Doença do beijo: o que causa, quais os sintomas e como tratar

Um beijo é uma manifestação de afeto, mas também pode transmitir doenças. Já ouviu falar na doença do beijo? Leia este artigo e saiba em que consiste.

Doença do beijo: o que causa, quais os sintomas e como tratar
É uma infeção que afeta sobretudo os mais jovens

A doença do beijo é o nome comum para uma infeção causada pelo vírus Epstein-Barr. Por que é que é conhecida desta forma? A transmissão acontece essencialmente através do beijo na boca, nomeadamente pela saliva. Em casos mais raros, pode ser transmitido por contacto sexual ou transfusão de sangue.

Na verdade, o nome desta patologia é bem menos “atraente” e mais difícil de dizer – chama-se Mononucleose infeciosa.

Na Europa, cerca de 70% dos jovens entre os 17 e os 19 anos já tiveram contacto com esta doença, que se caracteriza pela presença de uma quantidade significativa de glóbulos brancos na corrente sanguínea.

As populações mais afetadas são, de facto, os mais jovens, dividindo-se em dois grupos: as crianças pequenas, que são frequentemente infetadas pelos pais durante manifestações de afeto ou por outras crianças; e os adolescentes ou jovens adultos, que são infetados quando começam a beijar as namoradas ou os namorados. Apesar de ser mais comum nestas faixas etárias, esta infeção pode surgir em todas as idades.

Quais os sintomas da doença do beijo?

O período de incubação do vírus, ou seja, desde que ele é transmitido, até começar a fazer-se sentir, é de cerca de 30 a 50 dias.

Os sinais mais comuns assemelham-se aos de uma gripe, que, aliás, também se pode transmitir através do beijo – cansaço extremo, febre, dores de garganta e uma sensação de mal-estar.

Por vezes, a inflamação na garganta (faringite) pode ser severa e dolorosa, verificando-se um aumento dos gânglios, facilmente palpáveis no pescoço. Pode surgir também um inchaço do baço e do fígado.

De ressalvar que esta doença se pode manifestar apenas com um só sintoma, como uma fadiga que não conseguimos explicar ou o aumento de apenas um gânglio, sem ter febre, no pescoço. Em qualquer um destes casos é aconselhável uma ida ao médico.

Para um diagnóstico mais exato, as análises ao sangue são o método mais indicado, pois, a partir do número de glóbulos brancos, neste caso, os linfócitos, é possível detetar a infeção.

A doença do beijo está muito associada a condições socio-económicas. Quanto mais desenvolvido é o país, mais tarde se manifesta. Por exemplo, na África Central, quase todas as crianças são infetadas até aos 3 anos.

Qual o tratamento para esta infeção?

Não existe uma terapêutica específica para a Mononucleose infeciosa, visto que é uma doença considerada “benigna” e que se resolve por si só, no seu devido tempo, que, normalmente, pode demorar entre uma a três semanas.

O repouso e a medicação são as medidas geralmente recomendadas. O uso de corticoides pode também, em alguns casos, ser benéfico. Quando se verifica um aumento do baço, não é aconselhada a realização de exercício físico intenso.

Veja também: