Publicidade:

Como poupar dinheiro ganhando pouco: 6 conselhos financeiros

Ordenados baixos e poupança são conceitos que não costumam ter uma relação simpática. Mas não tem de ser assim. Saiba como poupar dinheiro ganhando pouco.

Como poupar dinheiro ganhando pouco: 6 conselhos financeiros
Tome notas destas dicas

Poupar dinheiro nunca é tarefa fácil, com tantos gastos mensais e necessidades que obrigam os portugueses a reorganizar as poupanças. Mas como poupar dinheiro ganhando pouco? É possível?

As boas notícias é que sim, é possível, mas implica planeamento e disciplina por parte de todo o agregado familiar. Se só tem de gerir os seus ganhos para si próprio, estas sugestões também se aplicam.

O ordenado não se estica para sempre e poupar implica bem mais do que eliminar gastos supérfluos. Deixamos-lhe algumas dicas de como pode poupar, mesmo ganhando pouco.

6 dicas para poupar dinheiro ganhando pouco


1. CORTE OS EXTRAS

Esta é a sugestão óbvia, mas é por onde tem de começar. Se o orçamento já é curto, é impossível continuar a ter extras que são completamente dispensáveis.

Os custos de entretenimento têm de ser os primeiros a sofrer. Jantares fora, idas ao cinema, viagens, compras… Dar prioridade a determinados eventos e tentar encontrar soluções mais baratas quando é possível, pode ajudar a amenizar esta necessidade. Compras desnecessárias, só porque sim, também têm de ser evitadas. Não hesite em organizar o calendário social para o ajudar a poupar.

despesas

2. ESTABELEÇA OBJETIVOS

Quando o orçamento é reduzido, ter alguns objetivos claros vai ajudá-lo a perceber quanto tem de poupar exatamente, a nível mensal. Por exemplo, se está a pensar comprar um carro, um investimento a longo prazo, analise o seu orçamente para calcular quanto tem de colocar de parte mensalmente para o conseguir fazer.

A gestão do dinheiro tem de ser equilibrada e controlada por si, tenha cuidado com créditos e empréstimos, se o seu ordenado é apertado. Os custos associados a este tipo de procedimento vão perturbar o seu orçamento mensal quando já não seria necessário. O mesmo se aplica até para compras mais pequenas, planeie de acordo com a sua realidade.

3. REGISTE AS DESPESAS

Utilize uma agenda, bullet journal, bloco de notas, ficheiro Excel ou outro opção, para registar todas as suas despesas. Aquelas fixas (luz, água, renda, alimentação) e possíveis custos extra.

Pode manter uma coluna de gastos hipotéticos para poder estar prevenido ou saber o que tem de evitar, e outra para gastos reais para saber o que ainda tem disponível em determinado mês. Este controlo vai ajudá-lo a poupar, porque permite ter uma noção real do que acontece ao dinheiro. É preciso disciplina para manter esta lista ou documento atualizado, mas ser-lhe-á bastante útil.

4. CARTÕES DE CRÉDITO SÃO PROIBIDOS

A regra de ouro desta lista. Da mesma forma que é aconselhável não depender de créditos ou empréstimos, o mesmo raciocínio se aplica a cartões de crédito. Para quem vive com um orçamento controlado, é imperativo viver de acordo com as suas possibilidades.

A utilização de cartões de crédito pode ser o motor para não conseguir controlar tão bem as despesas e ter tendências a mais e maiores gastos. Além disso, cria dívidas que o seu orçamento pode não ter força para aguentar. No final nunca vai conseguir poupar.

credito

5. CRIAÇÃO DE ALTERNATIVAS EM HÁBITOS DO QUOTIDIANO

Como ganhar pouco e poupar baseia-se, sobretudo, em mudanças de hábitos. Além da disciplina requerida para controlar as despesas, a alteração de comportamentos ajuda a amealhar algum extra, todos os meses.

Reduza a utilização do automóvel e prefira transportes públicos, incuta hábitos de poupança de água e luz em casa, leve refeições preparadas em casa para o trabalho, prefira as marcas brancas para as suas mercearias, etc.

6. CONTAS-POUPANÇA

Se possível, abra uma conta-poupança ou conta-ordenado, onde pode ir acumulando uma parte dos ganhos mensais, automaticamente. Vai acabar por aprender a gerir o que realmente tem disponível para gastar e a poupança vai estar sempre salvaguardada.

Veja também:

Júlia Rocha Júlia Rocha

Licenciada em Ciências da Comunicação pela Universidade do Porto, sempre se deu bem com os livros, teclados de computador e canetas. A importância da palavra escrita num mundo tecnológico, aliada à história, ao cinema, literatura e televisão, são os seus maiores campos de interesse.