Mesada ou semanada? Saiba como decidir

Saiba o que deve ponderar para decidir se atribui mesada ou semanada aos seus filhos, bem como alguns cuidados e regras a seguir.

Mesada ou semanada? Saiba como decidir
Já ouviu falar em educação financeira?

Mesada ou semanada? Mais importante do que determinar se dá aos seus educandos uma mesada ou semana é ensinar-lhes, desde cedo, o valor do dinheiro, bem como a saber geri-lo.

Todas as crianças são diferentes, assim como as dinâmicas familiares, mas há uma determinada altura em que é importante responsabilizar os filhos e passar-lhes a tarefa da gestão diária do dinheiro. Esta responsabilidade sobre a gestão do dinheiro pode ser trabalhada desde cedo.

Por isso, há mesmo quem defenda que assim que as crianças começam a conhecer os números, também as moedas e notas devem começar a ser mostradas.

À medida que vão crescendo, importa também que pequenas tarefas e experiências que envolvam dinheiro vão acontecendo, como mostrar e comparar preços, ajudar com trocos, realizar jogos e problemas didáticos, etc. E, claro, dar exemplos de boa gestão financeira, porque as crianças e jovens aprendem com eles.

Mesada ou semanada: eis a questão


Há quem defina atribuir mesada ou semanada baseado nas idades das crianças e jovens, o que faz todo o sentido, embora haja fatores que podem fazer divergir este montante, nomeadamente o local de residência, o preço de passes para transportes, as refeições que fazem na escola ou fora, entre outros, como o rendimento da família e o número de elementos do agregado familiar.

Regras essenciais na mesada e na semanada

Independentemente da opção mesada ou semanada, é relevante que se sigam algumas regras, como por exemplo:

  • Responsabilizar as crianças e jovens pelo controlo do dinheiro;
  • Evitar dar quantias extra mesada ou semanada, exceto se muito bem justificado;
  • Envolver na elaboração do orçamento familiar;
  • Dar o exemplo.

 

ensinar a poupar

Mesada ou semanada? O fator idade


Ensinar aos filhos a real noção do dinheiro não é tarefa fácil, mas nada melhor do que passar para eles essa responsabilidade para que tenham noção do que o dinheiro pode ou não conseguir. Na altura de decidir se opta por dar mesada ou semanada, lembre-se de que esta variável pode depender um pouco da idade da criança.

De facto, alguns especialistas nesta matéria da educação financeira recomendam o fator idade para tentar responder à questão.

Antes dos cinco anos

Conviver naturalmente com números e dinheiro, dependendo também da curiosidade das crianças, responder a questões sobre dinheiro, mostrar moedas e notas, etc.

crianças

Entre os 5 e os 8 anos

Nesta fase, a semanada é indicada como mais adequada, uma vez que a noção do dinheiro e da sua gestão ainda é muito vaga. Interessa já começar a recorrer a exemplos práticos para explicar o valor do dinheiro, conversar sobre ele e explicar com detalhe para que serve, que despesas estão incluídas (comece com coisas bem simples) numa eventual semanada.

Interessa igualmente, desde já, mostrar a importância de começar a poupar (podem, por exemplo, em conjunto, estabelecer um objetivo e ajudar as crianças a poupar e depois a comprar algo).

Entre os 8 e os 12 anos

Nestas idades ainda faz sentido dar semanada e convém começar a envolver as crianças na gestão do orçamento familiar, fazê-las perceber gastos com elas (por exemplo, dando um limite para gastar numas novas sapatilhas, no regresso às aulas, num lanche ou ida ao cinema com os amigos, etc.) e ensinando a poupar.

A partir dos 12 anos

jovens

Embora alguns especialistas nesta matéria recomendem sempre a semanada como melhor opção, tudo dependerá dos pais e das crianças e jovens envolvidos, bem como da capacidade de controlo de despesas que as crianças e jovens demonstram.

Convém ainda ir monitorizando e discutindo a gestão da mesada ou semanada com o seu filho ou filhos.

Filhos com diferentes idades

Se tem mais do que um filho e as idades não são assim tão próximas, é necessário adaptar a mesada ou a semanada às mesmas. Se tiver um filho com oito anos e outro já universitário, terão inevitavelmente necessidades e responsabilidades distintas.

Apesar da diferença de idades, é conveniente que todos os membros da família saibam o que cada um recebe e quais as razões para essa diferença, fomentando-se assim o envolvimento de todos na elaboração de um bom orçamento familiar mensal e implementando-se desde cedo a educação financeira.

Que valor atribuir?


Mário Cordeiro, reconhecido pediatra, recomenda que o valor da atribuído seja pequeno. Comece com uma semana de 2 euros no primeiro ano, 2,60 euros no segundo ano, 3 euros no terceiro ano e assim sucessivamente. A partir do 9º ano, os gastos devem ser ajustados de acordo com as necessidades dos adolescentes.

Para que deve servir o dinheiro da mesada ou semanada?

Quando decidir se opta pela mesada ou pela semanada, é importante também decidir para que serve esse dinheiro. É importante que o dinheiro sirva para os bens definidos, mas que também possa servir para poupar, de forma a que as crianças aprendam a amealhar algum dinheiro com um determinado objetivo.

Em suma, tanto a mesada como a semanada são um instrumento fundamental de educação financeira, que pode incutir regras nas crianças que se tornem num exemplo para toda a vida.

Veja também: