Infeção urinária: causas, prevenção e tratamento

Metade das mulheres tem pelo menos uma infeção urinária durante a vida. Aos 24 anos, quase um terço já tomou antibiótico para resolver este problema. Saiba mais.

Infeção urinária: causas, prevenção e tratamento
Uma em cada 100 consultas são por infeção urinária

A infeção urinária é uma patologia urológica muito frequente no sexo feminino. A maior proximidade da uretra feminina com a vagina e com o ânus, aliada ao seu tamanho reduzido em comparação com a masculina, permite que os microrganismos alcancem mais facilmente a bexiga.

Por ser tão comum, torna-se importante saber como prevenir e reconhecer os sinais e sintomas que lhe estão associados.

Casas da infeção urinária

Na infância e na pré-adolescência, a infeção urinária está quase sempre relacionada a alterações morfológicas, congénitas, do aparelho urinário. Entre os 16 e os 35 anos, a grande maioria surge associada à atividade sexual. A partir dessa idade, outros fatores de risco fazem disparar a incidência, também no sexo masculino. Entre eles:

  • Diabetes
  • Menopausa
  • Hipertrofia da próstata
  • Utilização de diafragmas e espermicidas
  • Litíase urinária (“pedras nos rins”)
  • Refluxo vesico-uretral

Se bebe pouca água, saiba que a desidratação, bem como todos os factores que promovam a redução do fluxo urinário, promove o aparecimento desta doença.

Já em relação aos microrganismos envolvidos na infeção urinária, fora do ambiente hospitalar, as bactérias de origem intestinal, como a Escherichiae coli, são responsáveis por aproximadamente 85% dos casos.

Como se manifesta?

Quando falamos em infeção urinária referimo-nos a uma inflamação do revestimento do trato urinário (urotélio), habitualmente provocada pela disseminação ascendente de bactérias, da uretra para a bexiga e daí, por vezes, para os rins. Assim, a infeção do trato urinário (ITU), como se designa em termos médicos, divide-se em:

  • Cistite – infeção da bexiga;
  • Pielonefrite – infeção dos rins;

Os sintomas de cistite são sobejamente conhecidos. Caracteriza-se por:

  • Dor, dificuldade e ardor ao urinar;
  • Aumento da frequência e diminuição do volume de urina em cada micção;
  • Urina turva ou com odor forte;
  • Dor supra-púbica;

No caso da pielonefrite, uma infeção mais grave e com maior potencial para provocar lesão renal, os sintomas clássicos são: febre, calafrios e dor lombar. Os sintomas associados à infeção da bexiga podem ou não estar presentes e pode também haver náuseas e vómitos.

Como se trata?

Deve sempre procurar o seu médico em caso de suspeita de infeção urinária. A utilização indiscriminada de antibióticos pode levar ao reaparecimento da infeção, de forma recorrente e progressivamente mais difícil de tratar. Alguns cuidados gerais que ajudam prevenir a infeção urinária são:

  • aumentar a ingestão de líquidos;
  • ter especial atenção à higiene íntima;
  • não retardar o ato de urinar;

Embora a generalidade dos casos não obrigue a internamento, na grávida, nas crianças, no homem e no idoso, entre outras situações, a solução é mais complicada. Poderá ser indicada a realização de exames que permitam aprofundar as causas e distinguí-la de outros problemas de saúde, como a vaginite ou o carcinoma da bexiga.

Veja também:

Ricardo Ferreira Ricardo Ferreira

Médico, formado pela Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, define-se com um autodidata, curioso e empreendedor, com um foco especial na área da biotecnologia. Estuda ainda Machine Learning, um ramo da Inteligência Artificial, e as suas aplicações na área da Saúde.