E se descobrisse que tem peças de valor em sua casa?

Tem uma peça em casa que quer vender e não sabe o seu real valor? A P55 trata de tudo. Avalia, proteje e vende a sua peça pelo melhor valor. Só tem que preencher o formulário e enviar uma fotografia da peça ou peças que quer vender. Será contactado no prazo máximo de 48 horas.

Ao clicar concordo receber comunicações de marketing directo enviadas por e-konomista.pt e pelos nossos Parceiros

Enviar pedido de avaliação
(*) Campo opcional

História: ganhou 1 milhão com taças antigas

Programa da BBC norte-americana descobriu uma raridade milionária e atingiu o seu recorde com um conjunto de taças chinesas feitas a partir de chifres de rinoceronte.

História: ganhou 1 milhão com taças antigas
5 chávenas antigas e um novo milionário

1,5 milhões de dólares por um conjunto de taças chinesas? Isto quer dizer, em números redondos, cerca de 1,3 milhões de euros. Sim, é um recorde. A avaliação mais cara de toda a história do Antiques Roadshow, programa de televisão da BBC Entertainment que há 20 anos faz uma verdadeira caça às mais raras antiguidades, surpreendeu os especialistas no assunto e gerou muito burburinho entre os fãs do universo vintage. Conheça a história das taças chinesas que valiam mais de 1 milhão.


Foi avaliar as taças e saiu de lá milionário

Para quem não conhece a atração televisiva do canal BBC, fica uma breve descrição: o programa mostra pessoas comuns que solicitam a avaliação de objetos antigos, muitas vezes relíquias de família, e conta as histórias mais curiosas acerca de quem guarda tesouros (até então) desconhecidos pelos colecionadores e investidores em arte e antiguidades. Foi assim que na cidade de Tulsa, em Oklahoma, a versão norte-americana do Antiques Roadshow descobriu as taças milionárias.

Datadas do século 17 e construídas a partir de chifres de rinoceronte, as cinco chávenas revelaram-se numa surpreendente descoberta para todos e, sem margem para dúvidas, numa grande surpresa para o feliz proprietário, que não quis ser identificado. Sem dar conta do assunto, o homem guardava as peças há décadas e não fazia ideia do valor que tinha em mãos. Uma inspiração para quem tem objetos antigos em casa.
 


Fazer dinheiro com o que tem em casa?


O que torna as taças chinesas tão valiosas?

As cinco taças da dinastia Ming e Qing, soberbamente esculpidas e em excelente estado de conservação, foram compradas em meados da década de 70 por cerca de 5 mil dólares. Mais de 40 anos depois, é caso para dizer que alguém tirou a sorte grande no investimento.

Lark Mason, um dos avaliadores do programa da BBC, sentiu o queixo cair enquanto cada taça era mostrada à equipa de especialistas. A comoção foi geral entre os avaliadores, que não hesitaram em afirmar o alto valor das relíquias chinesas.  “Eu estava à espera que ele entrasse em colapso com a notícia, mas ele apenas disse que estava feliz”, disse Mason sobre o dono do conjunto de taças.

Lark conta que entre o final do século 17 e o início do século 18, este tipo de objetos era uma oferta especial comum entre os mais ricos e poderosos da época. Durante este tempo, acreditava-se que os chifres de rinoceronte tinham poderes especiais. Hoje, o que torna as chávenas raras e muito caras é a relevância, o poder e a posição atual da moderna China no Mundo.  Após a descoberta deste tesouro através da BBC, as taças chinesas de mais de 1 milhão de euros foram vendidas através da mais famosa casa de leilões do mundo, a Sotheby’s. 
 


Curiosidade 

Desde 1976, o comércio de chifres de rinoceronte passou a ser ilegal. Porém, a regra aplica-se apenas aos casos que tratam dos “novos” chifres. No caso das antiguidades, eles são absolutamente aceites para venda em leilões – e, diga-se de passagem, extremamente desejados.



A P55

P55 é uma loja que compra e vende artigos de luxo para o mercado “vintage”, ou seja, em segunda mão. Está de olhos postos naquilo que pode descobrir na sua casa. Se ainda não saltou da cadeira à procura dos objetos antigos que guarda, lembre-se das taças chineas e contacte esta empresa portuguesa.

Veja também: