PLANO DE SAÚDE MEDICARE - 6 mensalidades sem compromisso

Comida emocional: 6 truques para parar

A alimentação emocional é uma estratégia para libertar e aliviar alguns sentimentos. Sabe como livrar-se da comida emocional?

Comida emocional: 6 truques para parar
Descubra os inimigos da sua dieta e liberte-se dos exageros

Uma reunião atribulada, uma conversa difícil com o chefe, a falta de tempo ou mesmo uma discussão familiar podem desencadear hábitos pouco saudáveis como alimentar-se compulsivamente. Quando não paramos para pensar e agimos por impulso para saciar alguns sentimentos negativos, estamos diante de um distúrbio alimentar que pode afetar a saúde, o bem estar e todo o dia a dia. Sabe como afastar a comida emocional da sua rotina?

Se já sentiu que apela à comida para aliviar sentimentos negativos, é hora de repensar este hábito. Quando a comida é vista como recompensa, o alívio pode ser imediato e não traz uma solução para o real problema. Descubra quais são as situações inimigas da sua dieta e crie estratégias para mudar a alimentação e sair a ganhar com isso. 
 


Quais são os sinais da comida emocional?

  • Aparece repentinamente, ao contrário da fome física.
  • O sentimento é de que deve ser saciada imediatamente, enquanto a fome real pode esperar.
  • Sente desejo por comidas específicas.
  • Não há saciedade, mesmo quando o estômago está cheio.
  • Pode ser acompanhada de sentimentos negativos, como culpa, vergonha, tristeza ou falta de controlo.
 

Qual é o perfil de quem come emocionalmente?

  • Come mais, mesmo quando já não tem fome.
  • Come muito quando está sob stress.
  • Escolhe alimentar-se mesmo sem haver fome física. 
  • Vê a comida como recompensa.
  • Come com o objetivo de se sentir melhor.
  • Sente que a comida traz segurança e conforto.
 

Comida emocional: 6 truques para parar

6 truques para trabalhar a mente e as emoções, vencer a tentação e conquistar o seu bem estar.



1. Faça listas

Somos ensinados a adotar a distração no nosso quotidiano: seja a enviar um SMS enquanto conduzimos, seja a dispersar o foco durante as nossas atividades. Quando isso acontece, ativamos o modo automático e passamos a não viver o presente e a não fazer as melhores escolhas. A distração, quando não controlada, pode ser a maior inimiga da sua alimentação. O segredo para mudar a situação é treinar o foco: esta é a melhor arma para combater o hábito dos exageros na dieta.

Crie listas: 5 atividades que gosta de fazer, 5 pessoas a quem telefonar quando está menos motivado, 5 formas de relaxar, 5 coisas que pode dizer a si mesmo quando está sob stress. Coloque as listas num local visível e, de preferência, perto de onde vai buscar comida em alturas desnecessárias (por exemplo, na porta do frigorífico). Quando tiver o impulso de comer emocionalmente, escolha algo que esteja na lista, concentre-se por uns minutos e direcione o foco. 
 


2. Mapeie o território emocional

Quando tiver algum momento livre, agarre num papel e numa caneta e tente esboçar a sua rotina para a semana. Trace, num mapa, os percursos que vai fazer e todas as suas paragens planeadas. Trabalho, reunião de pais, consulta médica, jantar com os sogros e compras no supermercado são alguns dos exemplos que pode incluir no mapa. Em seguida, assinale os locais que podem desencadear stress, cansaço, falta de tempo, tristeza, apreensão ou qualquer mal estar. 

Ter um mapa traçado ajuda a prever os eventos problemáticos e permite que esteja consciente de cada um deles.  Planear com antecedência faz com que possa criar objetivos e ensinar a mente a manter o foco. 
 


3. Fale consigo como se fosse a realeza

A comida emocional é, muitas vezes, acompanhada pela prática da auto-crítica. Mesmo que fugazes e silenciosos, comentários negativos sobre si mesmo ou sobre a sua postura diante de determinada situação podem ser tóxicos e funcionam de forma corrosiva sobre o seu bem estar. 

"Eu fracassei", "eu nunca alcanço os meus objetivos", “eu podia ter feito melhor”, “eles não vão gostar de mim”, ou  “eu não vou conseguir” são alguns dos exemplos de mensagens que, de forma consciente ou não, são produzidas pela nossa voz interior durante momentos de stress.

Da próxima vez que isto acontecer, dê a distância necessária para ganhar uma real perspetiva. Desloque-se para a terceira pessoa e construa mentalmente as frases desta forma. Pode parecer confuso e pode achar que não resulta, mas a verdade é que esta é uma técnica utilizada para interromper o ciclo negativo com um novo olhar sobre a situação.
 


4. Ensine a sua mente a conhecer o seu corpo

“Ground your mind”. A técnica, com nome em inglês, faz parte das ferramentas utilizadas pela terapia bioenergética para firmar os conhecimentos sobre si mesmo. Trata-se de encontrar formas de promover a melhor relação entre os impulsos voluntários, semivoluntários e involuntários. É preciso trabalhar a cabeça para entender o corpo e as suas reais necessidades, e para isso deve saber reconhecer a forma como ele expressa as suas reais necessidades, emocionais e físicas. 

Concentre-se em diferenciar a fome emocional da fome física e mantenha o foco antes de abrir o frigorífico e decidir para de pensar. 
 


5. Limpe a cabeça em alturas de crise

Escolha uma técnica que o liberte do stress e da comida emocional. Seja recitar um poema difícil numa língua que não domina, ou a folhear uma revista. Pode, por exemplo, fazer um reset à mente ao ler um texto de trás para a frente, repetindo a técnica por duas ou três vezes. Isso ajuda-o a voltar ao momento presente e livrar o cérebro dos pensamentos e sentimentos negativos que provocam a fome emocional.
 


6. Deixe as preocupações à porta de casa

Quem nunca entrou em casa, pousou a carteira e foi para a cozinha aliviar o cansaço numa fatia de bolo ou de pizza? Muitas pessoas já desenvolveram este mau hábito, mas a boa notícia é que há forma de alterar a situação. Crie um novo hábito ao regressar à casa.

Assim que entrar em casa, lembre-se de repetir a frase: “deixo aqui os meus problemas”. Em seguida, substitua o caminho habitual para a cozinha por uma atividade não-alimentar que lhe traga prazer. Selecione músicas para ouvir, apanhe ar na varanda, admire a vista pela janela ou faça uma pausa para brincar com o seu animal de estimação. Repita isto todos os dias até que este seja um novo ritual. 


Dica do E-konomistaquestione-se! Cometeria exageros alimentares se trabalhasse os seus sentimentos e a sua cabeça para sentir-se melhor? Há muitas formas de promover a calma e aliviar o stress sem ganhar peso, ter arrependimento ou culpa. Escolha as atividades e estratégias adequadas para si e garanta que elas são capazes de livrá-lo do stress. Não esqueça de excluir a comida de qualquer uma delas. Pratique isso diariamente até que faça parte da sua rotina. O seu corpo agradece. 

Veja também: