Cursos "pague quanto quiser": o que são

Saiba o que são, como funcionam e por que motivo os cursos "pague quanto quiser" ganham cada vez mais adeptos.

Cursos
Descubra algumas vantagens desta modalidade de pagamento

Um pouco por todo o país, multiplica-se a oferta formativa nas mais diversas áreas e direcionada a diferentes públicos-alvo. Atualmente, é possível frequentar inúmeros cursos, ateliers, ações de formação, oficinas ou workshops.

Existem cursos livres, remunerados ou financiados, gratuitos ou sujeitos a propinas, em áreas muito variadas e com conteúdos programáticos bastante específicos. Neste artigo, fique a descobrir uma modalidade relativamente recente: os cursos "pague quanto quiser".
 


Cursos "pague quanto quiser": uma modalidade de pagamento alternativa

Os valores de inscrição e participação num determinado curso variam de acordo com diversos fatores como, por exemplo, a localização geográfica, o número de participantes, a duração do curso, as especificidades e exigências de uma determinada formação, a relação entre a oferta e a procura, entre outros.

Muitas entidades de formação ou instituições que promovem a realização de oficinas e ateliers já exploram o conceito "Pague quanto quiser", uma modalidade de pagamento alternativa que tem conquistado cada vez mais adeptos e que apresenta um conjunto de vantagens.
 


O que são cursos "Pague quanto quiser"?

O conceito "Pague quanto quiser" (do inglês "Pay what you want") não é inteiramente novidade. Embora tenha vindo a ser utilizado, ao longo do tempo, noutros contextos, começa a ser uma opção cada vez mais frequente na área da formação, particularmente na realização de pequenos workshops e ateliers.

Trata-se de uma estratégia em que o preço de um determinado bem ou serviço é estipulado pelo próprio comprador. Apesar de se poder estabelecer um preço mínimo, o comprador é totalmente livre para escolher, por exemplo, um valor que seja superior a esse, de acordo com aquilo que achar justo como pagamento.
 


O conceito "Pague quanto quiser" aplicado a diversos contextos

Muitos museus espalhados pelo mundo já utilizam este conceito, deixando ao critério dos seus visitantes o valor do preço do bilhete. Cada visitante escolhe o valor que pretende pagar para visitar esse museu e, em muitos casos, verificou-se um aumento no número de visitantes.

O mesmo acontece já em diversos cafés e restaurantes noutros países, em que os clientes decidem quanto querem pagar pelos produtos que consomem.
 


Algumas vantagens dos cursos "Pague quanto quiser"

Dar liberdade ao aluno ou ao formando para pagar o valor que achar justo pode funcionar como uma excelente estratégia para chegar a novos públicos e atrair pessoas que, tipicamente, não pensariam em frequentar uma determinada formação paga.

Muitas instituições que já optam por este conceito aplicam-no de várias formas: definem ou não um valor mínimo simbólico, antes da realização do curso (os alunos decidem se pagam um valor inferior, igual ou superior); decidem se aceitam a possibilidade de um valor zero, caso o formando desista do curso ou não se encontre satisfeito com a experiência de formação.

Ao centrar a decisão no aluno, eliminam-se os habituais receios na altura da inscrição e do pagamento, se um determinado curso será ou não uma boa escolha. Gera-se, porventura, um ambiente de confiança ao permitir que sejam os alunos a estipular o preço nos cursos "Pague quanto quiser" e pode funcionar como uma ferramenta bastante eficaz para chegar a novos públicos.

Veja também: