Lexus e Porsche são as marcas de carros mais fiáveis de 2017

A Hyundai registou a melhor performance entre as marcas de carros mais fiáveis, subindo para a 6ª posição do ranking.

Lexus e Porsche são as marcas de carros mais fiáveis de 2017
Estudo da J.D. Power avaliou o grau de satisfação

A Lexus e a Porsche são as marcas de carros mais fiáveis, ao contrário da Fiat, Jeep e Infiniti que foram identificadas como as menos fiáveis, segundo o estudo de fiabilidade realizado pela consultora J.D. Power nos Estados Unidos.

O 28º estudo “Vehicle Dependability StudySM 2017” identifica os problemas que os proprietários dos carros tiveram durante os últimos 12 meses em modelos do ano 2014. A fiabilidade global é determinada pelo número de problemas experimentados por 100 veículos (PP100), com a pontuação mais baixa a corresponder a uma qualidade superior. O estudo abrange 177 problemas específicos agrupados em oito grandes categorias de veículos e contou com a participação de cerca de 36 mil proprietários.

A japonesa Lexus e a alemã Porsche, ambas com 110 problemas por cada 100 veículos (PP100), foram consideradas as marcas de carros mais fiáveis. As duas marcas ‘premium’ foram as mais destacadas pelos seus clientes que se mostram satisfeitos com as suas escolhas.

Segue-se a japonesa Toyota (com 123 PP100), subindo uma posição face ao estudo de 2016 e depois a norte-americana Buick (126 PP100) e a alemã Mercedes-Benz (131 PP100). Na sexta posição surge a sul-coreana Hyundai, que passou da 19ª posição para o 6º lugar no ranking. O melhor resultado de sempre da Hyundai neste estudo da J.D. Power.

A BMW, Chevrolet, Honda e Jaguar completam as 10 primeiras posições do ranking. No comunicado, a J.D. Power destaca ainda a performance da Dodge e da Ford, ambas norte-americanas, que melhoram em 21 PP100. Também a britânica Land Rover apresentou uma evolução par 20 PP100.

Carro

Problemas das marcas de carros mais fiáveis do mundo

A média de problemas na indústria norte-americana foi de 156 ocorrências para cada 100 veículos, ou seja, foram identificados mais quatro problemas do que a média registada pelo estudo de 2016.

Pelo segundo ano consecutivo, o aumento contínuo dos problemas relacionados com a tecnologia tem contribuído para o agravamento da confiança na indústria. A média da indústria referente ao número de problemas experimentados por 100 veículos registou um valor de 156 PP100, o que representa um aumento de 4 PP100 face a 2016.

A maioria dos problemas relatados (22%) refere-se aos sistemas de áudio, comunicação, entretenimento e navegação do automóvel, como as dificuldades ou impossibilidade de emparelhamento de smartphones via Bluetooth e os problemas no reconhecimento dos comandos por voz.

No top 10 da lista de problemas relatados no estudo de 2017 surge as falhas ou duração abaixo do indicado das baterias. Em comparação com o estudo de 2016, mais de 44% dos proprietários relatam um problema na bateria. As baterias são o componente mais frequentemente substituído não relacionado ao desgaste normal em veículos de três anos de idade (6,1%).

Veja também: