Publicidade:

Consultório do nutricionista: benefícios do peixe

Quais são os benefícios do peixe e com que frequência devemos consumir deste alimento? Fique a conhecer todas as respostas na rubrica "consultório do nutricionista".

Consultório do nutricionista: benefícios do peixe
Ingira peixes magros nas suas refeições diárias

Desde crianças que ouvimos dizer que o peixe é um alimento saudável e que deve fazer parte de uma dieta equilibrada – certo? Mas, afinal, o que é que o peixe tem que os outros alimentos não têm? E será que há peixes melhores do que outros? Quantas vezes por semana o devemos ingerir? A nutricionista Inês Gaspar esclarece todas as dúvidas sobre os verdadeiros benefícios do peixe.

Há mitos? Quais são as verdades? Aprenda tudo sobre este alimento tão importante para a nossa saúde.

Nutricionista responde: quais os benefícios do peixe?


Peixe

Por que é fundamental incluir o peixe na rotina alimentar?

Todos sabemos que uma boa dieta deve apostar na diversidade alimentar. É, também, isso que nos confirma a especialista em nutrição, Inês Gaspar, que avança ainda com as grandes vantagens de incluir o peixe nas nossas refeições do dia a dia, uma vez que “Este alimento é rico em proteína animal, como a lisina e metionina, aminoácidos essenciais, mas moderado em relação ao teor de gordura, sendo este de fácil digestão e apresentando, ainda, outros nutrientes bastante importantes para o nosso organismo”.

Para a especialista, isto já basta para explicar que o peixe é “uma fonte alimentar importante de prevenção e auxílio no combate a algumas patologias”.

Mas o que torna, de facto, tão benéfico o consumo do peixe?

São diversos os componentes do peixe que são benéficos para a nossa saúde – e que atuam, também, na prevenção de alguns males. Inês Gaspar fala-nos de alguns deles, como as “proteínas de alto valor biológico, essenciais ao organismo”; “vitaminas e minerais, como as vitaminas do complexo B, tiamina (vitamina B1), riboflavina (Vitamina B2), piridoxina (vitamina B6), ácido pantotênico (vitamina B5) e ácido fólico (vitamina B9), importantes para a prevenção de doenças neurológicas, dermatológicas e gastrointestinais.”; “a vitamina A, que actua, por exemplo, ao nível da visão e do sistema imunológico”; a vitamina D, que tem como principal função facilitar a absorção de cálcio pelo organismo e a vitamina C,  que é importante na defesa do organismo contra infecções, na integridade das paredes dos vasos sanguíneos e na formação das fibras colágenas”.

Para somar ainda mais vantagens, fique a saber que o peixe é  “uma considerável fonte de cálcio, fósforo, e fonte razoável em sódio, potássio, manganês, cobre, cobalto, zinco, ferro e iodo”.

Atualmente, também muito se fala sobre a importância do ómega 3 para o bem-estar do nosso organismo. Registe, então, que este componente está presente na maior parte dos peixes e “apresenta benefícios para o sistema cardiovascular e para o desenvolvimento do cérebro e da pele”, além de ter efeito imunológico e anti-inflamatório, tendo papel preventivo sobre doenças como cancro, aterosclerose e Alzheimer.”

Quais são, atualmente, os melhores peixes para consumir?

Se acha que os peixes são todos iguais, desengane-se… Tal como a carne, cada peixe contém características únicas e, por isso, alguns peixes são mais recomendáveis do que outros. Segundo a nutricionista Inês Gaspar, deve evitar-se peixes com uma elevada concentração de mercúrio e, antes, “optar pela ingestão de um tipo que tenha este constituinte em menor escala, como o salmão, a sardinha, o bacalhau e a truta”.

Quantas vezes, à semana, devemos incluir peixe na alimentação?

A frequência com que incluimos este alimento nas nossas refeições diárias é, também, tema de destaque à conversa com a nutricionista. Neste sentido, a Drª Inês Gaspar faz uma distinção entre peixes magros e peixes gordos: “a ingestão diária de peixes magros deve ser, preferencialmente, de uma refeição, sendo que, por semana, a ingestão de peixes gordos será de uma a duas vezes”.

Apuradas todas as questões mais pertinentes sobre a importância do consumo de peixe, aproveitamos esta visita ao consultório do nutricionista para recolher para si uma receita de truta, um dos peixes sugeridos pela especialista.

Receita de filetes de truta


Filetes de truta assados com molho de alcaparras e iogurte

Truta

Ingredientes
2 c. de sopa de alcaparras
2 c. de sopa de azeite
2 filetes de truta
1 iogurte natural, não açucarado
1 limão
½ chávena de amêndoas
Sal e pimenta, a gosto

Modo de Preparação

  1. Pré-aqueça o forno a 200º e toste as amêndoas por 10 minutos, mexendo de vez em quando.
  2. Retire, deixe arrefecer e pique.
  3. Numa tigela, misture o iogurte as com as raspas de meio limão, um fio de azeite, sal e pimenta. Reserve.
  4. Noutra tigela, misture as raspas da outra metade do limão com as alcaparras o azeite, o sal e a pimenta. Mexa bem, esmagando as alcaparras.
  5. Unte uma assadeira com azeite, coloque os filetes com a pele virada para baixo e verta sobre eles o molho com as alcaparras.
  6. Leve ao forno por 10 a 15 minutos.
  7. Polvilhe com as amêndoas e sirva acompanhado pelo molho de iogurte.

Descubra tudo o que o sabor a mar pode levar à mesa e partilhe este “consultório do nutricionista” com os amigos. Estamos certos de que ninguém ficará indiferente às potencialidades deste alimento tão rico.

Preparado para deliciar-se enquanto desfruta dos benefícios do peixe?

Veja também: