Crédito Automóvel, Leasing ou Crédito Pessoal?

Já decidiu que carro comprar, mas como o vai financiar? Crédito automóvel ou pessoal? E o leasing? Verifique como pode financiar o seu carro novo.

Crédito Automóvel, Leasing ou Crédito Pessoal?
Ainda dividido entre o crédito e o leasing?

A primeira decisão a tomar é se quer comprar carro novo ou usado. Há quem faça questão de comprar um carro novinho em folha – 0 KM, no entanto, terá que ter a noção que mal o carro saia do stand já está a desvalorizar o seu valor comercial. Além disso, sendo um carro novo tem que pagar impostos que encarecem o preço final do veículo.

Se optar por um carro usado, consegue um valor bem mais baixo e também é tudo uma questão de procurar bem e é bem possível que encontre um carro que esteja em boas condições e com poucos quilómetros, conseguindo assim fazer um bom negócio.

 

Depois de decidir qual o carro que pretende, é altura de reflectir sobre as possibilidades de financiamento: ALD? Crédito automóvel ou crédito pessoal? Atente nas diferenças.

 

Formas de financiamento para a compra de automóvel

Leasing:

Apenas possível nos veículos novos, trata-se de um contrato entre o Banco e o Cliente, no qual o Banco cede a utilização do veículo por um determinado período de tempo mediante o pagamento de uma renda. Ao terminar o contrato o cliente poderá adquirir o veículo pelo valor residual.

É uma solução bastante flexível, pois beneficia de prestações baixas, benefícios fiscais no caso de se tratar de um empresário, além de ficar isento do imposto de selo sobre os juros e sobre o empréstimo. Também tem a vantagem de ao chegar ao final do contrato, ser o dono do carro, pagando o valor residual, poder devolvê-lo ou então trocar por outro veículo.
Saiba mais sobre o leasing automóvel.

 

Crédito Automóvel:

Esta é a escolha da maioria dos Portugueses. Talvez porque é uma das únicas possibilidades de financiamento para carros usados.

O valor a pagar pelo crédito automóvel depende dos anos do veículo, no entanto, ao contrário de outras modalidades pode fazer amortizações antecipadas, de forma a diminuir o valor dos juros. Nesta opção o veículo é da propriedade do cliente, mas fica com reserva de propriedade a favor do banco, no caso de incumprimento do contrato.

 

Crédito Pessoal:

Apesar das taxas pouco competitivas em relação a outras forma de financiamento este é o de mais fácil acesso pois ninguém lhe pergunta qual a finalidade do crédito.

Pode utilizar um crédito pessoal no que quiser. Além disso pode usufruir de prazos bastante alargados que variam entre 1 e 10 anos, pagando assim uma prestação mais baixa, apesar de desta forma já pagar um valor muito alto de juros por dilatar muito o prazo do empréstimo.

 

Outras opões:

Renting:

No fundo trata-se de um contrato de aluguer para carros novos. Nunca chega a ser proprietário do veículo mas também não tem que se preocupar com revisões, seguros, pois apenas paga a mensalidade e a Entidade Financeira é responsável por todos esses encargos. Poderá ter um contrato destes num prazo entre 12 e 54 meses e depois de acordar uma quilometragem, sendo que se ultrapassar o acordado terá que pagar um valor adicional por quilómetro; mas se eventualmente fizer menos que o acordado é reembolsado. Ao terminar o contrato apenas entrega a viatura à Entidade e esta é que terá que assumir essa responsabilidade.

 

ALD: Aluguer de Longa Duração

Semelhante ao Leasing e também só disponível para veículos novos. O prazo do contrato varia entre os 12 e os 60 meses, havendo a possibilidade de fazer uma entrada inicial até a um máximo de 60% do valor do carro, de forma a diminuir o valor das prestações ou o prazo contratado. O valor da prestação é fixo, pois nesta modalidade não está sujeito a taxas de juro variáveis. É um contrato que pode ser cedido a outra pessoa, passando esta a ser responsável pelos encargos. Tal como no Leasing só no final do contrato será o proprietário do veículo.

 

Tendo em conta o negócio que pretende fazer, a utilidade que pretende dar ao carro, se tem ou não possibilidade de efectuar uma entrada inicial, se valoriza mais as prestações baixas ou livrar-se rapidamente do empréstimo, com estas informações, com certeza, agora tem outra base para tomar essa decisão.

 

Veja também: