Publicidade:

Cuidados a ter no IRS de 2018

Este ano há duas grandes novidades.

Cuidados a ter no IRS de 2018
A rubrica de Pedro Andersson (Contas Poupança) no E-Konomista

Quase 3 milhões de contribuintes vão ter “IRS automático”. Ou seja, mais de 1 milhão de agregados vão ter direito ao IRS Automático pela primeira vez. Se tem filhos e só tem salário ou pensões de uma só empresa ou instituição, as suas contas de IRS já vão aparecer todas feitas. Só tem de escolher entre 2 opções: entregar em separado (no caso dos casais ou unidos de facto) ou em conjunto. Os valores vão aparecer já com os reembolsos finais (ou os valores a pagar). Ou seja, quando abrirem o Portal das Finanças ou a aplicação no telemóvel (chama-se “IRS 2017” – que ficará pronta lá para a frente) para preencherem o IRS vão receber logo uma mensagem a dizer: “Já está tudo preenchido. Vai receber este valor ou vai pagar isto. Aceita?”

É só clicar no que quiser e já está entregue. Assim, simples. Será?

Já lá vamos. Há uma série de requisitos para ter direito ao IRS Automático mas não é relevante estar a incomodá-lo com isso porque se tiver direito aparece, se não tiver direito não aparece. Tão simples quanto isso. E mesmo que ache que teria direito, só poderá reclamar para o ano. Este ano já não adianta de nada reclamar, vai ter de entregar manualmente como nos anos anteriores.

Quem fica de fora do IRS Automático?

Vão ter de entregar obrigatoriamente manualmente os contribuintes que passem recibos verdes, que tenham ascendentes a cargo, que paguem pensão de alimentos, que tenham rendimentos prediais (rendas ou outros), rendimentos provenientes do estrangeiro e que tenham benefícios fiscais específicos.

Então não vou ter trabalho nenhum?

Se for abrangido pelo IRS Automático e não quiser ter trabalho é só clicar no “Sim”. Mas pode estar a perder muito dinheiro. Deve verificar sempre se se a declaração preenchida pelas finanças está correta e se tem lá todos os rendimentos e deduções.

Cuidados a ter no IRS 2018

cuidados-a-ter-no-irs-2018

Lembre-se de que só aceita as contas das Finanças se quiser. Se verificar que os valores estão todos bem e as despesas correspondem à realidade é só aceitar e tem o IRS entregue e, provavelmente, vai receber mais rápido o reembolso. Se precisar corrigir alguma coisa ou vir que é vantajoso para si englobar os rendimentos de depósitos a prazo ou certificados, por exemplo, é só recusar e entregar como nos anos anteriores. Deve simular sempre as várias opções. A Autoridade Tributária não fica ofendida se recusar o IRS Automático.

1. Prazo igual para todos

Tal como no ano passado, o prazo é igual para todos. Deixa de haver primeira fase e segunda fases. Isto é bom, porque mesmo que um membro do casal passe recibos verdes ou tenha casas arrendadas pode simular logo em abril se compensa entregar em conjunto ou em separado e entregar logo e receber o reembolso mais cedo. Já foi assim no ano passado.

Atenção à opção do em separado ou em conjunto. Sobretudo quem está unido de facto. Se vivem juntos na mesma casa (mesmo sem ter a mesma morada fiscal) há mais de 2 anos podem entregar em conjunto. Deve aumentar muito o vosso reembolso. Basta ter uma Declaração da Junta de Freguesia a confirmar que vivem juntos em economia comum.

Se um ganha mais do que o outro vale quase sempre a pena entregar em conjunto. Se ganham os dois o mesmo, pode valer a pena entregar em separado. Tem de simular as duas situações para escolher a que mais os beneficia em termos financeiros.

2. E se aparecerem valores errados pré-preenchidos?

Quando preencher o Modelo 3 do IRS vai poder inserir os valores que considerar corretos, mesmo que a AT tenha outros valores. Por exemplo, vai poder acrescentar o que os seus filhos gastaram em alimentação na escola na linha “Educação” num campo próprio no anexo H no quadro 6C. O mesmo para as despesas de saúde com piscinas e ginásio desde que tenha uma Declaração médica. Ou propinas cujos valores não batem certo com as suas contas.

Se der por falta dos juros do Crédito à Habitação lembre-se que só entram no IRS para quem comprou casa até 31 de Dezembro de 2011. Se comprou um dia depois dessa data, esqueça essa dedução. E tem de ser a casa onde tem a sua morada fiscal. Casa de férias ou outras não contam.

Se o valor das rendas de casa que paga ao seu senhorio estiverem erradas, pode e deve corrigir para o valor correto, mas tem de guardar esses recibos 4 anos, caso seja chamado para uma inspeção.

3. Deduções não são reembolso

Um último alerta, que faço todos os anos. O valor que aparece em cima no seu e-Fatura NÃO É o que vai receber de reembolso de IRS. Explicado de uma forma muito simples, é o valor que vai ser descontado no imposto que pagou ao longo do ano no seu ordenado todos os meses. Ou seja, até pode ter lá 5 mil euros que, se não descontou para o IRS na retenção na fonte, vai receber zero. É bom que as pessoas percebam que Dedução é apenas um desconto e não uma garantia de reembolso. Se desconta para o IRS, convém que esse valor das deduções seja o mais alto possível.

4. Fim do IRS em papel

A outra grande novidade é o fim da entrega do IRS em papel. Vai ter de ajudar os seus pais, vizinhos ou amigos que vão ficar um pouco desamparados com esta situação. As Finanças garantiram-me que vai haver vários postos nas Repartições para ajudar quem precisar de fazer o IRS e não souber usar os computadores. A ver vamos.

O IRS é, para muitas famílias, uma espécie de abono anual que serve para pagar despesas grandes ou imprevistas. Apesar destas dicas, preencher o IRS é ainda um “bicho de 7 cabeças” para muitas pessoas. Se para si é complicado, aceite esta sugestão: perca o amor a 20 ou 30 euros e peça a um contabilista competente para fazer o seu IRS. Um erro por ignorância ou distração pode custar-lhe dezenas ou mesmo centenas de euros e depois pode ser difícil corrigir. Se tem dúvidas, jogue pelo seguro. O seu dinheiro é um assunto sério.

E não entregue o IRS nos primeiros dias. Há sempre erros e afinações na aplicação de IRS das Finanças. Fala a experiência. Aguarde até 15 de Abril, por exemplo. Em princípio o que simular já estará certo. E quando entregar já tem a certeza do que está a fazer. Evita estar à espera de um valor e depois ser outro. É verdade que provavelmente vai receber mais tarde, mas essa espera pode valer mais dinheiro ou menos preocupações.

Bom IRS!

Veja também:

Pedro Andersson Pedro Andersson

Pedro Andersson é jornalista e responsável pela rubrica Contas-poupança, no Jornal da Noite da SIC. Trata semanalmente de temas ligados às finanças pessoais, poupança e direitos dos consumidores. Trabalhou na Rádio TSF, até ser convidado para ser um dos jornalistas fundadores da SIC Notícias. Escreve também regularmente no Expresso e na Visão sobre temas de poupança.