Publicidade:

5 traços que distinguem amadores e profissionais

No mundo empresarial, podemos facilmente verificar que existem amadores e profissionais, indivíduos que encaram de forma oposta o seu trabalho quotidiano.

5 traços que distinguem amadores e profissionais
Como conseguir distinguir amadores e profissionais?

Amadores e profissionais: podemos encontrar 5 traços que os distinguem. Leia os pontos a seguir apresentados, que procuram encontrar as diferenças entre ambos. Há, efetivamente, diferenças notórias que os distinguem e que podem levar os amadores ao fracasso e os profissionais ao sucesso.

5 traços que separam amadores e profissionais no mundo empresarial

1. Os profissionais ganham o respeito da equipa, não o impõem

De facto, os profissionais sabem que para liderar uma equipa precisam, antes de mais, de alcançar o respeito dos seus pares, através do exemplo que dão nas suas atitudes diárias em contexto de trabalho, da forma como lidam com as várias situações e como ultrapassam as dificuldades do quotidiano, respeitando aqueles que com eles trabalham.

Já os amadores procuram impor-se perante os outros. Não são reconhecidos mas temidos, o que poderá ser um dos primeiros caminhos para o fracasso, pois onde não há liberdade, não há criatividade, nem ideias inovadoras.

2. Os profissionais são pontuais, ao contrário dos amadores

Amadores e profissionais não dão a mesma importância à pontualidade. Na verdade, os profissionais sabem a importância do respeito pelos compromissos de trabalho, sendo muitas vezes os primeiros a chegar à empresa e estando sempre a horas nas reuniões ou encontros agendados.

Já os amadores chegam muitas vezes atrasados à empresa ou à reunião com um dado cliente, passando uma imagem de desleixo, que conduz, muitas vezes, à perda de negócios fulcrais.

lider

3. Os profissionais têm um plano traçado para a sua empresa

Amadores e profissionais também lidam com este aspeto de forma diferente. Os profissionais traçam um plano a médio e a longo prazo, com objetivos precisos de onde querem chegar e do que querem conquistar, medindo os seus passos e ações nesse sentido, calculando os diversos riscos, e construindo passo a passo o sucesso crescente da sua empresa.

Os amadores não têm uma ambição positiva que os leve a si mesmos ou à sua empresa longe, uma vez que não possuem um plano delineado, com estratégias definidas e objetivos pensados.

4. Os profissionais estão em constante formação

Os profissionais têm consciência de que a aprendizagem no mundo empresarial é contínua e que necessitam de estar a par das inovações tecnológicas, do que de novo vai acontecendo no mundo dos negócios, das relações empresariais e entre hierarquias de trabalho.

Procuram, por esses motivo, formação que os permita chega mais longe, que os destaque dos demais, que lhes permita levar a sua empresa no sentido do sucesso tão almejado.

Quanto aos amadores, estes estão por diversas vezes mergulhados numa arrogância que os cega perante a necessidade de aprender mais, julgando-se detentores de um saber inabalável, o que em nada corresponde à realidade.

5. Os profissionais ouvem a opinião dos membros da sua equipa

Os profissionais reconhecem o valor da recolha da opinião de vários membros da sua equipa, tendo em vista o estabelecimento de estratégias e objetivos que estão na base dos interesses da empresa. Sabem que a empresa pertence um pouco a todos que nela trabalham e que, dessa forma, é do interesse de todos que cresça.

Os amadores não ouvem os demais, confiando apenas na sua própria opinião, que consideram mais válida do que todas as outras, entrando muitas vezes em conflito com parceiros de trabalho, por não saber ouvir.

Podemos, pois, verificar que amadores e profissionais no mundo empresarial experienciam dinâmicas muito diferentes, levando os primeiros a um habitual fracasso e aos segundos ao sucesso profissional.

Veja também:

Catarina Mesquita Catarina Mesquita

Licenciada em Línguas e Literaturas Modernas, variante de Estudos Portugueses e Ingleses, Pós-Graduada em Linguística Portuguesa e Mestre em Estudos Portugueses Multidisciplinares, possui experiência de mais de quinze anos ao serviço da educação, da tradução e da escrita.