Amortizar ou investir, eis a questão!

Investir ou amortizar a dívida do seu crédito habitação é uma decisão que deve ser bem ponderada. Faça as suas contas e informe-se.

Amortizar ou investir, eis a questão!
Amortizar crédito habitação nem sempre é a melhor opção

Se está a pensar em amortizar a dívida do seu crédito à habitação, faça com que a amortização coincida com a data de vencimento da mensalidade. Se a necessidade de efectuar o reembolso surgir devido a questões relacionadas com morte, deslocação profissional, ou desemprego, ficará isento de quaisquer comissões.

 

O Governo lançou medidas que permitem acabar com as elevadas penalizações cobradas pelos bancos, que normalmente rondam os 2% e 3% sobre o valor amortizado, nos casos em que o valor reembolsado é superior a metade do empréstimo. Desta forma os bancos ficam proibidos de aumentar a comissão ou exigir outros encargos nos contratos isentos de penalizações.

 

Antes de amortizar faça contas à poupança

Amortizar a dívida do crédito habitação pode ser vantajoso para quem dispõe de algumas poupanças se o banco não lhe cobrar comissões. Esta operação possibilita-lhe reduzir o valor da prestação mensal, assim como os respectivos juros e o prémio do seguro de vida.

Pagando a sua dívida parcialmente, por exemplo no valor de 20 mil euros, a comissão não deverá ultrapassar 100 euros, num crédito à habitação cuja taxa é variável. Não se esqueça de avisar o banco sobre as suas intenções de amortização com mais de 5 dias de antecedência. Sugerimos que o notifique por carta registada e com aviso de recepção, para salvaguardar os seus direitos.

 

Mesmo que o valor das comissões bancárias diminua significativamente, convém calcular se realmente compensa efectuar amortizações e qual o montante a amortizar. Tenha em atenção que enquanto dispuser de rendimentos que lhe permitam deduzir as despesas com as mensalidades do empréstimo do seu crédito à habitação, amortizar a dívida por completo pode não ser vantajoso.

A dedução das prestações poderá permitir-lhe uma maior poupança em relação aos juros que não seriam cobrados se amortizasse a dívida do crédito à habitação de uma só vez.

 

Se eventualmente pensar em vender o seu imóvel ou trocar de instituição bancária para uma com uma taxa anual efectiva mais baixa, faça as contas primeiro. Não se esqueça de somar todas as despesas com o novo contrato de crédito à habitação, tais como o imposto de selo, os encargos com a avaliação, etc., antes de tomar qualquer decisão de mudança.

 

Investir

Se após efectuar todos os cálculos, verificar que a amortização não é a melhor opção para os seus interesses, considere as várias ferramentas de investimento financeiro à sua disposição no mercado.


Veja também: