8 curiosidades e tradições de Lisboa

Será que conhece tudo sobre Lisboa? Quer saber mais sobre a história da cidade? Reunimos vários factos curiosos e as tradições mais importantes da nossa capital.

8 curiosidades e tradições de Lisboa
A cidade das sete colinas esconde muitos segredos

Como qualquer capital e cidade grande, Lisboa foi adquirindo hábitos e tradições desde tempos remotos, muitas vezes trazidos por quem rumava à cidade em busca de uma vida melhor. Muitas das curiosidades e tradições de Lisboa nasceram desta influência.

De facto, os lisboetas têm nos seus ascendentes, pessoas oriundas dos mais variados pontos de país, nomeadamente Alentejo e Trás-os-Montes, regiões onde era difícil encontrar oportunidades de estudo e trabalho. Mas não só: Lisboa também soube, desde sempre, acolher outras nacionalidades e culturas.

Hoje, a cidade exibe orgulhosamente o resultado desta mescla, sendo uma cidade fervilhante, onde a modernidade e a inovação andam de braço dado com uma atmosfera pitoresca.

8 curiosidades e tradições de Lisboa que tem de conhecer

As sete colinas

sete colinas
Por certo já ouviu dizer que Lisboa é a “cidade das sete colinas”. Tal deve-se às suas características geográficas, como que em cascata em direção ao rio. Conta uma lenda que, no tempo em que ainda não existia a cidade, o território era dominado por uma rainha-serpente que se apaixonou por Ulisses quando este aqui atracou uma vez. Ulisses acabou por se ir embora e a rainha-serpente, com o desgosto, lançou-se ao rio.

A sua cauda fez com que tivesse de rastejar e serpentear até chegar à agua, deixando para trás as sete elevações, como prova do seu esforço. O nome das colinas vem referido pela primeira vez num livro do Século XVII: São Jorge, São Vicente, São Roque, Santa Catarina, Chagas e Sant’Ana.

O corvo

o corvo
O símbolo da cidade de Lisboa é um corvo. Sabe por quê? Reza a lenda que, no tempo da ocupação muçulmana da Península Ibérica, os cristãos de Valência quiseram levar o corpo de São Vicente, martirizado pelos mouros, para as Astúrias, na altura o único reduto cristão seguro da Península.

No entanto, não conseguiram passar além do Algarve, tendo aí sepultado o mártir e criado a aldeia de São Vicente. Anos mais tarde, D. Afonso Henriques conquista o Algarve, mas nos confrontos a aldeia é destruída. Não se sabia onde São Vicente estava enterrado.

É então avistado um bando de corvos a sobrevoar de forma insistente um local e são encontrados aí os restos mortais do santo. Em 1176, D. Afonso Henriques ordena que rumem a Lisboa, sendo que durante a viagem o barco é sempre acompanhado e protegido por dois corvos. É por isso que ainda hoje o corvo é considerado o guardião da cidade.

O termo “alfacinha”

alfacinhas
Ouvimos muitas vezes chamar “alfacinhas” aos lisboetas, mas sabe a origem do termo? Ainda que não haja certezas absolutas, julga-se que se deve ao facto da alface sere cultivada de forma abundante em Lisboa, presumindo-se que tal já acontecia no tempo dos mouros, devido à palavra ‘alface’ ser de origem árabe.

No romance Viagens na minha Terra, de Almeida Garret, publicado pela primeira vez em 1846, pode ler-se: “Pois ficareis alfacinhas para sempre, cuidando que todas as praças deste mundo são como a do Terreiro do Paço…”.

O hábito do café

café
Todo o português – ou quase todo! – gosta de café e “beber um café” é um ritual que não dispensa diariamente e até mais do que uma vez por dia, seja na rua ou no local de trabalho. Aliás, Portugal é um dos países de referência para os amantes do bom café e Lisboa ajuda a esta fama. Mas na hora de pedir um café, há muitas variantes possíveis, cujos nomes podem ser diferentes dos usados noutros pontos de país:

  • Bica – café expresso ‘normal’. Reza a história que o nome é o acrónimo da recomendação “Beba Isto Com Açúcar” que A Brasileira, o famoso estabelecimento, fazia aos seus clientes.
  • Garoto – café com um pouco de leite (“pingo” no norte do país)
  • Café curto – o mesmo que “italiana”; café com pouca água.
  • Café cheio – um café em que se deixa sair mais água da máquina, ainda que a forma correta de o fazer seja colocar água quente na chávena e de seguida tirar um café normal.
  • Carioca – segundo café tirado com o mesmo pó.
  • Abatanado – não é consensual, mas o mais comum é ser um café ao qual se acrescenta um pouco de água.

O Fado

fado
É a música nacional e tem em Lisboa o seu berço. Acredita-se que teve a sua origem nos cantos nostálgicos árabes, que mesmo após a reconquista cristã, continuavam a ouvir-se no bairro da Mouraria.

As primeiras referências ao fado tal como hoje o conhecemos, remontam a 1840. Não faltam na capital bares e restaurantes onde se pode ouvir tocar e cantar bom fado, estilo musical que desde 2011 está classificado como Património Oral e Imaterial da UNESCO. Há também vários concertos e festivais de fado ao longo do ano.

Santo António

santo antónio
É o Santo Padroeiro da cidade de Lisboa. Apesar de estar sepultado em Pádua, Itália, onde morreu a 13 de junho de 1231, nasceu em Lisboa algures entre 1191 e 1195. As festas de Santo António são o principal evento popular da cidade e o seu ponto alto acontece na véspera do dia 13 de junho, sendo este o feriado municipal.

Marchas populares, bailaricos e sardinhadas levam os lisboetas para a rua pela noite dentro. As noivas de Santo António são outra tradição associada a estas celebrações.

Noivas de Santo António

casamento
Há várias histórias que tentam validar a tese de que Santo António era especialmente amigo das mulheres solteiras, ajudando-as a encontrar a sua cara-metade e a casarem-se com ela. Uma das lendas diz que, numa certa ocasião, Santo António, sensibilizado pelo pedido de uma rapariga cuja família não tinha dinheiro para o dote, em vez de distribuir o dinheiro dos donativos que tinha recolhido, o fez chegar, de forma anónima, à rapariga.

Outra história conta que uma jovem, desesperada por não ter ninguém, atirou a imagem de Santo António pela janela. Esta acertou num soldado que ia a passar e a quem a rapariga acabou por socorrer, ficando apaixonados um pelo outro.

Lendas à parte, o que é facto é que ainda hoje a Câmara Municipal de Lisboa organiza os Casamentos de Santo António, oferecendo o enlace (vestido, fato do noivo, serviços de cabeleireiro, etc.) a pares de namorados carenciados, num evento que costuma ser transmitido pela TV. Os primeiros Casamentos de Santo António realizaram-se em 1958.

Os pratos típicos

ameijoa
Como já dissemos, Lisboa é uma cidade multicultural, que foi criando a sua essência a partir dos mais diversos contributos. Mas se hoje é possível provar comida típica das mais variadas regiões do país e dos mais distantes países do mundo, também é verdade que há pratos de culinária que fazem parte da cozinha tradicional Portuguesa e que se acredita terem nascido aqui. Destaque para:

  • Bacalhau à Brás
  • Ameijoas à Bulhão Pato
  • Pataniscas de Bacalhau
  • Meia-desfeita (bacalhau cozido com grão de bico)
  • Peixinhos da horta
  • Bolo-rei
  • Broas castelar
  • Farturas
  • Pastéis de Belém

Agora que já leu sobre curiosidades e tradições em Lisboa, porque não dedica um fim de semana a explorar a nossa capital? Bons passeios!

Veja também: