoso.
 

Mel

Bem, digamos apenas que se for um mel de qualidade, as abelhinhas fizerem bem o seu trabalho. O mel é outo dos alimentos que não deviam ter prazo de validade. Pode até mudar de tonalidade e ganhar cristais, mas continua a estar em boas condições para ser consumido. Se ficou cristalizado, basta que coloque o frasco em água quente e mexa até que os cristais se dissolvam.
 

Sal

O sal é usado há séculos como conservante de alimentos. Isto diz tudo, não lhe parece?



Açúcar

Desde que esteja bem armazenado, pode perfeitamente ser consumido fora do prazo. E nem aqueles pedaços duros significam o contrário.
 

Vinagre

O tradicional vinagre de vinho é outro dos alimentos que não deviam ter prazo de validade. Mesmo com o passar do tempo, não se vai estragar. E as suas utilizações são múltiplas, muito além da culinária - até para limpar pode ser usado. Não há necessidade de o desperdiçar.
 

Café instantâneo

Basta que o conserve no frigorífico e o prazo não é problema.
 

Amido de milho

Tipicamente conhecido como farinha Maisena, é outro dos alimentos em que a validade não deve ser impedimento para nada. Mantenha-o seco, com a embalagem bem fechada e num local fresco e pode consumi-lo à vontade.
 

Evite os desperdícios

Certamente já colocou alguns destes alimentos para o lixo, só porque o prazo de validade o dava (teoricamente) como impróprio para consumo. Mas como vê, nem tudo deve ser levado à letra. Estes alimentos podem ser consumidos mesmo que o prazo de validade diga o contrário. Imagine só os desperdícios que vai evitar daqui para a frente.



E por falar em desperdícios...

O GoodAfter.com é o primeiro supermercado português que comercializa produtos, alimentares e não alimentares, perto ou fora da sua data preferencial de consumo mas que ainda podem ser consumidos sem riscos para o consumidor. São mais de 300 produtos de mercearia a higiene, passando por produtos de limpeza a saúde. Porque não experimentar? 

Veja também: