Débito Direto: como funciona

Saiba como funciona o débito direto. Novas regras, as vantagens e os cuidados a ter na sua utilização.

Débito Direto: como funciona
O que pode pagar, vantagens e cuidados a ter

O débito direto é um meio cómodo e automático de pagamento, disponibilizado (facultativamente) ao cliente bancário (devedores), que permite saldar esses pagamentos duradouros/periódicos (aos credores) através de débito, diretamente nas suas contas bancárias.

No entanto, as regras para a autorização do débito direto em conta por particulares sofreu, recentemente, alterações no panorama europeu, tornando-se mais fácil, já que deixou de ter intervenção do banco, ou seja, basta a autorização direta de quem paga à entidade que recebe, o que veio colocar em questão a sua segurança, através do uso fraudulento dos NIB’s. Saiba mais sobre o débito direto. 

4 COISAS QUE PRECISA SABER SOBRE O DÉBITO DIRETO

 

O que pode pagar por débito direto na conta

Pode pagar por débito direto todas as contas que resultem de contratos duradouros ou periódicos, tais como, da água, luz, telecomunicações, seguros, condomínios, locação financeira (leasing), arrendamento, etc.
 

Que limites pode definir

A autorização de débito direto por conta permite, também, colocar limites às cobranças, através das caixas de multibanco, tais como:
  • Temporais, ou seja, estabelecer uma data limite a partir da qual não são permitidas mais cobranças por débito direto. Ideal para os pagamentos a prestações;
  • Periodicidade, ou seja, determinar que as cobranças só podem acontecer, por exemplo, uma vez por semana/mês, etc;
  • Valor máximo, ou seja, qual o montante máximo que cada débito direto pode ter;
  • Discriminação positiva/negativa, ou seja, determinar quais as empresas ou credores que podem realizar débitos diretos na conta e quais as que não permite que o façam.
 

4 Vantagens do débito direto

  • Comodidade, pois permite fazer pagamentos automáticos periódicos/duradouros sem sair de casa e poupando tempo;
  • Segurança. É verdade que as novas regras trouxeram alguns casos de fraude, mas, se usar os limites colocados à disposição do ordenante, o débito direto continuará a ser um serviço seguro;
  • Forma de não entrar em incumprimento. É uma má prática usar o débito direto para não se esquecer das suas obrigações, pois deve manter o controlo das mesmas, mas, em casos excecionais, o débito direto pode evitar a entrada em incumprimento e o consequente pagamento de eventuais juros de mora;
  • Os bancos são livres de estabelecer o valor que julguem adequado para este serviço, embora, tal como nas restantes operações bancárias, estejam obrigadas a divulgá-lo. No entanto, o débito direto é muitas vezes gratuito.
 

Cuidados a ter

  • Esteja atento aos extratos bancários; 
  • Consulte regularmente as autorizações de débito direto associadas às suas contas. Pode fazê-lo nas caixas automáticas ou através dos serviços de banca online, onde também é possível cancelar as autorizações, ou definir todos os limites acima mencionados;
  • Não divulgue o seu NIB/IBAN a terceiros.

Veja também: