Como criar uma carteira de investimentos

Invista algum tempo na definição da sua estratégia de investimentos. Construa uma carteira sólida para garantir o sucesso dos seus investimentos no longo prazo

Como criar uma carteira de investimentos
Construa a sua carteira de investimentos e atinja o seu sucesso financeiro

Caso queira participar nos mercados financeiros de forma consciente e com maiores probabilidades de sucesso, sugerimos que siga algumas dicas para criar a sua carteira de investimentos.

Os mercados estão eufóricos. As medidas de intervenção monetária do BCE vieram trazer um otimismo reforçado aos investidores que são cada vez mais empurrados para tomar riscos. Parece que estaremos a criar uma bolha em alguns mercados mas até que a bolha rebente ainda deveremos ter mais valorizações e ganhos potenciais.

Os investimentos bem-sucedidos estão baseados em algumas regras básicas que importa não esquecer.


Conheça os seus objetivos:

O conhecimento dos seus objetivos é o primeiro passo para criar uma carteira de investimento. Na prática, ao saber o seu destino saberá o que tem de levar para o caminho. Aplicado à sua carteira, saber o montante que necessita de acumular irá permitir definir os montantes que precisará de poupar mensalmente e o nível de risco que tem de assumir. Simples?


TOME NOTA:
Invista algum tempo na definição da sua estratégia de investimentos. Construa uma carteira sólida para garantir o sucesso dos seus investimentos no longo prazo.

Defina um plano de investimento periódico:

Depois de definidos os seus objetivos poderá estipular um plano de poupança/investimento periódico. Diz-nos a experiência que planos periódicos automáticos ajudam bastante no esforço de poupança, tornando-o mesmo algo inconsciente. Uma segunda vantagem destes planos consiste na compra de investimentos em diferentes alturas do tempo. Ou seja, garante que não entra no mercado quando ele está em situações de pico.


Invista de acordo com a sua idade:

A teoria financeira diz-nos que o risco que deverá assumir na sua carteira deve estar de acordo com a sua idade. Investidores mais jovens podem assumir mais risco se o que pretendem é um investimento para o longo prazo. Investidores mais perto da idade da reforma deverão assumir menos riscos de modo a evitar o risco de perder grande parte do seu património numa altura em que terá pouco tempo para recuperar das perdas.


Diversifique:

Escolha diferentes produtos de investimento de diversas classes de ativos. Poderá subscrever certificados de aforro ou certificados do tesouro para a componente sem risco — atenção que as taxas destes produtos estão prestes a ser reduzidas. Fundos de investimento ou planos poupança reforma para os investimentos com mais risco. Opte, contudo, por produtos simples e onde é fácil de perceber quais os riscos que está a assumir.


Viva a vida:

A última ideia que queremos deixar é que a sua carteira, depois de constituída e com os planos de entregas programadas bem definidos, irá ter uma vida própria. Não será necessário acompanhar os investimentos todos os dias. Deixe a carteira investida e acompanhe espaçadamente os riscos. No entanto, se a diversificação for a correta apenas serão necessários ligeiros ajustes esporadicamente pois o dinheiro irá ficar a trabalhar para si, libertando o seu tempo para atividades bem mais interessantes. Libertando tempo para que consiga viver a sua vida.


Veja também: