Excesso de álcool no organismo: previna-se

Beber com moderação é essencial. Evite o excesso de álcool no organismo e previna problemas mais graves.

Excesso de álcool no organismo: previna-se
Esteja atento aos sinais e saiba quando deve parar

Em Portugal, entre os dias 12 e 18 de dezembro de 2016, 305 pessoas foram detidas pela Guarda Nacional Republicana (GNR) por excesso de álcool no organismo. Nesta operação de fiscalização à condução sob o efeito de bebidas alcoólicas e de substâncias psicotrópicas foram feitos 32 mil testes de alcoolémia e, segundo a GNR, 566 condutores apresentavam uma taxa de álcool no sangue (TAS) superior à permitida por lei.

De acordo com os especialistas, só cerca de 5% do álcool consumido é eliminado através da urina, saliva e transpiração. O restante é absorvido para a corrente sanguínea e só o fígado é capaz de eliminar o álcool do corpo. 

Em média, o corpo humano demora uma hora a processar e a eliminar os efeitos alcoólicos de uma única cerveja. Consoante o álcool ingerido por um indivíduo, o fígado pode levar diversas horas para conseguir metabolizar o álcool presente na corrente sanguínea.


Quais os efeitos do excesso de álcool no organismo?

Os sintomas variam mediante diversos fatores: desde a idade ao peso, passando pelo tamanho e sexo do indivíduo, as reações e efeitos são sempre distintos.

Ainda assim, existem alguns efeitos imediatos, transversais a todos aqueles que abusam das bebidas alcoólicas:
  • Fala arrastada;
  • Sensação de ardor no estômago e vontade de vomitar;
  • Perda de memória (blackout de alguns acontecimentos enquanto estava sob o efeito do álcool);
  • Falta de coordenação motora;
  • Dor de cabeça;
  • Visão deturpada;
  • Raciocínio desconexo.


Efeito a longo prazo

O consumo de bebidas alcoólicas em excesso por longos períodos de tempo provoca danos físicos, psicológicos e sociais. O alcoolismo é uma das doenças e dependências mais graves das últimas décadas e deixa sequelas para toda a vida.

O excesso de álcool no organismo leva ao aumento da pressão, o que afeta o funcionamento do coração, dos níveis do colesterol e a problemas no fígado. Neste último caso, as lesões provocadas pelo consumo excessivo de álcool podem provocar cirroses e diversas outras complicações devido às crises de insuficiência hepática.

O alcoolismo pode provocar diversos problemas digestivos, já que a presença constante e em excesso de álcool no tubo digestivo provoca diversas patologias, sendo as mais graves as úlceras e os cancros de estômago e do esófago.

O excesso de álcool no organismo durante longos períodos provoca, ainda, graves problemas neurológicos, como é o caso da polineurite, uma inflamação dos nervos que provoca sensação de formigueiro e atrofia muscular.



O que fazer para evitar a ressaca?

Assim que é atingido o pico alcoólico, aparece a temida ressaca – por norma, na manhã seguinte à ingestão das bebidas. Para evitar as dores de cabeça e a sensação de azia é importante tomar Paracetamol e beber bastante água e sumos naturais ao longo do dia (já que o álcool desidrata o organismo). 

Ainda assim, só existe uma possibilidade para evitar sempre a ressaca: beber com moderação e parar de ingerir álcool quando perceber que já atingiu o limite.

Veja também: