Plano de Saúde Medicare

Gratuito durante 6 meses!

Ao clicar concordo receber comunicações de marketing directo enviadas por e-konomista.pt

Saber mais

Medicamentos genéricos: sim ou não?

Esta é uma dúvida que surge quando, chegados à farmácia, nos perguntam: prefere de marca ou medicamento genérico?

Medicamentos genéricos: sim ou não?
Todas as respostas às suas dúvidas

Nos tempos que correm, os medicamentos genéricos podem ser uma ajuda na redução da fatura da farmácia. E, segundo o INFARMED, “um medicamento genérico é um medicamento com a mesma substância ativa, forma farmacêutica e dosagem e com a mesma indicação terapêutica que o medicamento original, de marca, que serviu de referência”.

Se os medicamentos genéricos contêm o mesmo princípio ativo e podem ser mais baratos que os medicamentos de marca de referência, porque é que ainda há quem torça o nariz à sua utilização?

Os medicamentos genéricos suscitam ainda algumas dúvidas e as mais comuns são as seguintes:


Como é que eu sei que se trata de um medicamento genérico?

A sigla “MG” (medicamento genérico) está impressa na embalagem e como normalmente não têm marca, são vendidos com o nome do laboratório e princípio ativo, como por exemplo, paracetamol ou ácido acetilsalicílico.



O medicamento genérico é tão eficaz como o de marca?

O medicamento genérico não só deve incluir a mesma substância ativa, na mesma quantidade e forma farmacêutica do original, como também tem de provar que tem igual efeito terapêutico.

O laboratório, ao fazer o registo do medicamento genérico, é obrigado a apresentar estudos de bioequivalência que confirmem a absorção pelo organismo do princípio ativo em quantidade e velocidade semelhantes às do produto de referência.



O genérico pode apresentar alterações à fórmula original?

Os medicamentos genéricos não têm alterações na fórmula original. Devem incluir sempre, na mesma forma e quantidade, a substância ativa. A única coisa que poderá ser diferente é o excipiente utilizado. Esta matéria adicionada não tem ação terapêutica, apenas serve para dar consistência, cor ou sabor. A lactose e o amido são alguns exemplos de substâncias usadas como excipientes. A intolerância a estes elementos poderá causar, tal como em outras situações, reações adversas que prejudiquem a absorção do princípio ativo pelo organismo.



São normalmente mais baratos porquê?

Pelo facto de usarem princípios ativos já existentes e com provas dadas, os medicamentos genéricos não necessitam de investir em pesquisa e testes clínicos porque estes já foram realizados pelo laboratório do medicamento de marca. Ou seja, o investimento é menor, logo o preço é menor.

O INFARMED disponibiliza uma aplicação informática – Pesquisa MG - onde poderá pesquisar se existem medicamentos genéricos para o seu medicamento de marca e consultar o preço de todos os medicamentos.



Posso pedir um medicamento genérico ao médico ou na farmácia?

Se o médico prescrever por princípio ativo ou marca e autoriza a troca ou não refere nada contra a troca, pode fazer a troca pelo medicamento genérico na farmácia. Se o seu médico não autorizar a troca, converse com o profissional abordando a questão do preço e tente perceber as razões porque não autoriza a troca. Estas razões podem ter fundamento terapêutico/clínico.

Em jeito de conclusão, medicamentos genéricos sim. Mas sempre com o conhecimento do seu médico e, sempre que necessário, com a ajuda do seu farmacêutico para esclarecer alguma dúvida.

Veja também: