Um ecrã que se repara automaticamente? A Motorola tem

É uma das muitas pessoas que já viu o ecrã do smartphone partir? A Motorola está a desenvolver uma solução muito desejada: um ecrã que se repara sozinho.

Um ecrã que se repara automaticamente? A Motorola tem
Ecrã inovador repara-se com recurso ao calor

Um dos grandes problemas dos smartphones é a fragilidade dos seus ecrãs. A pensar nisso, a Motorola está a desenvolver um ecrã que se repara automaticamente.

Este ecrã inovador é uma concretização de uma ideia/desejo de muitos utilizadores que já gastaram fortunas a reparar ecrãs de telemóveis. A marca americana fez um pedido para patentear esta tecnologia em fevereiro deste ano e a patente foi registada em agosto.

Como funciona um ecrã que se repara automaticamente?

O United States Patent and Trademark Office descreve este ecrã como um “polímero de memória de forma”. “Os polímeros de memória são materiais que respondem a estímulos de forma a que uma resposta de correção possa ser aplicada como resultado de estímulos.

Enquanto diferentes estímulos podem ser aplicados para desencadear uma resposta, em muitos casos o estímulo é a aplicação de calor, que leva a um aumento da temperatura do material. Como resultado, o ecrã pode inverter alguma da deformação e voltar à sua condição original”, explica a patente.

Ou seja, este ecrã será composto por elementos térmicos que irão possibilitar a deteção de danos no mesmo. Depois, estes danos serão reparados com a aplicação de calor.

Um esboço da Motorola acerca deste projeto mostra um botão de “reparação” no telemóvel. Este botão deve ser premido sempre que o utilizador considerar que o ecrã precisa de ser reparado e quiser ativar este processo.

ecrã que se reparaFonte da imagem: United States Patent and Trademark Office

Desvantagens do ecrã de polímero

Esta tecnologia ainda é apenas uma patente, pelo que não se sabe se a empresa americana já avançou para a implementação e desenvolvimento deste ecrã.

Outro aspeto a ter em conta é que estes ecrãs de polímero, provavelmente, não serão tão bons ao tocar como os de vidro e a tecnologia nunca vai restaurar o ecrã a 100%.

Se for um daqueles utilizadores mais azarados e descuidados que deixa cair o telemóvel muitas vezes, é possível que um ecrã que se repara automaticamente não seja o suficiente para fazer com que deixe de ir às lojas de reparação.

Por outro lado, isto mostra que os produtores de smartphones estão a pensar em novos materiais e formas para resolver um problema muito comum: os ecrãs partidos e danificados. É bom saber que a tecnologia está a aprender a lidar e a depender de si mesma para funcionar melhor e para se reparar.

Contudo, esta ideia não é totalmente nova: já investigadores da University of California Riverside reportaram ter criado materiais de polímeros que se reparam sozinhos. Isto significa que mais marcas e produtores tecnológicos podem enveredar por este caminho.

Veja também:

Continuar a Ler
Ana Duarte Ana Duarte

Jornalista e gestora de comunicação no projeto Patient Innovation, Ana Duarte é mestre em Ciências da Comunicação, pela Universidade do Porto. A sua paixão pela escrita começou cedo, quando aprendeu a escrever e começou a criar os seus próprios jornais. Interessa-se por tecnologia, desporto, cinema e literatura.