Candidatura à universidade: 8 coisas que não pode esquecer

Exames nacionais e médias? Há muito mais a ter em atenção. Se vai fazer a candidatura à universidade, veja as 8 coisas que não pode esquecer de fazer.

Candidatura à universidade: 8 coisas que não pode esquecer
Há coisas que não pode deixar escapar

Quem se está a preparar para ingressar no ensino superior sabe que a candidatura é um dos passos mais importantes desta fase. Mas, com tanto em que pensar e tantos prazos por cumprir, esta tarefa pode parecer mais complicada do que, de facto, é. Se quer evitar situações de stress e atrasos, fique atento a este artigo e descubra que há um passo a passo simples a seguir. Vai fazer uma candidatura à universidade? Veja 8 coisas que não pode esquecer. Tome nota daquilo que deve ter em atenção.

A entrada na universidade e o passo para o futuro

Depois de tantos anos de vida escolar, é chegada a altura de fazer importantes escolhas e isso pode, muitas vezes, não ser uma tarefa simples – afinal, decidir o que quer fazer com o seu futuro é algo que tem um grande impacto nesta fase decisiva que marca a entrada na vida adulta.

Para reduzir o risco de falhas e enganos, reunimos os 8 pontos que deve ter em atenção durante este processo e listamos algumas dicas que podem facilitar as escolhas e o preenchimento das candidaturas. Mesmo que já tenha muitos passos em mente e tudo pareça estar devidamente organizado para os seguir, nunca é demais observar a situação sob novos ângulos, certo?

Candidatura à universidade: 8 coisas que não pode esquecer

vai-entrar-na-universidade-veja-8-coisas-que-nao-pode-esquecer

1. Escolha dos Cursos

Esta é a grande decisão: qual curso escolher? Para começar a pensar nas 6 opções que vai marcar na candidatura, a nossa sugestão é analisar o Índice de Cursos da DGES, onde pode encontrar a lista de cursos disponíveis no ensino privado, público e concordatário.

Para complementar a sugestão, temos 4 dicas para si:

  1. Faça uma pesquisa avançada de todos os cursos do seu interesse, tipo de ensino, localização das instituições disponíveis.
  2. Pesquise e explore todas as informações que puder sobre as instituições de ensino superior que estejam localizadas na área geográfica do seu interesse.
  3. Consulte os nossos artigos sobre a escolha do curso superior e saiba mais sobre o teste psicológico vocacional.
  4. Troque informações com outros estudantes que estão a passar pelo mesmo processo ou que já estão a frequentar a universidade.

2. Senha para a Candidatura Online

Um passo a não esquecer: comece por realizar o pedido da senha para aceder à candidatura online. A solicitação deve ser feita no portal da Direção Geral do Ensino Superior (DGES), onde deve preencher um formulário específico para o efeito.  Após ter concluído este passo, receberá um e-mail com o documento a ser impresso e certificado na escola secundária ou num Gabinete de Acesso ao Ensino Superior (GAES). De seguida, será enviada para o mesmo e-mail uma senha de acesso à plataforma online de candidatura ao Concurso Nacional de Acesso.

3. Ficha ENES: Média do Secundário e Nota de Candidatura

Para realizar a candidatura ao ensino superior terá de solicitar na escola secundária a ficha ENES, onde estão formalizadas todas as notas requisitadas para o acesso.

Depois de ter o documento, as notas dos exames e a média do curso do ensino secundário, deverá consultar o Guia da Candidatura 2017 e analisar qual é o peso das provas de acesso e da média escolar definida para cada um dos cursos, chegando então à nota de candidatura. Tenha em atenção que algumas universidades chegam a exigir uma nota mínima de candidatura, tal como acontece nas Provas de Ingresso.

4. Provas de Ingresso

vai-entrar-na-universidade-8-coisas-que-nao-pode-esquecer

As provas de ingresso significam algo entre 35% a 50% da nota de candidatura. Tenha em atenção que, para usar um exame como prova de ingresso, existe a exigência de uma nota mínima, fixada nos 9,5 valores. Há, no entanto, cursos que colocam este patamar acima, como é o caso de alguns cursos de Medicina.  O mínimo estabelecido deve ser cumprido em todos os exames pedidos, ainda que aconteçam em conjuntos de duas ou três provas de ingresso.

Observação: se frequenta o ensino profissional, um curso vocacional ou o ensino artístico especializado, deverá realizar dois exames nacionais para ter acesso ao ensino superior – um deles será, obrigatoriamente, o de português.

5. Pré-requisitos

Tenha em atenção os pré-requisitos específicos que alguns cursos exigem, que poderá já ter realizado, ou não, ao longo do processo. No caso dos pré-requisitos dos Grupos A e B, os mais comuns, trate da documentação necessária e entregue tudo no ato da matrícula. Para os pré-requisitos restantes, consulte a instituição onde foram realizados e solicite o acesso à Ficha Pré-requisitos pessoal, que será pedida na candidatura online.

6. Concursos locais e candidaturas ao ensino privado

As indicações fornecidas aqui para o Concurso Nacional de Acesso feito online através do portal da DGES servem apenas para o ingresso no ensino superior público.  Se pretende ingressar no ensino superior privado ou concordatário, deverá contactar a instituição em causa, solicitando as informações sobre prazos e condições de candidatura.  Aplica-se a mesma regra para os Concursos Locais.

7.  Preferência Habilitacional e Preferência Regional

Na altura de consultar o Guia da Candidatura 2017, vai verificar que existem opções que abrangem a Preferência Regional ou a Preferência Habilitacional. Estas vagas preferenciais estão disponíveis para determinados candidatos e só podem ser acedidas se a ficha ENES tiver o respetivo código. As opções de candidatura com a preferência regional devem ser as primeiras na lista, ou deixam de contar como uma vantagem para o candidato.

8. Bolsas de estudo

Atenção: no fim do processo online de candidatura à universidade aparecerá uma pergunta sobre a intenção de ter acesso à bolsa de Ação Social. Nos casos em que a resposta for afirmativa, o candidato irá receber no e-mail os dados de acesso à plataforma da Bolsa de Estudo (que é diferente da plataforma de candidatura). Nesta altura, o candidato deverá seguir os passos, submetendo a documentação necessária. Depois, os documentos serão encaminhados às instituições nas quais o candidato tenha sido colocado.

Em alternativa, poderá submeter a candidatura à bolsa dentro de prazos alargados – 20 dias úteis após a validação da matrícula, nos casos em que a inscrição é feita após o prazo normal.

Agora que já conhece as 8 coisas que não pode esquecer na altura de fazer a sua candidatura à universidade, está na hora de dar início aos preparativos. Mãos à obra e bons estudos!

Veja também: