Caminho de Santiago: tudo o que precisa de saber

Faz parte da lista de desejos de muitas pessoas, mas nem sempre é concretizado. Encontre aqui tudo o que precisa de saber sobre o Caminho de Santiago.

Caminho de Santiago: tudo o que precisa de saber
Um Caminho, uma aventura, uma descoberta

Mais do que uma caminhada, esta é uma viagem de autodescoberta, uma aventura pessoal e um desafio que eleva o espírito mais além. Descubra tudo o que precisa de saber sobre o Caminho de Santiago e coloque pés ao caminho.

Esta rota milenar é seguida por milhões de peregrinos desde o início do século IX, quando foi descoberto o sepulcro do Apóstolo Santiago, o Maior. Desde esse momento e de uma forma espontânea, pessoas oriundas de diversas partes do mundo percorrem os caminhos que conduzem à Catedral onde se veneram as relíquias do Santo Apóstolo, dando origem a um fenómeno que se reforça a cada ano.

Percorrer o Caminho de Santiago é entrar numa rota de renovação, de transformação interior, viajando ao ritmo de outros séculos. Uma peregrinação para a qual lhe indicaremos tudo o que precisa de saber sobre o Caminho de Santiago.

A lenda do Caminho de Santiago


caminho de santiago

Por que motivo tantas pessoas procuram este percurso? Santiago foi, durante a Idade Média, a zona mais concorrida e mais celebrada de todo o noroeste peninsular. Por ali circularam rainhas, príncipes, pintores, artistas, trovadores e jograis, tendo sido este o ponto de partida para a construção de uma nova Europa.

Assim, o Caminho de Santiago significou na história do Ocidente uma das mais importantes vias de peregrinações e intercâmbios de cultura, onde povos diferentes se cruzaram e fundiram num pensamento novo ocidental.

Pelo Caminho de Santiago, a partir de Portugal


caminho de santiago

O Caminho Português de Santiago pode ser feito a pé ou de bicicleta e tem três pontos de partida mais reconhecidos: Porto (cerca de 230 km), Ponte de Lima (cerca de 150 km) e Valença (cerca de 115 km), que compõem as nove etapas.

Etapa 1: Do Porto a Vilarinho (Vila do Conde)

  • Percurso: 25 km;
  • Pontos de interesse: Capela da Ramada Alta, Descida da Sé do Porto, Igreja da Misericórdia / Rua das Flores, Pelourinho do Porto, Rua de Cedofeita;

Etapa 2: De Vilarinho (Vila do Conde) a Barcelos

  • Percurso: 26 km;
  • Pontos de interesse: Azenhas, junto à ponte, Ruínas da antiga Estalagem das Pulgas, Ponte de D. Zameiro (ponte gótica sobre o Ave), Ponte do Ave;

Etapa 3: De Barcelos a Ponte de Lima

  • Percurso: 30 km
  • Pontos de interesse: Cruzeiro do Espirito Santo, depois de Vila Boa, Cruzeiro na bifurcação para Ponte de Lima, Capela de Santa Cruz, Capela do Espirito Santo, Igreja de Santa Maria Maior, Igreja do Senhor da Cruz;

Etapa 4: De Ponte de Lima a Valença/Tui

  • Percurso: 38 km;
  • Pontos de interesse: Capela do Anjo da Guarda, Caminho das Tojeiras, Caminho nas Barrosas, Portão da Quinta de Sabadão;

Etapa 5: De Valença/Tui a Redondela

  • Percurso: 29 km;
  • Pontos de interesse: Túnel do Convento das Clarissas, Cruzeiro em San Bartolomeu de Rebordáns, Ponte da Veiga, sobre o rio Louro, Ponte internacional de Valença;

Etapa 6: De Redondela a Pontevedra

  • Percurso: 18 km;
  • Pontos de interesse: Outeiro de Penas (parque de merendas), Vista sobre a Ria de Vigo, Igreja de Santiago de Redondela;

Etapa 7: De Pontevedra a Caldas de Reis

  • Percurso: 23 km;
  • Pontos de interesse: Centro histórico de Pontevedra, Fonte da Xunqueira, Igreja da Virge Peregrina, Igreja de S. Francisco;

Etapa 8: De Caldas de Reis a Padrón

  • Percurso: 17 km;
  • Pontos de interesse: Ponte sobre o Bermaña, Capela de San Roque, Igreja paroquial de Caldas de Reis;

Etapa 9: De Padrón a Santiago de Compostela

  • Percurso: 21km;
  • Pontos de interesse: Centro Histórico de Padrón, Rio Sar, Cruzeiro em Rueiro, Colegiada de Santa Maria de Iria Flavia, Igreja de Santiago de Padrón, Padrón – Convento do Carmo;

Outros Caminhos de Santiago


caminho-de-santiago-portugues

São muitos os estrangeiros que procuram Portugal para iniciar o Caminho. Seja ele qual for, atualmente, os trajetos estão bem assinalados, sendo fácil segui-los até ao destino final. Há, pelo meio, várias entidades que fornecem serviços de auxílio, como casas particulares, bares, restaurantes, albergues, entre outros.

Além do Caminho Português, as restantes rotas mais usadas são:

  • Caminho Francês, que liga vários pontos de França até à entrada em Espanha, em Roncesvalles, no sopé dos Pirinéus;
  • Caminho da Prata, que sai de Sevilha, passando por Chaves e Ourense;
  • Caminho Primitivo, que sai de Oviedo;
  • Caminho do Norte, que parte de Irúm e passa por San Sebastian;
  • Caminho Inglês, que parte da Corunha.

Prepare-se para o Caminho de Santiago


mala

A peregrinação a Santiago de Compostela é um desafio físico e mental para o qual é necessário preparação adequada, para que possa antecipar os imprevistos e poder desfrutar em pleno.

1. Preparação prévia

  • Faça exercício físico antes de iniciar o Caminho;
  • Se não está a caminhar longas distâncias, comece com caminhadas curtas e vá aumentando progressivamente;
  • Faça passeios com a mochila carregada, simulando o peso que irá transportar durante o caminho, para se habituar;
  • Estabeleça um plano de etapas, entre os 25 a 30 km por dia a pé e os 60 a 100 km se for de bicicleta;
  • Informe-se da previsão do estado do tempo, para levar roupa adequada;
  • Adapte bem a mochila ao seu corpo: evite folgas, evite excessiva compressão, não leve coisas desnecessárias.

2. Credencial do Peregrino

  • O documento que o identifica como peregrino;
  • Dá acesso aos Albergues de Peregrinos;
  • Permite o acesso, em Portugal, à rede nacional das Pousadas de Juventude;
  • Indispensável para solicitar a “Compostela” na Oficina do Peregrino, em Santiago de Compostela, que é apenas concedida a quem efetua a peregrinação com sentido cristão ou numa atitude de busca espiritual;
  • Só é atribuída a “Compostela” a quem percorra os últimos 100 km a pé ou a cavalo, ou os últimos 200 km em bicicleta até ao Túmulo do Apóstolo Santiago;
  • Pode solicitar a caderneta online, na Sé Catedral do Porto, no Centro de Estudos Jacobeus – Porto, no Albergue de Peregrinos de S. Pedro de Rates, no Albergue de Peregrinos de Ponte de Lima, na Associação dos Amigos do Caminho de Santiago de Viana do Castelo e no Albergue de Peregrinos de Valença.

3. Vieira

  • A concha da vieira é o maior símbolo do Caminho;
  • Assinala o percurso até Santiago de Compostela e serve de guia a todos os peregrinos.

4. Vestuário

  • Use roupa adequada para a época;
  • Se fizer o caminho no verão, leve sempre um impermeável para alguma eventualidade;
  • Use bonés ou chapéus para proteger a cabeça do sol;
  • Auxilie a caminhada com um pau, para ajudar nos terrenos mais difíceis e prevenir lesões.

5. Calçado

  • Use botas de montanha ou de treking ajustadas ao pé, de tecido leve e impermeável e que facilitem a transpiração;
  • Use meias de caminhada sem costura;
  • Deve levar também chinelos ou sandálias para descansar o pé no final do dia e ajudar a melhorar em caso de bolhas ou feridas;
  • Nunca use botas ou ténis novos na caminhada.

6. Mochila

  • Deve ser confortável, estar adaptada ao corpo, de material leve, com cintos na cintura e no peito e bolsos nas laterais e na parte superior;
  • Não sobrecarregue a mochila.

7. Técnicas para caminhar

  • Antes de começar a caminhada diária, faça alguns alongamentos aos braços e principalmente pernas e pés;
  • Comece com um ritmo suave e vá aumentando o ritmo da marcha, até estabilizar;
  • Mantenha um ritmo que lhe seja confortável e que permita, sem esforço, manter uma conversa;
  • Descanse pelo menos 10 minutos a cada duas horas;
  • Em descidas, se o piso permitir, caminhe com passo mais rápido, apoiando bem o pé e apertando um pouco mochila na cintura, para poder descansar os ombros.

8. Hidratação

  • Beba três copos de água entre uma a duas horas antes de começar a etapa, dois copos 15 minutos antes da partida e o equivalente a um copo de água a cada 40 minutos durante a etapa, perfazendo cerca de 2 litros de água por dia;
  • Beba mesmo que não tenha sede, pois ajuda a evitar problemas musculares, como cãibras;
  • Não consuma água de nascentes ou fontes de potabilidade duvidosa.

9. Paragens/pausas

  • No verão, procure um lugar fresco à sombra;
  • Alargue os atacadores e coloque os pés para cima;
  • Aproveite para beber e comer alguma coisa (preferencialmente alimentos nutritivos, como nozes, chocolate, frutas, barras de energia).

10. Cuidado com os pés

  • Todos os dias antes de começar a caminhar, aplique um pouco de vaselina;
  • Pode refrescar os pés em fontes ou lagos, porém certifique-se de que os seca muito bem;
  • Se tiver bolhas: fure com uma agulha até ficar bem drenada, mas nunca deve cortar a pele, que serve para proteger a área lesionada. Depois coloque um penso sobre a bolha, de modo a cobrir bem a área afetada.

11. Combater a fadiga

  • Deve fazer uma pausa antes de estar totalmente exausto, caso contrário a recuperação será mais difícil e lenta;
  • Para evitar a fadiga muscular, beba muitos líquidos, até mesmo bebidas energéticas, para substituir os minerais perdidos;
  • Se sofrer de exaustão por calor, procure um local fresco e beba líquidos em abundância.

Faça um bom Caminho!

Veja também: