Contas Poupança Jovem rendem menos

Estas contas especiais tendem a render menos que as convencionais e os juros são tudo menos convidativos.

Contas Poupança Jovem rendem menos

São múltiplas as campanhas utilizadas pelas instituições bancárias para atrair os pais a abrirem uma conta poupança para os seus filhos. Existem muitas ratoeiras a que devem estar atentos, até porque na grande maioria dos casos, as contas para jovens rendem menos que as convencionais, alerta a DECO Proteste Poupança.

Na verdade, a Associação de Defesa do Consumidor analisou mais de vinte depósitos a diferentes prazos e chegou a conclusões curiosas. Não obstante a oferta de produtos aliciantes para os mais pequenos terem a sua própria conta no banco, a adesão às contas jovem dão menos garantias que as contas tradicionais. Algumas instituições oferecem taxas mais atractivas nos depósitos tradicionais, via Internet ou a partir de subscrição limitada de taxa crescente.

As campanhas para atrair os jovens e os pais para a poupança, com oferta de consolas, brindes, bilhetes para parques temáticos, nem sempre trazem benefícios e existem casos em que se caem em autênticas ratoeiras. São contas especiais que acabam por render menos que as convencionais e têm tudo, menos juros de encantar, revela a DECO.

Dos produtos disponíveis no mercado, a associação revelou que, tanto as operações com taxa crescente, como os prémios de permanência ou de taxa fixa, não são mais rentáveis do que um depósito normal a 12 meses.

Pense na Poupança desejada

Amealhar a poupança dos seus filhos deve ser uma opção bem ponderada dado o actual panorama económico. Não compensa optar tão cedo por produtos de taxa fixa a médio prazo com previsível subida das taxas nos próximos anos. Também os certificados de aforro deixam um pouco a desejar não sendo uma boa alternativa já que o rendimento de base fica abaixo da maioria das contas para jovens, adverte a Proteste Poupança. Antes sugere investir pequenas quantias de dinheiro em aplicações com algum risco.

Os fundos mistos (em acções, obrigações de taxa fixa e variável, depósitos bancários e até noutros fundos de investimento) ou fundos de acções em empresas cotadas nos diversos mercados bolsistas são opção. A longo prazo conseguem ter um potencial de rendimento 3% superior ao dos produtos sem risco.

Os fundos mistos são ideais para pequenos aforradores já que têm um montante mínimo acessível e chegam a render mais do que os depósitos a prazo, e menos do que os fundos de acções.
Se está a pensar abrir uma conta à ordem tenha em consideração a idade e os custos e escolha as que não cobram pela manutenção e isentam a anuidade do cartão de débito.