Publicidade:

Como não levar trabalho para casa: 5 dicas

É difícil deixar as responsabilidades de um dia de trabalho para trás e relaxar e descansar. Mas, já sabe: é preciso não levar trabalho para casa.

Como não levar trabalho para casa: 5 dicas
Encontrar um equilíbrio saudável

Acreditamos que esteja a ler este título e a pensar: “é fácil falar”. Sabemos que é complicado e cansativo deixar de lado por completo as responsabilidades e exigências de um dia de trabalho – sobretudo, se estiver a meio de um projeto importante ou se ocupar uma posição relevante na organização. É ainda mais complicado não levar trabalho para casa quando se trabalha… Em casa! Mas, há dicas a não perder para preservar a sua vida pessoal, familiar e social.

É importante para a saúde mental, para a estabilidade emocional e para felicidade pessoal e familiar, saber desligar no final de um longo dia. Em Portugal ainda não existe legislação que proteja o trabalhador neste sentido, como noutros países. Em França, por exemplo, o trabalhador não é obrigado a ver e-mails ou lidar com assuntos laborais fora do horário – e não é punido por isso. Mesmo a nível corporativo, algumas empresas lidam com esta questão de uma forma personalizada.

Apresentamos-lhe um conjunto de sugestões para o ajudarem a não levar trabalho para casa, para que as suas responsabilidades não prejudiquem a sua vida pessoal e familiar.

Como não levar trabalho para casa: 5 sugestões


nao levar trabalho para casa

1. Estabelecer prioridades

É compreensível temer ter de escolher entre trabalho e casa, com receio que a decisão possa levar a uma vida profissional insatisfatória ou expectativas de carreira defraudadas. Mas, é importante estabelecer que os horários de trabalho são para ser cumpridos e o tempo com a família, amigos ou cuidados pessoais, também. Em determinado período do dia qual é a sua prioridade: acabar uma tarefa, ou ir para casa? Estabelecer prioridades acaba por ser uma forma de equilibrar o dia a dia.

Quando tomar a sua decisão, mantenha-a e dedique-se completamente a ela. Isto ajuda também a promover o sentimento de dever cumprido e favorece a passagem de uma tarefa para um momento doméstico sem sentimento de culpa.

2. Priorizar o descanso mental

Quando chegar a casa, desligue completamente. Não consulte e-mails nem mensagens e, se possível, evite ligar o computador ou estar sempre a verificar as redes sociais. As atividades devem ser relaxantes.

3. Dedicar tempo a falar dos problemas

É bom falar dos problemas em casa, mesmo dos problemas profissionais. Desabafar sobre o dia a dia ajuda a deixar as frustrações para trás e, até, a ter uma nova perspetiva sobre determinado assunto. Se estiver sempre a trabalhar em casa, quando terá a oportunidade de refletir sobre os assuntos profissionais?

4. Definir regras com a entidade patronal

É importante saber a diferença entre o que é colaborar com a sua empresa, e/ou entidade patronal, e quando estes ultrapassam os limites do que é proposto no contrato de trabalho – ou do compromisso que estabeleceram. Esta é uma relação de mútuo respeito.

Infelizmente, não são poucas as entidades patronais que “abusam” dos funcionários. Questione-se se esse tempo extra o vai recompensar a médio ou longo prazo. Tente estabelecer uma comunicação clara, simples e factual com quem trabalha. É um bom hábito aprender a dizer não e a negociar.

5. Praticar uma atividade física

Entre os muitos benefícios do exercício físico está, também, a descarga de stress e a consequente redução de sentimentos e comportamentos relacionados com a ansiedade. Um corpo saudável é um bom motor para trabalhar melhor e manter a saúde mental e emocional equilibrada.

Estabeleça consigo o compromisso de praticar uma atividade física.

Veja também:

Júlia Rocha Júlia Rocha

Licenciada em Ciências da Comunicação pela Universidade do Porto, sempre se deu bem com os livros, teclados de computador e canetas. A importância da palavra escrita num mundo tecnológico, aliada à história, ao cinema, literatura e televisão, são os seus maiores campos de interesse.