PLANO DE SAÚDE MEDICARE - 6 mensalidades sem compromisso

Doação de medula óssea: tudo sobre o processo

Milhões de pessoas continuam à espera de um dador compatível. Fique a conhecer o processo de doação de medula óssea e ajude a salvar vidas.

Doação de medula óssea: tudo sobre o processo
Saiba como ser dador de medula óssea e ajude a salvar vidas

Ainda que possa parecer um processo longo e complicado, a doação de medula óssea não implica, regra geral, nenhuma cirurgia e é feita através de uma transfusão sanguínea. As células saudáveis passam a percorrer toda a corrente sanguínea e acabam por instalar-se no interior dos ossos. 


Como funciona a doação de meduça óssea

Existem três tipos de colheita de células para a transplantação de medula:
  • A partir da própria medula óssea – é feita a colheita das células diretamente do interior dos ossos (local onde se desenvolvem);
  • A partir das células progenitoras periféricas – o dador toma um medicamento que induz o aumento da produção das células progenitoras no sangue. De seguida é feita a recolha sanguínea;
  • A transplantação de medula óssea também pode ser feita a partir do cordão umbilical, fonte de células progenitoras. Assim que é assinada a permissão por parte da mãe do bebé, as células são colhidas do cordão umbilical após o parto. 

Por norma, o dador é um familiar direto (um irmão, por exemplo). Caso não exista compatibilidade, é feita uma procura na base de dados dos dadores nacionais existentes. Em alguns casos o doente pode ser o próprio dador, caso tenham sido colhidas células saudáveis em alturas mais favoráveis da doença.

Por ser um tecido facilmente regenerável, a medula óssea pode ser doada diversas vezes.



Como ser dador de medula óssea?

Para ser dador de medula óssea é necessário cumprir alguns requisitos:
  • Ter idade compreendida entre os 18 e os 45 anos; 
  • Pesar, no mínimo, 50kg;
  • Medir, pelo menos, 1,50m;
  • Nunca ter recebido transfusões  de sangue após 1980.
Assim, ficam de fora todas as pessoas com patologias oncológicas e doenças infeto-contagiosas.

Em 1955, foi criado em Portugal o registo do Centro Nacional de Dadores de Células de Medula Óssea, Estaminais ou de Sangue do Cordão (CEDACE) para criar um registo de todos os dadores. Os laboratórios de tipagem e estudo imunológico dos dadores têm uma distribuição regional que é coordenada pelos Centros de Histocompatibilidade do Norte, do Centro e do Sul. 

 

Qual a probabilidade de ser encontrado um dador compatível?

De acordo com os dados da Associação Portuguesa Contra a Leucemia (APCL), 80% dos doentes têm pelo menos um dador compatível. Assim que é encontrado um potencial dador, são feitos testes de compatibilidade e é realizado um novo despiste de doenças virais (que podem ter sido contraídas no período de tempo em que foi feita a inscrição no banco de dadores e a chamada para a doação). 

Se estes resultados comprovarem a validade do dador é feito um exame médico completo que também servirá para esclarecer qualquer dúvida relativa ao processo de doação.

Ainda assim, um dador pode desistir a meio do processo já que não existem obrigações legais que sustentem o processo. 



A doação de medula óssea tem custos?

Os custos do processo de doação de medula óssea são pagos pelo subsistema de saúde do paciente (procedimentos médicos, viagens e outros custos não-médicos). O dador não será sobrecarregado com qualquer custo financeiro.

Veja também: