Publicidade:

Como educar um gato: 5 truques essenciais

Como educar um gato? Existe a ideia generalizada de que os gatos, ao contrário dos cães, são incontroláveis e impossíveis de educar. Não é verdade.

Como educar um gato: 5 truques essenciais
Vai conseguir ensinar regras de convivência ao seu amigo de 4 patas

Conhecidos pela sua independência e desapego, os gatos não estão programados para viver com auxílio de outros animais ou, até mesmo, de seres humanos. Estas características podem traduzir-se num obstáculo na hora de tentar estabelecer limites e regras de convivência. Contudo, ao contrário do que muitos pensam, os felinos possuem uma boa capacidade de aprendizagem e existem várias dicas que o ajudam a saber como educar um gato.

Importa, no entanto, fazer a distinção entre educar para uma convivência pacífica e treinar para que o animal faça truques. Por isso mesmo, é inútil lidar com um gato como se de outro animal se tratasse.

Saiba como educar um gato


como educar um gato

Uma boa relação com um gato deve ser fomentada logo desde os primeiros meses de vida do animal, para que exista desde cedo um laço de confiança. No entanto, é um erro tentar educar um felino como se educa um cão, especialmente porque o gato nunca será tão dependente de si como o canídeo.

Usar a caixa de areia

A higiene é uma questão de grande importância na convivência com um animal, mas é também uma característica típica dos gatos, uma vez que são animais muito asseados. Por isso mesmo, a utilização da caixa de areia é um ensinamento fulcral.

Então, como educar um gato para que ele recorra à caixa de areia? Em primeiro lugar, deve colocá-la num local de fácil acesso e que seja ventilado, para evitar maus cheiros. Depois, tem de levar o seu amigo de quatro paras até à caixa e deixá-lo explorar e habituar-se. Geralmente, os gatos não têm dificuldades em adaptar-se a fazer as necessidades no lugar designado.

No caso de o seu gato fazer as necessidades fora da caixa, o melhor será colocá-lo no local certo imediatamente a seguir ao “acidente”. Isto fará com que ele associe os eventos.

Não arranhar ou morder

É universal: mais tarde ou mais cedo, todos os donos de gatos sofrem com as garras afiadas e os dentes dos seus amigos felinos. Ora, a melhor forma de evitar (ou reduzir ao máximo) este flagelo é habituar o animal ao contacto físico e à socialização desde muito bebé.

Para que isso corra bem, basta estar atento para perceber em que momentos o gato não quer que lhe toquem. Porém, sempre que o seu amigo peludo estiver relaxado deve aproveitar para o acariciar e brincar com ele.

Permitir que o escovem

Escovar o pelo com frequência pode evitar complicações de saúde para o gato. Para que o animal olhe para a escova sem desconfiança e como uma presença normal na sua vida precisa de se habituar a ela. O melhor será introduzir o objeto nas brincadeiras diárias, mesmo nos momentos em que não escova o animal, para que ele perceba que é algo natural.

Não arranhar mobília

Este ensinamento requer alguma paciência, já que afiar as unhas é uma necessidade que os gatos não conseguem contrariar. De facto, os gatos usam as garras para marcar território, pelo que é previsível que surjam algumas marcas na mobília.

Para evitar sofás e armários desfeitos, o melhor será apostar num arranhador que entretenha o seu companheiro felino e o distraia dos móveis. Deve estimular o contacto do gato com o arranhador para que ele se familiarize com o objeto. Sempre que o animal arranhar mobiliário tem de usar a mesma tática recomendada em relação à caixa de areia: pegar nele e levá-lo até ao local certo.

Repreensões

O ideal será recorrer, sempre que possível, ao reforço positivo: presentar o gato quando ele se comportar de acordo com o que lhe foi ensinado. Porém, na eventualidade de este sistema não ter frutos, poderá recorrer a punições que indiquem ao animal que algo não está correto.

As repreensões devem ser sempre as mesmas, para que exista um padrão. Uma das hipóteses é usar a palavra “não”, tal como costuma ser recomendado no caso dos cães. Pode também bater palmas, porque o som consegue chamar a atenção do gato.

Por último, uma boa opção é usar um borrifador de água. Os bons resultados deste método prendem-se com o facto de os gatos, na sua generalidade, não apreciarem o ruído do spray nem a própria água no pelo.

Agora que já sabe como educar um gato, mãos à obra – e alguma paciência.

Veja também:

Inês Pereira Inês Pereira

Licenciada em Jornalismo e Pós-Graduada em Branding e Content Marketing, sempre se deu bem com a escrita. Embora prefira escrever com um teclado, não acredita nessa ideia de ler um livro através de um ecrã: um livro lê-se em papel e tem um marcador. Gosta de fotografia, de história e de conhecer o mundo.