Cozinha molecular: o que é?

Se pensa que a cozinha molecular é algo muito recente, engana-se: começou nos anos 90 e tem muita história para contar: aprenda algumas receitas.

Cozinha molecular: o que é?
Acrescente ciência aos seus pratos de culinária

“Cozinha molecular: o que é?” – Já fez esta pergunta? Se essa é uma dúvida, espreite o nosso resumo simples e aprenda já a fazer uma receita incrível – que pode mesmo ser o mote ideal para os próximos cozinhados na companhia dos miúdos.

Há ideias que, para além de saborosas, são também agradáveis ao olhar – que, como sabemos, é o primeiro a comer. Fique atento e tome nota.

Cozinha molecular: explosão de sentidos

A cozinha molecular teve início nos anos 90, quando se procurava por um novo estilo de culinária, que estimulasse os sentidos de todas as formas possíveis. Esta é, aliás, a razão que explica porque a cozinha molecular é representada através de pratos que despertam diversas sensações: desde o impacto visual, às texturas, aos aromas e aos sabores.

As técnicas usadas pela cozinha molecular utilizam, principalmente, gelificantes, espessantes e emulsionantes – composições que trazem muitas vantagens na confeção dos alimentos, pois permitem a criação de novas texturas que resultam em pratos visualmente diferentes e apelativos. As substâncias utilizadas são, na sua maioria, de origem natural – ou seja, elementos retirados de algas, plantas e tubérculos. Os elementos mais usados são o ágar-ágar e o alginato de sódio.

Mas, de onde vem o nome “cozinha molecular”? A resposta é simples: ao utilizar esses tais texturizantes , que provocam alterações nos ingredientes, passamos a descobrir a cozinha através de um novo ponto de vista – e não só. A chamada culinária molecular, então, nada mais é do que o casamento perfeito entre cozinhados e ciência. Ou seja, a desculpa ideal para experimentar novas sensações.

Experimente esta receita que lhe apresentamos a seguir e perceba como pode facilmente alterar o aspeto e a textura de alguns dos seus cozinhados do dia a dia.


Caviar de Triple Sec

caviar na cozinha molecular

Ingredientes
140g de licor Triple Sec
60g água filtrada
1,6g de alginato de sódio
500g água
2,5g de cloreto de cálcio

Modo de preparação

  1. Comece por preparar um banho de cálcio, misturando os 500g de água com o cloreto de cálcio num liquidificador – ou robot de cozinha. Reserve no frigorífico.
  2. De seguida, misture o alginato de sódio e a água num liquidificador – ou robot de cozinha -, até que esteja completamente dissolvido.
  3. Depois, acrescente o licor e bata novamente até ficar bem misturado. Coe o resultado (para retirar as bolhas de ar) e reserve no frigorífico durante 30 minutos.
  4. Para fazer o caviar, tenha dois recipientes separados: um com a água filtrada e outro com o banho de cálcio.
  5. Com uma seringa, retire um pouco do preparado com o licor e solte, gota a gota, para dentro do recipiente de o banho de cálcio. Deixe estar as gotinhas durante um minuto neste banho e, depois, retire-as com um coador. Coloque-as no recipiente com a água filtrada.
  6. Após mais um minuto, retire novamente as bolinhas com o coador, seque e sirva.
  7. Este prato deve ser consumido de imediato, ou até 20 minutos a seguir a sua confeção – tempo após o qual as bolinhas ficarão demasiado duras.
  8. Sirva com cream cheese, tostinhas e salmão fumado.

Dica extra: Se, em vez de bolinhas, criar uma espécie de fio de esparguete, pode inventar esparguetes de várias cores e de vários sabores. Escolha líquidos diferentes, experimente, inove, divirta-se e impressione a todos lá em casa.

Reparou como a cozinha pode ser, também, um espaço para descobrir a ciência e aproveitar múltiplos sabores? Que tal fazer uma experiência com os miúdos aí de casa? Deixe-se surpreender e divirta-se com a novidade gastronómica.

Veja também: