PLANO DE SAÚDE MEDICARE - 6 mensalidades sem compromisso

Doença celíaca: causas, sintomas e tratamento

A doença celíaca é uma intolerância ao glúten que gera uma inflamação crónica do intestino delgado. Todos os pormenores neste artigo.

Doença celíaca: causas, sintomas e tratamento
A doença inimiga do glúten!

A doença celíaca consiste numa rejeição do nosso corpo ao consumo de glúten. Uma pessoa celíaca, quando ingere glúten, ainda que em pequenas quantidades, leva a que o seu organismo comece a "lutar" contra o próprio intestino delgado até ao ponto de desenvolver lesões que geram a incapacidade de absorver nutrientes.

Apenas com a total eliminação deste alimento na dieta de um celíaco é possível controlar a doença e os seus sintomas associados e assim recuperar das lesões. Basta existir um pequeno deslize e volta tudo novamente: tanto as lesões como os sintomas associados. 

No que respeita ao aparecimento da doença nas diferentes faixas etárias, não existe uma idade específica. Ela pode surgir desde o momento em que se introduz o glúten na alimentação, aos 6 meses de vida. Mas o mais comum é que ela apareça entre os 6 e os 20 meses. Isto não significa que a doença celíaca não se possa manifestar em idades mais avançadas, apesar de serem situações mais raras. 

 

Causas da doença celíaca

Ainda não se sabe exatamente o motivo de apenas agumas pessoas serem intolerantes ao glúten. O que se sabe é que existe uma série de fatores, ambientais (como por exemplo a introdução prematura do glúten na alimentação dos bebés), imunológicos e genéticos, que em conjunto podem ser um "cocktail" de propensão ao desenvolvimento da doença.

Além disso, existem ainda os chamados "grupos de risco", ou seja, aqueles que se apresentam mais suscetíveis de contrair o problema:

  • Parentes diretos (em 1º grau) de doentes celíacos;
  • Pessoas que tenham a diabetes do tipo 1;
  • Pessoas com dermatite herpetiforme;
  • Pessoas que possuam a tiroidite autoimune.

Não há dúvidas de que existe uma predisposição hereditária claramente transmitida, pois as famílias de celíacos contam com um número de doentes francamente superior ao que seria de esperar na população em geral.

 

Sintomas da doença celíaca

No caso das crianças, é necessário  ter muito cuidado com a análise dos possíveis sintomas da doença celíaca pois caso não sejam detetados com o devido tempo, ela pode chegar a um estado de malnutrição bastante grave!

Alterações no humor, uma perda de peso inexplicável, atraso claro no crescimento, vómitos constantes, abdómen distendido e diarreia crónica são alguns dos principais sinais de alerta perante os quais deve visitar imediatamente um médico. 

Já no caso dos adultos, a doença celíaca nem sempre se apresenta da mesma forma. Além disso, muitas das vezes pode ser confundida com uma "má disposição" dado os sinais puderem ser passageiros. 

Registo de níveis altos de anemia e aftas recorrentes, dores ósseas e cãibras, alterações na pele, bastante cansaço sem motivo aparente, dificuldade em engravidar e abortos espontâneos, alterações no comportamento e tendências depressivas são as principais formas de alerta de que a doença celíaca poderá estar presente.

Por razões ainda desconhecidas, as manifestações da doença celíaca são geralmente mais intensas nos primeiros anos de vida e tendem depois a diminuir.

Caso detete alguns destes sinais, deve fazer a confirmação da doença, que é rapidamente conseguida através da realização de uma biópsia.

 

Tratamento da doença celíaca

Infelizmente, de momento, o único tratamente aceite como 100% eficaz é mesmo a eliminação do glúten na dieta alimentar. Apenas a eliminação do glúten da alimentação permite que o intestino se regenere por completo. Para que possa eliminar o glúten da sua dieta, terá de eliminar todos os cereais que o contêm na sua composição: trigo, centeio, cevada e aveia.  

No entanto, nem tudo são más notícias! Com o avançar da ciência, as hipóteses de tratamento parecem querer aumentar! Fala-se de uma vacina que possa curar de vez a doença ou até de medicamentos via oral que contrariassem a reação do organismo de um celíaco. 

Ambas as hipóteses estão em fase de testes e encontram-se, por isso,  ainda em fase embrionária. No entanto, e de acordo com os especialistas, os prognósticos são otimistas, pelo que os celíacos podem ter esperança no futuro!

Veja também: