Ficar muito tempo na mesma empresa prejudica a procura de emprego?

Saltar de emprego em emprego não é um bom cartão de visita, mas ficar mais de 10 anos numa empresa pode também não ajudar na procura de emprego.

Ficar muito tempo na mesma empresa prejudica a procura de emprego?
Saiba o que pode fazer nesta situação

No processo de procura de emprego, principalmente nos casos de desemprego, os candidatos podem ter dúvidas sobre se o tempo no anterior trabalho poderá ou não ter influência na sua futura contratação. Ficar mais de 10 anos na mesma empresa ou ter vários empregos num curto espaço de tempo? Esta é a questão.

As duas situações podem influenciar negativamente. Se ficar pouco tempo em cada emprego, a mensagem que poderá passar à empresa recrutadora é a de que não é um bom colaborador por não se aguentar em emprego nenhum.

Contudo, ficar demasiado tempo no mesmo emprego poderá fazer os potenciais empregadores hesitar em contratá-lo porque irá transmitir uma imagem de alguém com aversão à mudança e com dificuldades em adaptar-se a situações novas.

Ficar demasiado tempo numa empresa prejudica a procura de emprego?


Muitas empresas procuram profissionais com experiência, normalmente os anúncios de recrutamento referem 3 a 5 anos de experiência em determinadas funções. No entanto, se trabalha há muitos anos na mesma empresa, os futuros empregadores podem assumir que não está motivado para alcançar objetivos ou que terá mais dificuldade em adaptar-se a um novo emprego, a um novo estilo de liderança ou a uma nova cultura corporativa.

Permanecer muito tempo no mesmo emprego também poderá levar a que os empregadores pensem que as suas capacidades ou competências são menos diversificadas porque, sempre que muda de emprego, adquire novas competências e diferentes perspetivas sobre boas práticas.

Se foi subindo e sendo promovido no emprego anterior ou atual, é menos provável que o tempo afete as suas possibilidades de ser contratado. Esta evolução mostra aos futuros empregadores que está disposto a assumir novos desafios e é capaz de assumir novas responsabilidades.

Se, pelo contrário, desempenhou sempre as mesmas funções e nunca teve progressão na carreira, o mais provável é não conseguir a vaga.

mudar de emprego

Qual o tempo ideal de permanência?

3 a 5 anos num emprego será o tempo ideal para estabelecer um histórico profissional de sucesso sem sofrer consequências negativas de estagnação do emprego. Mas tudo depende da empresa, das funções que desempenha e em que patamar está na empresa.

Mudar de emprego ou não?

Progredir na carreira não é o único motivo para pensar em procurar um novo emprego. Existem outros fatores para além do tempo de contrato que podem indicar que já está há demasiado tempo no mesmo emprego:

a) Não se sente desafiado: pode ser um indicador para a necessidade de aprender e fazer coisa novas;

b) Não consegue definir metas ou objetivos: isto pode significar falta de motivação e entusiasmo com o seu atual trabalho;

c) Não consegue encontrar nada de positivo: terá de equacionar se os problemas que têm surgido são temporários e solucionáveis antes de começar a procurar emprego;

d) Diminuição da produtividade: pode ser um indicador de estagnação da empresa e da sua carreira.

Iniciar a procura de emprego

Se decidiu que é hora de seguir em frente, não se despeça imediatamente! É natural querer o melhor para o futuro, no entanto, também é importante compreender que não existem empregos perfeitos. Existem sempre, em qualquer área ou profissão, aspetos positivos e negativos.

Mas se mesmo assim, para si, a melhor decisão é mudar de emprego, faça um plano de carreira, tenha a certeza da sua vocação, aposte na formação e atualize o seu currículo, inscreva-se em portais de emprego e tente estabelecer contactos com empresas ou recrutadores com oportunidades em aberto na área que pretende.

Não se esqueça que a procura de emprego é um processo, é preciso dar um passo de cada vez, e se esteve mais de 5 anos numa empresa, prepare-se para contrariar as possíveis perceções negativas sobre as suas competências, motivação e metas futuras.

Veja também: