Bulimia nervosa: causas, sinais e tratamento

Devorar doces, bolachas e pão e em seguida deitar tudo fora. É uma cena comum da bulimia, doença que pode muito bem transformar-se num filme de terror.

Bulimia nervosa: causas, sinais e tratamento
Saiba como reconhecer esta doença que é mais prevalente nas mulheres

A bulimia nervosa é um distúrbio alimentar que se caracteriza pela ingestão às escondidas de grandes quantidades de comida e indução do vómito logo de seguida.

Geralmente, os alimentos consumidos são calóricos, e quem tem esta doença tenta compensar este excesso com exercício físico intenso ou recorrendo a diuréticos e laxantes.

Esta perturbação psiquiátrica pode ser grave a ponto de fazer com que a pessoa induza o vómito mesmo depois de uma refeição ligeira.

Fatores de risco da bulimia

A bulimia pode surgir entre o final da adolescência e o início da vida adulta e apresenta maior prevalência nas mulheres. Como fatores de risco estão também associados a hereditariedade, ou seja, a probabilidade aumenta quando há familiares de primeiro grau com esta perturbação, e as pressões a nível social, como por exemplo na prática desportiva ou em profissões como modelo ou atriz.

Por ser tudo feito às escondidas, é mais difícil de detetar do que, por exemplo, a anorexia.

Sintomas da bulimia nervosa

depressao

Entre os sinais mais comuns desta doença encontram-se a nível físico:

  • Dores de cabeça;
  • Fadiga;
  • Dores abdominais;
  • Vómitos recorrentes;
  • Azia;
  • Obstipação intestinal;
  • Ciclos menstruais irregulares.

Como sintomas psicológicos assinalam-se:

  • Depressão;
  • Alterações do humor;
  • Obsessão por dietas;
  • Pensamentos frequentes acerca de comida;
  • Sentimentos de culpa depois de comer;
  • Autoestima determinada pelo peso;
  • Isolamento social (evitar restaurantes, refeições familiares ou encontros sociais).

Esta doença caracteriza-se por um excessivo medo em ganhar peso e pelo uso inadequado de laxantes ou diuréticos.

Se não for tratada e controlada, a bulimia pode desenvolver complicações como a desidratação, insuficiência renal, problemas cardíacos, irregularidades menstruais, deterioração dos dentes e gengivas, problemas digestivos, ansiedade ou depressão e abuso de álcool e/ou drogas.

10 sinais a que deve estar atento

peso

Como não é fácil de detetar, a melhor forma de fazer um diagnóstico precoce e evitar maiores complicações é estar atento aos sinais da doença e agir logo que possível. Eis alguns exemplos de comportamentos da parte de quem tem esta perturbação:

1. Esconder a comida reservada a episódios de voracidade (sobretudo comida calórica como pão, massas, doces, bolachas e sobremesas);

2. Mentir sobre o que comeram;

3. Evidência de atos de purgação, por exemplo, idas frequentes à casa de banho após as refeições, sinais de vómito e presença de embalagens de laxantes e diuréticos;

4. Deixar a água do duche ou da casa de banho a correr para disfarçar os episódios de purgação;

5. Demonstrar uma profunda preocupação relativamente ao peso e à forma em geral;

6. Tumefação das glândulas salivares e maçãs do rosto;

7. Apresentar queixas frequentes de problemas dentários;

8. Vestir roupas largas;

9. Apresentar fraco ou nenhum impulso sexual;

10. Cicatrizes nos nós dos dedos provocados pela indução do vómito.

Como tratar a bulimia

De um modo geral, o tratamento desta perturbação passa por medicação antidepressiva (mesmo que o paciente não demonstre sintomas de depressão) e por psicoterapia, orientada por um especialista em distúrbios alimentares. Existem várias opções de cura desta perturbação, que podem passar também por consultas de nutrição para recuperar o bem-estar e a forma física ou por terapias de grupo.

O apoio de amigos e familiares é também muito importante para ajudar a ultrapassar este problema. Em casos mais graves poderá ser necessário o internamento.

Veja também: