Babysiting e cuidados pediátricos: uma formação relevante

Descubra porque estes serviços especializados são, cada vez mais, a aposta de pais que procuram por cuidados e acompanhamento profissional para os filhos.

Babysiting e cuidados pediátricos: uma formação relevante
Já pensou com quem deixar as crianças?

Já se sabe que as crianças têm necessidades especiais e precisam de contar com o apoio dos adultos durante o seu crescimento. No entanto, cada vez mais, a rotina de trabalho dos pais dificulta o processo de acompanhamento e passa a existir uma dúvida recorrente: “Onde deixar o meu filho? A quem recorrer? Em que espaço confiar?”. Para responder às questões de inúmeros pais portugueses, profissionais de todo o país encontraram uma importante lacuna a preencher no mercado e este foi o mote que muitos precisavam para empreender e/ou crescer na área do babysitting e dos cuidados pediátricos.

Há em Portugal, cada vez mais, espaços especializados no assunto e que apresentam uma incontável lista de serviços a prestar. A intenção é uma só: Dar a resposta necessária e correta aos pais que precisam de recorrer a este tipo de atendimento. Engana-se quem pensa que para executar estes serviços de apoio basta gostar de crianças. O mercado mudou e com ele mudaram também as exigências. Hoje, é preciso ser capacitado para a função e isso quer dizer muito mais do que apenas realizar jogos e suprir as necessidades básicas das crianças.

O crescimento do babysitting e dos cuidados pediátricos

babysitting-e-os-cuidados-pediatricos

Portugal começou a estar atento ao assunto e há um crescente número de estabelecimentos ligados aos serviços de babysitting, cuidados pediátricos e desenvolvimento infantil – e o melhor é que, continuamente, eles passam a oferecer um apoio abrangente e especializado em diversas áreas.

Mas, com o crescimento do mercado e com as diferentes especialidades médicas e terapêuticas que estes espaços oferecem, os profissionais destas áreas estão debaixo dos olhos atentos do pais e da sociedade – que, cada vez mais informados, são clientes exigentes. E não seria para menos, afinal, hoje já se sabe que cuidar de bebés, crianças e adolescentes não é tarefa para qualquer um.

Mas, afinal, que competências deve ter o profissional de babysitting e cuidados pediátricos?

Um profissional que deseje trabalhar na área dos cuidados pediátricos ou realizar serviços de babysitting deve estar atento à crescente exigência do mercado em questão. Listamos aqui as competências essenciais aos profissionais do setor e avisamo aos pais: São estas as características que devem procurar na altura de decidir onde deixar o seu seu filho bem entregue.

Tome nota:

  • Os profissionais que atuem nesta área, de forma autónoma ou através de empresas especializadas, devem ter conhecimentos sobre o crescimento e desenvolvimento global de bebés e crianças, desde o nascimento até aos 12 anos.
  • Deve compreender profundamente todas as questões relacionadas ao contexto afetivo, cognitivo, sensorial, motor, social e sexual.
  • Quem oferece cuidados pediátricos deve conhecer as especificidades e hábitos de higiene, alimentação e descanso da criança.
  • É imprescindível que o profissional saiba reconhecer sintomas de doenças infantis e decidir sobre a possível intervenção que pode realizar para promover a saúde e a segurança da criança.
  • Deve saber quais atividades escolher para promover e otimizar o desenvolvimento global da criança.
  • É indiscutível a necessidade de saber reconhecer a importância da expressão musical e plástica na formação da criança, bem como do jogo e dos momentos de brincar, ler e realizar os trabalhos da escola, por exemplo. Tudo isso, claro, com base em recursos educativos.
  • Reconhecer a importância da animação e o papel do animador com crianças em idades escolares.
  • É preciso ainda garantir que o profissional saiba identificar situações de risco social ou de possíveis Necessidades Educativas Especiais.
  • O profissional deve saber encontrar os aspetos mais marcantes da relação com crianças e pais – quer nos estabelecimentos de educação, quer na prática do babysitting.
  • Por último, e não menos importante, o profissional que trabalha com cuidados pediátricos deve conhecer bem a organização do sistema educativo nacional e isso inclui o currículo da educação infantil.

Onde posso fazer um curso para trabalhar com educação e apoio infantil?

Na Master.D é possível encontrar o Curso de Auxiliar de Educação Infantil e Babysitting, uma formação profissional reconhecida no mercado e que tem inspirado um grande número de profissionais e instituições por todo o país.

O programa tem como objetivo central preparar profissionais especializados na área, devidamente qualificados e capazes de prestar cuidados a crianças, desde o nascimento até aos 12 anos de idade. O currículo do curso está focado em promover as competências que o profissional em questão deve desenvolver para atuar com sucesso no desenvolvimento global da criança, valorizando aspetos fundamentais como a segurança e a saúde dos mais novos.

Quem são os possíveis destinatários desta formação?

  • Interessados (com ou sem experiência), que sintam ter vocação para realizar a função e que queiram preparar-se da melhor forma para as profissões de Auxiliar de Educação Infantil ou Babysitter.
  • Profissionais que já atuam na área e pretendem adquirir novas competências e atualizar os conhecimentos.
  • Todos os pais que queiram aprender mais sobre esta área e sobre a profissão, e que desejem descobrir mais ferramentas para atuar da melhor forma na educação dos seus filhos.

Possíveis locais de trabalho

  • Clínicas pediátricas
  • Escolas e colégios
  • Berçários e creches
  • Hospitais
  • Centro de estudos e lazer
  • Domicílio (casas de famlia)

Se esta é uma formação do seu interesse, esclareça eventuais dúvidas junto da Master.D mais próxima de si ou preencha o formulário online.

Veja também: