4 frutos secos tipicamente portugueses de que o seu corpo vai gostar

Os frutos secos fazem parte da famosa dieta mediterrânica. Vivendo num país prolífico nestas iguarias, não as desperdice!

4 frutos secos tipicamente portugueses de que o seu corpo vai gostar
Noz, amêndoa, pinhão e amendoim: saiba o bem que podem fazer por si

Se tem por hábito comer frutos secos apenas no Natal, por favor, repense-o. De um modo geral, estes que são denominados por “frutos gordos” são muito energéticos mas igualmente saciantes (principalmente se consumidos com a pele), ricos em gorduras saudáveis e fibras, contribuindo expressivamente para o combate ao mau colesterol.

Conheça as principais vantagens de consumir 4 dos frutos secos mais típicos de Portugal.

4 frutos secos para comer fora do Natal

1. Noz

noz

Originária da Pérsia, a nogueira era uma árvore considerada sagrada pelos romanos e símbolo de fertilidade. Podendo viver entre 200 a 300 anos, cada uma destas plantas acabará por interagir e beneficiar várias gerações de seres vivos com o seu belíssimo fruto, que relembra o cérebro humano.

Dos 4 que vamos enumerar, é provavelmente o fruto seco que mais benefícios cardiovasculares poderá conferir devido à elevada concentração de fitoesteróis (72mg em cada 100g) – quimicamente semelhantes ao colesterol – que inibem a absorção intestinal da versão prejudicial LDL, reduzindo assim o colesterol total de forma significativa.

Rica em minerais e vitaminas (principalmente a B1 e B6), a noz é muito equilibrada a nível de ácidos gordos ómega 6/ ómega 3, pelo que ¼ de chávena deste fruto satisfaz 90% das necessidades diárias em ácidos gordos ómega 3.

Não se assuste com a carga calórica deste fruto. Apesar de muito energética (689kcal/100g), as fibras (não compre noz pelada!), as proteínas e a gordura contribuem para uma sensação de saciedade plena, sem um contributo expressivo para o aumento de peso.

Dose diária recomendada: 7 nozes por dia, nem sabe o bem que lhe fazia!

2. Pinhão

frutos secos

“É hora de britar o pinhão”, dizia a minha avó com os martelos na mão. O que na época não era uma tarefa muito entusiasmante quando comparada com um jogo de futebol, agora ressoa como uma mui agradável memória de infância, numa altura em que não era necessário comprar pinhão embalado a preço considerado proibitivo para muitas famílias.

Ainda assim, pode encontrar espalhados por todo Portugal pinheiros-mansos “à mão de colher”. Divirta-se a procurar estes frutos secos divinais entremeados nas pinhas, ricos em proteína (quase o dobro de outros membros da família dos frutos secos), ferro e zinco e por isso, um excelente complemento para vegetarianos. Como as nozes, é rico em fitoesteróis, com tudo o que de positivo este factor pode trazer a nível cardiovascular.

Dose diária recomendada: 1 colher de sopa

3. Amêndoa

frutos secos

Fruto de uma árvore originária da Mesopotâmia e do Norte de África, a amêndoa figurava entre as oferendas ao Faraó no Antigo Egipto. Na medicina ayurvédica, este fruto seco desenvolve o intelecto, é animador da espiritualidade e estimula a fertilidade.

Apesar da sua elevada carga calórica, com um pires por dia, poderá opter grandes quantidades de fibra (que representa 33,6% do fruto). Desta forma, se consumida como aperitivo, ajudará a controlar expressivamente o apetite. Como a maioria dos frutos secos, é abastada em fitoesteróis, actualmente adicionados como suplemento em bebidas como o leite e iogurtes para diminuição do colesterol.

Mas, como já aconselhámos para a noz, opte pela versão não-pelada. No caso da amêndoa, é na pele que reside boa parte dos compostos fenólicos que, aliados à concentração elevada em vitamina E que o fruto apresenta, contribuem para o seu potencial antioxidante.

Dose diária recomendada: um pires

4. Amendoim

amendoim

Menosprezado no passado, popularizado posteriormente na Guerra Civil Americana pelo alto teor protéico (à qual devemos mais tarde, o magnífico advento da manteiga de amendoim), tal fruto seco é considerado actualmente como um super-alimento pela quantidade de nutrientes que concentra: gorduras saudáveis, fibras, uma mão cheia de vitaminas (B1, B3, B6, E e K), folato, ferro e zinco, entre outros.

Dose diária recomendada: A porção recomendada diária, de um pires, traz consigo um significativo potencial antioxidante e benefícios a nível cardiovascular.

Aproveite o verão que está a chegar e acompanhe o amendoim com uma bebida fresca e um bonito sunset que só o nosso país tem à disposição.

Veja também:

André da Silva André da Silva

Agricultor biológico da Horta do Pombal
Licenciado em Microbiologia pela Universidade Católica Portuguesa
Fundador da Bio em Casa
Criador do projecto Saco pa-pão
Músico dos be-dom
Ecologista, vegetariano e curioso