5 mitos sobre a vocação profissional

A vocação profissional é muitas vezes encarada como uma revelação do caminho profissional a seguir. Mas pode ser trabalhada e desenvolvida. Não concorda?

5 mitos sobre a vocação profissional
Não se deixe levar por ideias erradas e pense objetivamente

A vocação profissional implica unir uma profissão às competências de cada um, mas esta nem sempre é clara para todos. Há quem a considere um chamamento e a espere a qualquer momento. No entanto, para a maioria das pessoas, precisa de ser trabalhada e desenvolvida através de orientação profissional, por exemplo.

Nem sempre estar preparado para exercer uma profissão depende da vocação e nem sempre a vocação por si só garante o sucesso profissional, pois qualquer profissão requer empenho e trabalho.

Além destas noções, existem ideias erradas sobre a vocação profissional que lhe podem atrapalhar a vida. Fique a conhecer as principais!

5 mitos sobre a vocação profissional

1. Esperar que a vocação profissional se revele

Descobrir a vocação profissional é um grande dilema, mas não faz sentido esperar eternamente pela epifania. Na altura da decisão é natural surgirem incertezas, dúvidas e inseguranças. O auto-conhecimento, o interesse por determinadas atividades e perspectivas de futuro podem fornecer pistas úteis para descobrir o que gostaria de fazer profissionalmente.

2. A vocação profissional revela-se praticando

Ir saltando de emprego em emprego ou até adiar a entrada no mercado de trabalho somando formações e cursos diferentes para descobrir a sua vocação só o vai fazer infeliz e perder tempo em trabalhos que não lhe trazem satisfação. Pense objetivamente no que gostaria de fazer, quais são os seus talentos e em que atividades recebe mais elogios por parte de outras pessoas.

trabalho

3. Só há uma profissão certa para cada um

Não é verdade. Mais do que profissões, existem competências e áreas que podem resultar nas mais diversas atividades. Competências lógicas? Profissões ligadas à ciência, matemática e gestão, por exemplo. É bom a comunicar? Publicidade, recursos humanos, marketing e vendas são áreas a apostar, entre outras.

4. Seguir a vocação mesmo que não se goste

Ter uma habilidade natural para uma determinada atividade é uma coisa, gostar de a fazer é outra. Ser um bom profissional não depende só da vocação, existe também a prática e a formação adequada que o preparam para isso. Ou seja, se não gosta, não insista. É preferível investir em algo que goste de fazer, as competências podem ser treinadas e se há motivação, ainda que falte a vocação, será bem sucedido profissionalmente.

5. Pessoas sem vocação

Todos temos vocação para alguma coisa, a diferença é que algumas vocações são mais lucrativas que outras. Mais uma vez, o importante é pensar bem no que gosta de fazer e a partir daí traçar o seu percurso profissional.

Veja também: