Descobrindo o litoral norte de São Paulo

Mais de dois meses se passaram desde que iniciámos esta aventura. Chegamos ao litoral de São Paulo. 

Descobrindo o litoral norte de São Paulo
A crónica de viagem de Diogo Campos

Próxima paragem da nossa jornada: litoral de São Paulo. Supostamente no workway temos que contribuir com algumas horas de trabalho por alojamento, mas acabámos por não ajudar em quase nada, porque o Marcelo apenas dormiu lá a primeira noite e deixou-nos a tomar conta da casa dele, mais a nossa companheira de casa argentina.

Nem chave de casa tínhamos, de tão escondida que estava no meio da mata atlântica, a porta da rua ficava apenas fechada no trinco. Se alguém quisesse entrar também o podia fazer pelas janelas que não tinham vidros. 

1
Depois de Ubatuba era altura de seguir para Ilhabela. Infelizmente, quem nos ia receber, através do couchsurfing, cancelou algumas horas antes de quando prevíamos partir. Foi um momento de refletir e pensar no que iríamos fazer. Ir para a ilha sem conhecer ninguém, nem ter nada reservado e procurar um lugar para dormir ou então ficar em Ubatuba.

Sentimos que era altura de partir. Apenas ficámos mais uma noite, pois preferimos viajar pela manhã, de modo a termos mais tempo para encontrar alojamento. 

2
Decidimos ficar num camping ou hostel a pagar, que seria a primeira vez desde que chegámos ao Brasil em vez de tentarmos pedir para trocar trabalho por alojamento. 

E como sabe bem chegar a um local desconhecido sem conhecer ninguém e sem ter nada programado!... Atravessámos o barco que é gratuito para a ilha, e isso trouxe-me a recordação dos antigos barcos que faziam a travessia Setúbal-Tróia.

4
Carregados com as nossas mochilas e a tenda fomos perguntando onde havia camping e hosteis. Nem 15 minutos tinham decorrido e já estávamos a montar a tenda num camping que além de nós só tinha a senhora da receção.

Como o tempo estava embrulhado e por vezes chuviscava não conseguimos sentir a verdadeira beleza da ilha. Aproveitámos para caminhar pelas praias de água transparente e fazer as trilhas até algumas cascatas que ficavam por perto. Mas o pior não foi o tempo, foram os burrachudos. Um mosquito muito pequeno, silencioso e que não se sente picar, mas passadas algumas horas é impossível não coçar...os pés e as pernas ficam carregados de borbulhas.

4
Como o tempo ia piorar e baixar cinco graus decidimos aproveitar para viajar para outro local. É bom viajar quando está mais fresco. Depois de termos ficado duas noites em Ilhabela, o próximo destino era Trindade, a vila mais a sul do estado do Rio de Janeiro. Trindade é uma vila hippie, um mix entre o Woodstock e o festival Boom. Parada no tempo e escondida entre a montanha e o mar, conserva um espírito tranquilo. As suas praias selvagens de águas mornas e transparentes são perfeitas para mergulhos e encontros com peixes e tartarugas. 

5
Era o momento de retornar a Paraty e apesar de pela primeira vez na viagem sabermos o que nos esperaria, sem nos perdermos em pensamentos de onde iríamos dormir e quem nos iria receber, íamos com a certeza que ainda tínhamos muitos mistérios por descobrir nessa cidade de mil encantos. Acompanhe a nossa aventura em Puririy.

Veja também:

Diogo Campos Diogo Campos

Diogo Campos é um sonhador de natureza. Tirou um Mestrado em Engenharia do Ambiente, já teve um negócio de sumos naturais e por vezes dedica-se à agricultura biológica. No ano de 2016 decidiu deixar tudo para trás e ir viajar apenas com bilhete de ida para a América do Sul, mas mais do que isso decidiu ir praticamente sem dinheiro. Neste momento está apenas dedicado à escrita e a viajar.