E se descobrisse que tem peças de valor em sua casa?

Tem uma peça em casa que quer vender e não sabe o seu real valor? A P55 trata de tudo. Avalia, protege e vende a sua peça pelo melhor valor. Só tem que preencher o formulário e enviar uma fotografia da peça ou peças que quer vender. Será contactado no prazo máximo de 48 horas.

Ao clicar concordo receber comunicações de marketing directo enviadas por e-konomista.pt e pelos nossos Parceiros

Enviar pedido de avaliação
(*) Campo opcional

7 critérios para avaliar prata

Se tem pensado em avaliar prata, fique a conhecer os principais critérios de avaliação deste metal precioso e os peritos de confiança existentes no mercado.

7 critérios para avaliar prata
Características, critérios de avaliação e peritos de confiança

Avaliar prata, tal como qualquer outro metal precioso, é um processo aparentemente simples. Por norma, dirigimo-nos a uma joalharia/ourivesaria, a um laboratório de contrastaria ou a um perito/classificador/avaliador para conseguirmos ficar com uma ideia do valor da(s) peça(s) que temos em mãos.
 
Todavia, antes de o fazer, é sempre conveniente estar a par das principais características da prata (por exemplo, do seu nível de pureza), sobretudo para garantir o valor real da(s) sua(s) peça(s) num eventual negócio. Este valor depende muitas vezes não só da composição da liga de metal de que é feita a peça, mas também de um conjunto de outros factores, os quais se enquadram nos critérios de avaliação. Estes critérios influenciam significativamente o valor das peças.


7 principais critérios para avaliar prata em território nacional
 

1. Pureza da prata

Por ser considerada um metal versátil, a prata é utilizada em diversos ofícios e na produção de diversos tipos de peças: joias; cunhagem de moedas; instrumentos musicais; objetos de decoração; utensílios; acessórios; entre outros.  
 
No caso das jóias, por exemplo, o seu valor é calculado mediante a percentagem de prata existente na composição da liga metálica de que é feita a jóia  - e que determina o seu grau de pureza. O tipo de prata mais utilizada na joalharia e na ourivesaria, conhecida por “prata de lei”, é a prata 950 e 925. Isto quer dizer que, no primeiro caso, a peça é constituída por 95% de prata e 5% de cobre; no segundo caso, 92,5% de prata e 7,5% de cobre.
 
A liga metálica composta por estes dois metais confere à jóia uma resistência e dureza que a prata pura não tem. Quanto maior for a percentagem de prata, mais valor tem a peça, pois maior é o seu grau de pureza.
 


2. Cotação da prata

Na qualidade de metal precioso, a prata é cotada em bolsa. Assim sendo, tem que ter em consideração que esta cotação não é fixa e pode variar com frequência. Para avaliar prata, por norma, assume-se a cotação média do dia em que procede à avaliação da(s) peça(s).
 


3. Marcas de contrastaria

A marca de contraste tem como principal objectivo garantir a qualidade da liga de metal (prata e cobre) de que é feita a peça.
 
De acordo com o INCM, a marca de contrastaria “reproduz uma marca de garantia do toque legal dos artigos com metais preciosos, ou assinala determinadas circunstâncias, e identifica a contrastaria que o utiliza pela definição do perímetro, que consiste, respetivamente, numa figura curva, ou num octógono irregular simétrico, consoante se trate das Contrastarias de Lisboa ou do Porto.”
 
No caso da prata, e de acordo com a mesma fonte, esta marca é “uma cabeça de águia (voltada para a esquerda nos toques legais iguais ou superiores a 925 milésimas e para a direita nos toques legais iguais ou inferiores a 835 milésimas)".



4. Raridade da peça e interesse histórico

Tal como o critério indica, peças antigas, raras ou com um eventual interesse histórico têm mais valor no mercado. Se possui peças que obedeçam a este critério certifique-se que tem a documentação necessária para comprovar a sua origem (por exemplo, documento de compra e/ou algum tipo de certificado/documento/literatura que permita catalogar a peça em determinado período histórico).
 


5. Concepção da peça

Este critério faz referência às características artesanais da(s) peça(s). A minúcia dos trabalhados, utilização de outros materiais para além da prata ou a autoria de artesãos de renome conferem maior valor à(s) sua(s) peça(s). Este tipo de elementos são analisados caso a caso.



6. Estado de conservação

As peças em prata são muito susceptíveis às condições do lugar onde se encontram guardadas e à passagem do tempo. Por exemplo, se as peças em prata que possui estiverem em contacto com outras peças de metal, o processo de oxidação será muito mais rápido. Se as peças estiverem muito marcadas e num mau estado de conservação, menos valor terão.  
 


7. Valor de peças semelhantes no mercado

Para avaliar prata precisa também de saber que a procura por determinado tipo de peças influencia o valor comercial das mesmas. Num contexto de crise económica e de um novo paradigma no que toca ao gosto das novas gerações de consumidores, este valor pode ser substancialmente diferente do que aquele de há uma década atrás.
 
 

Especialistas no mercado: a P55

A P55, loja de decoração, galeria de arte e leiloeira, disponibiliza uma equipa de especialistas de confiança para avaliar prata. Feito o pedido de avaliação (que é gratuito) – através da sua plataforma online ou de forma presencial – a equipa garante a avaliação das suas peças em 48 horas. Se pretender vender, a P55, cujo modelo de negócio é à consignação, pode fazê-lo num espaço de 30 dias. No negócio da arte, da decoração e das antiguidades, a P55 é líder no mercado e, tal como o seu slogan informa, é uma “loja feita por si”.

Veja também: