6 inovações que vão ajudar o setor automóvel a ser mais eficiente

Saiba quais as maiores inovações que são criadas em todo o mundo e têm como objetivo aumentar a eficiência e diminuir custos no setor automóvel.

6 inovações que vão ajudar o setor automóvel a ser mais eficiente
Descubra algumas das mais surpreendentes inovações

Se há alguns anos alguém lhe dissesse que os carros iriam ser autónomos, provavelmente não acreditaria. Todos os dias surgem inovações que, aplicadas à indústria automóvel, permitem que o setor automóvel se torne mais eficiente e ecológico.

Karl Benz é apontado como o primeiro precursor da inovação automóvel, quando em 1886 registou a primeira patente de um veículo de passageiros com motor de combustão interna. A partir daqui, as inovações passaram pelos pneus, caixa automática, criação de “ailerons” traseiros e muitas outras descobertas.

Hoje, na era digital, a taxa de inovação no setor automóvel é ainda mais abrangente. Todos os dias assistimos a novas descobertas, dotando os automóveis de tecnologias high-tech que tornam os veículos mais seguros, eficientes e económico, mais rápidos e interativos.

Mas não só os carros são alvo de grandes inovações. A necessidade de resolver problemas – por exemplo, ambientais – também levou a que a indústria automóvel dedicasse mais tempo e muitos milhões a desenvolver tecnologias que ajudem o setor a tornar-me mais “verde”.

Por essa razão, os fabricantes de automóveis apostam, cada vez mais, em carros híbridos e veículos totalmente elétricos. Com vista a solucionar estas questões, têm surgido diversas inovações, que prometem dar que falar nos próximos anos.

Imagine, então, que a sua bateria passa a ter o triplo da energia e que as estradas são feitas de plástico de modo a não danificar tanto os carros. Estas são apenas algumas das principais inovações que já estão a dar que falar em todo o mundo.

6 principais inovações para o sector automóvel

1. Cimento ecológico

Esta inovação saiu de uma universidade. Richard E. Riman, professor universitário, desenvolveu um método que cria polímeros, plásticos e outros materiais compósitos em baixas temperaturas. O resultado é uma produção de materiais ultra-leves mais baratos, que consomem menos energia e podem ser aplicados em produtos de consumo, incluindo um cimento ecológico e materiais para uso em automóveis.

Estradas em plásticos

2. Estradas em plástico reciclado

Construir e reparar as estradas é bastante dispendioso em termos financeiros, ao mesmo tempo que apresenta consequências ambientais agressivas. Isto porque o alcatrão é feito com petróleo e a sua implementação requer o uso de muito equipamento.

Para evitar todos estes constrangimentos, a empresa holandesa de construção Volker Wessels criou uma série de módulos feitos de plástico, que vão substituir o alcatrão e tornar a reparação das estradas muito mais barata.

3. Baterias mais potentes e baratas

Esta inovação foi criada por uma portuguesa. Maria Helena Braga, engenheira de profissão que trabalha na Universidade do Texas, criou eletrólitos de vidro. Estes eletrólitos têm como função aumentar a vida das baterias e acumular três vezes mais energia.

O objectivo é que as baterias sejam carregadas em apenas alguns minutos em vez de horas, ao mesmo tempo que conseguem armazenar o triplo da capacidade de energia das baterias atuais. Além disso, a engenheira portuguesa garante que estas baterias têm um período de vida mais longo. Estas baterias são mais baratas e seguras, o que significa que não há risco de explosão como na bateria de iões de lítio.

4. Microchip para carros autónomos

A empresa IBM desenvolveu um tipo de microchips que aumentam o poder computacional em 40%, gastando apenas uma fração da energia. Uma solução que pode tornar os carros autónomos mais rápidos e (ainda) mais inteligentes.

No fundo, o que a IBM fez foi alterar a estrutura dos transístores e diminuir o tamanho para 5 mm. Desta forma, deixa espaço para obter mais poder computacional, montados em cima uns dos outros.

Impressora 3D

5. Impressora 3D que faz peças

A Ford anunciou que pretende ser o primeiro fabricante de automóveis a recorrer à impressão 3D, uma medida que tem como objetivo baixar os custos de produção das peças com baixo volume de produção. Além disso, esta impressora torna os serviços de pós-venda mais eficientes. Para avançar com o projeto, a fabricante norte-americana já instalou uma impressora 3D da Stratasys na fábrica de Dearborn.

6. Carros feitos de metal mais leve

A Boeing e a General Motors estão a desenvolver um padrão reticulado que é mais 100 vezes mais leve e 75 vezes mais rígido que um metal normal. Esta estrutura de padrão reticulado conta com vários tubos metálicos de pequenas dimensões (0,1 mm de diâmetro e 0,0001 mm de espessura), mas que são rígidas e aprisionam uma massa de ar que é cerca de 75% mais denso que o ar em movimento. Por ser mais leve, mas mais denso e rígido, este padrão vai permitir reduzir bastante o peso de certas peças em automóveis, mas manter os carros seguros.

Veja também: