Eczema disidrótico: causas, sintomas e tratamento

Se lhe aparecem bolhas nos pés ou nas palmas das mãos, tenha atenção, pode ser eczema disidrótico. Aprenda a reconhecer os sintomas e a tratar este problema de pele.

Eczema disidrótico: causas, sintomas e tratamento
Problema de pele também conhecido como disidrose

Bolhas com líquido nas plantas dos pés e palmas das mãos. Assim se caracteriza, de modo geral, o eczema disidrótico, sendo que vem quase sempre acompanhado de bastante comichão.

Regra geral, estas bolhas permanecem no corpo durante cerca de três semanas e podem relacionar-se com alergias sazonais ou com problemas psicológicos, como o stress.

Este problema, também conhecido como disidrose, é mais comum na altura do verão e são as mulheres quem mais sofre com ele (é duas vezes mais frequente).

Eczema disidrótico: tudo o que precisa de saber

Causas do eczema disidrótico

Não estão confirmadas as causas do eczema disidrótico. No entanto, muitos especialistas têm encontrado relação entre este tipo de eczema e as alergias sazonais, como a febre dos fenos, altura em que as bolhas atingem o seu pico máximo.

Além disso, está provado que pessoas que fiquem muito tempo com as mãos e os pés em água ou que fiquem expostas a alguns metais como o cobalto, crómio e o níquel, venham a ter mais probabilidade de desenvolver eczema disidrótico.

Sintomas do eczema disidrótico

O grande sintoma do eczema disidrótico são, efetivamente, as bolhas com líquido. Além disso, pode surgir:

  • Dor associada às bolhas;
  • Comichão intensa;
  • Descamação da pele;
  • Pele rachada;
  • Pele dorida ao toque;
  • Pele mais esponjosa e espessa;
  • Ardor.

Como identificar?

Geralmente, o eczema disidrótico é facilmente identificável através de uma análise visual minuciosa da pele por um especialista.

No caso de haver dúvidas, já que os seus sintomas são comuns a outros problemas de pele, podem ser requeridos outros exames de diagnóstico auxiliares, como a biópsia.

Em situações que em que há suspeitas do problema estar associado a alergias, podem também ser realizados exames de despiste das mesmas.

Tratamento do eczema disidrótico

De uma maneira geral, o eczema disidrótico desaparece após algumas semanas, sem grandes tipos de complicações e sem deixar marcas (caso a pessoa não coce a zona afetada).

É muito importante que não se coce a zona das bolhas, pois além de deixar marcas, leva mais tempo à sua recuperação e podem até surgir infeções bacterianas.

Uma vez que se trata de um problema crónico, geralmente voltam a surgir crises de eczema disidrótico. Assim, o tratamento consiste antes no controlo dos sintomas e na prevenção do aparecimento de futuros surtos.

Quando os episódios são mais leves, geralmente receitam-se anti-histamínicos via oral e a colocação de compressas húmidas para aliviar a comichão e o desconforto.

Em episódios mais graves, podem ser sugeridas outras alternativas de tratamento que passam pela toma de comprimidos esteróides, de pomadas à base de alcatrão ou até o recurso a fototerapia.

Além disso, como rotina diária e para aliviar os sintomas, podem ser utilizados, duas vezes ao dia, cremes à base de vaselina, óleo mineral ou pomadas de esteróides.

Veja também: