Os 5 melhores filmes sobre dinheiro

Pode ser a raiz de todos os males, mas também deu origem a algumas das mais interessantes longas metragens. Conheça aqui os 5 melhores filmes sobre dinheiro.

Os 5 melhores filmes sobre dinheiro
Hollywood sempre revelou algum fascínio pelo vil metal.

O facto de existirem inúmeros filmes sobre dinheiro não é de todo surpreendente. De facto, percebe-se o fascínio dos realizadores e guionistas pelo vil metal, uma vez que este não só está permanentemente presente nas nossas vidas, como também faz o mundo avançar, para o bem e para o mal. 

No entanto, apesar da quantidade, só alguns conseguem agarrar esta temática com a originalidade que a mesma exige, trabalhando o conceito um pouco para além da óbvia ganância. De entre os que consideramos terem atingido este objetivo, e independentemente de serem comédias, dramas ou romances, vamos apresentar-lhe aqueles que elegemos como os 5 melhores filmes sobre dinheiro. Esperamos que goste e que se divirta.
 

Os 5 melhores filmes sobre dinheiro

 

1. Wall Street (1987)



Um absoluto clássico, este filme de Oliver Stone captou como nenhum outro o espírito de Manhattan nos anos 80. Enquanto um demoníaco Michael Douglas, mergulhado em gel de cabelo, corrompe um jovem e inocente Charlie Sheen, passando-lhe questionáveis formas de trabalhar na bolsa, a  temática inerente do guião parece ser “A ganância é positiva”. Apesar de tudo o que podia correr mal e do que corre mesmo, o filme evita grandes lições de moral sobre o capitalismo. Afinal, “cada sonho tem um preço”, como apregoavam os posters da altura.

Inesquecível: o aspeto carismático e simultaneamente “untoso” da personagem de Douglas, Gordon Gekko. Este tubarão sem escrúpulos dos anos 80 tornou-se de imediato um ícone de Wall Street e dos yuppies da altura.

 
E se cada sonho tem um preço, esta é a forma mais fácil de realizar os seus.
 

 

2. Os ricos e os pobres (1983)



Nesta comédia, um par de irmão milionários, Mortimer e Randolph Duke, decidem levar a cabo uma experiência social, fazendo uma aposta de $1 que altera de forma radical a vida de duas pessoas socialmente opostas. A primeira, interpretada por Dan Akroid, possui elevada educação e nível social, sendo-lhe retirado tudo o que tem; à segunda, Eddie Murphy, um vigarista sem-abrigo, vai ser entregue uma vida de luxo absoluto. Além de evidenciar a crueldade da indústria financeira, existe uma questão que atravessa todo o filme: o que é mais importante, amor e amigos ou dinheiro e poder?

Inesquecível: Eddie Murphy nunca mais voltou a estar em tal forma humorística: a interpretação é absolutamente brilhante e merece ser vista e revista vezes sem conta. Outro ponto alto? A beleza e boa forma de Jamie Lee Curtis, o interesse feminino de Akroid.

 

3. O lobo de Wall Street (2013)



“Não há nobreza na pobreza”. Eis o mote deste filme de Martin Scorsese, que se foca nos efeitos corrosivos e aditivos da riqueza, seja a nível psicológico ou corporativo. Seguindo um homem que não tinha nada e depois chegou a ter muito mais do que tudo, quase chega a ser um filme inspiracional, não fosse a evidente podridão subjacente à cultura da sua empresa em permanente crescimento. Apesar do glamour estético desta obra, “O lobo de Wall Street” utiliza um estilo e conteúdo excessivos para expor a base avarenta do Sonho Americano.

Inesquecível: qualquer cena que nos leve ao interior dos escritórios da companhia da personagem principal, interpretada por Leonardo DiCaprio. A sua cultura empresarial, assente na frase “Não aceitem um não como resposta!”, é verdadeiramente excêntrica e surpreendente nas suas extravagâncias. Um exemplo? Uma banda de raparigas em roupa interior a marchar por entre as secretárias.


Veja também: Como ficar rico nos próximos anos

 

4. Jerry Maguire (1996)



A história de um agente desportivo, Jerry Maguire, que tinha tudo quando decidiu questionar os métodos de trabalho da sua empresa. Escreve, então, um manifesto no qual defende “Menos clientes, menos dinheiro”, sendo despedido e perdendo quase de imediato uma carreira fora de série, uma bela noiva e um impressionante salário. No entanto, nesta inesquecível comédia romântica de Cameron Crowe, tudo acaba por correr bem, com a personagem de Tom Cruise a manter um volátil mas fiel cliente, e a reconstruir a sua vida de acordo com o que realmente interessa: amor e amizade verdadeiros.

Inesquecível: a incrível cena em que Cuba Gooding Jr/Rod Tidwell espicaça o seu agente, Cruise/Maguire para que este lhe demonstre que realmente vai lutar pelos seus interesses. A frase “Show me the money!”, ironicamente ilustrativa num dos melhores filmes sobre dinheiro, entrou diretamente para a cultura popular, assumindo já um estatuto quase icónico.

 

5. Proposta indecente (1993)



Um milionário sem escrúpulos, personagem de Robert Redford, oferece um milhão de dólares ao endividado casal interpretado por Woody Harrelson e Demi Moore. A contrapartida? O marido terá de aceitar que este passe uma noite na cama com a sua mulher. Independentemente das críticas negativas e de interpretações questionáveis, este filme é uma poderosa análise da natureza humana e do conceito de moralidade, revelando exatamente o poder do dinheiro e a forma como este distorce a nossa visão do bem e do mal. 

Inesquecível: a cena em que a referida proposta indecente é feita pela primeira vez, sobre uma mesa de bilhar, como se de um jogo se tratasse. O fabuloso vestido de Demi Moore nessa mesma cena.


Com um conceito tão polémico e omnipresente, asseguramos que os nossos 5 melhores filmes sobre dinheiro vão conseguir prender a sua atenção. Se ainda não viu, veja, se já viu, reveja. E depois diga-nos se concorda com a nossa seleção. Divirta-se!


Veja também: