Desemprego friccional: descubra o que é

Desemprego friccional corresponde ao período de tempo em que nos encontramos entre empregos. Tem benefícios? Tem, sobretudo para o mercado de trabalho.

Desemprego friccional: descubra o que é
Saiba aqui tudo sobre este tipo de desemprego

O desemprego friccional consiste naquele período de tempo em que estamos “entre empregos”. Acontece, por exemplo, quando alguém está descontente com a sua situação laboral, sai desse emprego e começa  à procura de outro. Corresponde, então, ao curto período de tempo que ficamos sem emprego.

Outro exemplo que pode ser dado tem a ver com aquelas situações em que, por exemplo, na construção civil, os trabalhadores passam de uma obra para outra – há sempre um intervalo, por mais pequeno que seja.

Ainda uma outra possibilidade é o caso dos recém graduados. Terminando a licenciatura, deixam de ser estudantes e passam à procura do primeiro emprego. Ainda que já tenham empresas interessadas no seu perfil, enquanto não assinarem efetivamente o contrato, estão, na prática, desempregados e numa situação de desemprego friccional.

Desemprego friccional: benefícios

Associar o facto de estarmos desempregados a benefícios pode parecer estranho, mas a verdade é que o desemprego friccional tem alguns benefícios, sobretudo para o mercado de trabalho. Esses benefícios são:

  • Torna o mercado de trabalho mais ágil e menos rotineiro e inflexível (pois as pessoas não ficam acomodadas sempre ao mesmo trabalho);
  • Promove a inovação;
  • Incentiva as pessoas a uma procura ativa de trabalho.

Desemprego friccional: taxas de evolução

Existem vários factores que fazem variar a taxa de desemprego friccional. Ela pode variar, por exemplo, de acordo com a época do ano. Existem alturas mais sujeitas a este tipo de desemprego (exemplo: final da época das vindimas e outras colheitas) e circunstâncias económicas que também o propiciam – sobretudo quando o mercado de trabalho está mais saturado e sem grandes ofertas de emprego.

Além disso, no caso de locais onde existem universidades e estabelecimentos de ensino, a taxa de desemprego friccional é frequentemente muito alta em junho, quando os estudantes terminam os estudos e iniciam a sua procura de emprego. Já nas zonas mais rurais, a taxa é geralmente maior nos meses de inverno, pois é nesta altura que empregos na construção e na agricultura não estão tão facilmente disponíveis.

Desemprego friccional Vs desemprego estrutural

O desemprego friccional pode acabar por se relacionar com o desemprego estrutural. Relembramos que o desemprego estrutural caracteriza-se pela substituição de um recurso humano por tecnologias e maquinaria.

Esta relação acontece quando o desemprego friccional é causado exatamente pela dificuldade em encontrar um novo emprego dado a larga utilização de novas tecnologias e parcas ofertas de emprego para o perfil em questão.

Veja também:

Continuar a Ler