Cálculo do IRS: como é feito

Saiba aqui como é feito o cálculo do IRS e que factores são tidos em conta no cálculo deste imposto por parte das Finanças.

Cálculo do IRS: como é feito
Conheça melhor o Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Singulares (IRS)

No cálculo do IRS, as Finanças incluem várias variáveis – que incluem rendimentos e deduções – e que acabam por influenciar o resultado final.

Sabemos que temos de preencher a declaração do IRS todos os anos, mas nem sempre compreendemos exactamente como se processa o cálculo deste imposto. É, sobretudo, por esta razão, que muitas vezes temos surpresas quando se simula o que se vai ter de receber ou pagar nesta altura do ano.

Cálculo do IRS: escalões

Sendo um imposto progressivo, ao falarmos no cálculo do IRS temos de falar nos seus escalões pois quando mais se ganha, mais se tem de contribuir. A taxa média vai de 14,5% a 46%, de acordo com o escalão. A sobretaxa do IRS é também tida em conta, apesar do seu fim estar próximo.

Note que há também certos tipos de rendimentos que não são tributáveis. Estes incluem, por exemplo, importâncias suportadas por entidades patronais com a aquisição de passes sociais a favor dos trabalhadores ou prestações relacionadas exclusivamente a ações de formação profissional dos trabalhadores.

Cálculo do IRS: deduções específicas e rendimento coletável

Os escalões não são aplicados aos rendimentos totais, mas apenas ao rendimento coletável, ou seja, ao que está sujeito a imposto. Para chegar a este rendimento coletável, as Finanças subtraem à totalidade dos rendimentos deduções específicas de acordo com o tipo de rendimento e do agregado familiar do contribuinte. O rendimento coletável de um casal é calculado através da média dos rendimentos de ambos.

O objetivo da dedução específica é não cobrar impostos sobre rendimentos que os contribuintes tiveram que utilizar para conseguirem obter os seus rendimentos.

Cálculo do IRS: deduções à coleta

Para além do que já foi referido, temos ainda as deduções à coleta, que têm em conta a situação económica e familiar de cada contribuinte, bem como a do seu agregado familiar. Este tipo de deduções incide sobre despesas que podem ir desde a educação, à saúde e à habitação.

O sistema de cálculo do IRS é, portanto, o resultado de todos os factores acima mencionados, o que leva a uma fórmula relativamente complicada, sendo que para fazer o cálculo aconselhamo-lo a utilizar um simulador de IRS, – disponível  no Portal das Finanças.

Relembramos que este ano o prazo de entrega da declaração de IRS começou no dia 1 de abril e acaba no dia 31 de maio.

Veja também: