E se descobrisse que tem peças de valor em sua casa?

Tem uma peça em casa que quer vender e não sabe o seu real valor? A P55 trata de tudo. Avalia, protege e vende a sua peça pelo melhor valor. Só tem que preencher o formulário e enviar uma fotografia da peça ou peças que quer vender. Será contactado no prazo máximo de 48 horas.

Ao clicar concordo receber comunicações de marketing directo enviadas por e-konomista.pt e pelos nossos Parceiros

Enviar pedido de avaliação
(*) Campo opcional

As obras mais marcantes do estilo Arte Nova em Portugal

A presença do estilo Arte Nova na arquitetura portuguesa e na excentricidade das faianças produzidas nas primeiras décadas do século XX.

As obras mais marcantes do estilo Arte Nova em Portugal
A elegância e a excentricidade do estilo que alia arte e decoração

Em comparação com outros países europeus, a Arte Nova instala-se tardiamente em Portugal. O período de desenvolvimento económico, social e cultural da Belle Époque, e no qual floresce a Art Nouveau, floresce, nomeadamente em França e na Bélgica, a partir do último quartel do século XIX até meados da I Guerra Mundial.
 
No panorama cultural nacional instala-se apenas por volta de 1900, estendendo-se para lá de 1920. A lenta expansão urbana e demográfica; uma população pobre,  semianalfabeta, rural e com poucas qualificações técnicas; uma economia estagnada, ainda muito dependente da atividade agrícola  e a crise política da última década do século XIX – que conduziu à queda da monarquia constitucional até à implantação da Primeira República (5 de Outubro de 1910) - foram alguns dos factores que atrasaram o acolhimento da Arte Nova em Portugal.
 
Os artistas nacionais entraram em contacto com a Arte Nova na Exposição Universal de 1900, realizada em Paris. Parece-nos que este contacto influenciou o desenvolvimento de novos paradigmas artísticos em Portugal – sobretudo aqueles que surgirão da reacção à Academia. A Arte Nova acaba por ser um desses exemplos, da modernidade, da vontade de mudança de paradigma, apesar de acabar por ser rejeitada ou mal interpretada por alguns círculos da elite artística nacional.
 

Arte Nova em Portugal


Arquitetura 

Apesar de todas estas contrariedades, a arquitetura de ferro, o uso do betão, a ornamentação das fachadas com azulejos ou mesmo a decoração do vidro das janelas com motivos florais, orgânicos e linhas metálicas curvas e dinâmicas, acabaram, eventualmente, por se tornar uma realidade em Portugal.  

Vários são os exemplos existentes em muitas cidades portuguesas, nomeadamente:
 
Em Aveiro, distinguida como a cidade-museu da Arte Nova em Portugal:
  • Casa do Major Pessoa;
  • Museu da República;
  • Edifício da Casa dos Ovos Moles;
  • Edifício da Residência do Arquiteto Silva Rocha.
     
No Porto:
  • Café Magestic, situado no coração da Rua Santa Catarina;
  • Livraria Lello, situada na Rua das Carmelitas;
  • Casa Vincent na Rua 31 de Janeiro;
  • Casa Arte Nova, na Rua Cândido dos Reis.
 
Em Lisboa:
  • O Animatógrafo do Rossio, que abre ao público em 1907.
  • A Tabacaria do Mónaco (1875), também situada no Rossio, que reabre em 1893 com painéis de azulejos da autoria de Raphael Bordallo Pinheiro (1846-1905) e o tecto coberto com um fresco de António Ramalho (1858-1916).
Para além da sua influência na arquitetura, o estilo Arte Nova estende-se também à cerâmica, ao design, à joalharia/ourivesaria, à indústria têxtil, ao mobiliário e a outras artes aplicadas.
 


Cerâmica

No âmbito da cerâmica, para além dos famosos azulejos - produzidos pela Fábrica de Louça de Sacavém, Desterro, Constância, das Caldas, das Devesas e Carvalhinho -  que revestiam não só as fachadas das casas burguesas, mas também os seus interiores, não podemos deixar de fazer referência à louça das Caldas da Rainha, um tipo de faiança com motivos naturalistas, inspiradas na Arte Nova – e na sátira de Bordallo Pinheiro.

As taças e pratos em forma de couve ou de alface, as travessas em forma de peixe e as terrinas em forma de abóbora são algumas das mais conhecidas e ficarão para sempre ligadas ao nosso imaginário colectivo.



Quer vender as peças de Arte Nova portuguesas que tem em casa? 

Se pretende avaliar e/ou vender as peças de Arte Nova que tem em casa aconselhamos vivamente que visite a plataforma de bens de luxo em segunda mão, P55. Disponibiliza uma equipa de especialistas de confiança que avalia com rigor as suas peças e garante o seu valor real. Nesta plataforma, as peças ficam à consignação e podem ser vendidas num espaço de 30 dias.
 
O processo de venda propriamente dito inicia-se com um pedido de avaliação. Este pode ser feito de três formas distintas:
  • Pode levar as peças à loja, sendo que deve marcar esta visita previamente;
  • Aceder ao site da loja e preencher um formulário com dados pessoais básicos, fazer o upload de algumas imagens das peças que pretende vender e descrevê-los com algum detalhe.
  • Pode ainda solicitar a deslocação de uma equipa de peritos a sua casa.
 
Feito o pedido de avaliação, a P55 responder-lhe-á no prazo de dois dias úteis. Aqui poderá vender as suas peças na loja física, na loja online e em leilão.

Veja também: