Plano de Saúde Medicare

Gratuito durante 6 meses!

Ao clicar concordo receber comunicações de marketing directo enviadas por e-konomista.pt

Saber mais

Cancro cervical: saiba o que é e qual o tratamento

O cancro cervical já não é uma sentença de morte. A prevenção é o melhor remédio e, por isso, explicamos o que deve fazer.

Cancro cervical: saiba o que é e qual o tratamento
O cancro cervical é exclusivo das mulheres

O cancro cervical, também conhecido como cancro do colo do útero, é exclusivo das mulheres. O colo do útero é a zona mais estreia da região pélvica feminina e faz a ligação do útero à vagina.

O cancro cervical é um tumor de crescimento lento que surge à conta da alteração das células epiteliais do colo do útero e o carcinoma do colo do útero é o mais comum.


Fatores de risco do cancro cervical

Ainda que não seja possível identificar as causas do cancro cervical alguns fatores de risco podem ser facilmente reconhecidos:
  • Vírus do Papiloma Humano (HPV): este é um vírus contagioso transmitido sexualmente. Segundo os últimos dados, a grande maioria da população adulta já foi infetada pelo HPV. Ainda assim, nem todos os subtipos de HPV provocam cancro (os mais perigosos são os subtipos 16 e 18). Atualmente, o plano nacional de vacinação já disponibiliza uma vacina (em duas doses) para raparigas entre os 10 e os 13 anos (ainda assim, a vacina não previne contra todos os tipos de HPV e, por isso, o rastreio continua a ser essencial);
  • Histórico sexual: quanto mais cedo for iniciada a vida sexual, maior o risco de contrair este tipo de cancro. O mesmo cálculo é aplicado ao número de parceiros sexuais;
  • Número de filhos: os estudos são claros – as mulheres com HPV que têm mais filhos apresentam risco acrescido de desenvolver cancro do colo do útero;
  • Tabagismo: as mulheres com infeção por HPV têm maior risco de desenvolverem cancro cervical se forem fumadoras;
  • Toma da pílula por longos períodos: de acordo com os últimos dados, as mulheres com HPV que tomem a pílula por mais de cinco anos seguidos têm mais probabilidade de desenvolver cancro cervical.


Quais são os sintomas?

Por norma, o cancro cervical não apresenta sintomas na fase inicial, por isso o rastreio assume um papel importante para a prevenção e tratamento eficaz deste tipo de situações.

Mas existem alguns sintomas que devem mantê-la alerta:
  • Hemorragia vaginal fora do comum: entre ciclos menstruais ou depois da menopausa, por exemplo;
  • Dor durante as relações sexuais;
  • Dores pélvicas.


O que fazer para prevenir o cancro cervical?

A melhor prevenção é o diagnóstico precoce. O exame de Papanicolau (também classificado como esfregaço cervical) não causa dores e serve para analisar as células cervicais. Por norma, este exame é feito três anos após o início da vida sexual da mulher e a partir das 21 anos de idade é realizado de dois em dois anos. 
 

Como é feito o diagnóstico final?

Se os testes preventivos revelarem células anormais, o médico irá decidir qual o melhor método de tratamento tendo em conta o grau da lesão.

Nessa altura a equipa médica irá avançar para testes definitivos: 
  • Colposcopia: o médico utiliza um aparelho para visualizar o colo do útero;
  • Biópsia: é administrada anestesia local e o médico recolhe amostras de tecido que irão ser analisadas para pesquisar o tipo de células cancerígenas;


Qual é o tratamento?

Se os exames finais (colposcopia ou biópsia) detetarem a presença de células cancerígenas o médico passa a avaliar qual a verdadeira extensão da doença e se o tumor está a disseminar-se (estadiamento).

Depois do estadiamento, a equipa médica decide qual a melhor terapêutica a ser aplicada para o tratamento do cancro cervical. 

Existem três tipos de tratamento:
  • Cirurgia (trata o tumor localmente e na área adjacente);
  • Radioterapia (são utilizados raios de alta energia para eliminar as células cancerígenas);
  • Quimioterapia (são utilizados fármacos anti-neoplásticos para eliminar as células cancerígenas por via intra-venosa);
 

E depois?

Feito o tratamento ao cancro cervical, a mulher passa a ser seguida pelo seu médico na instituição médica onde foi tratada. Nessa fase poderão ser solicitados novos exames (como é o caso das TAC).

Veja também: