No Uruguai há 9 dias sem gastar um cêntimo

Depois de ter conhecido a costa do Uruguai que fica virada para o oceano Atlântico, foi altura de continuar rumo à foz do Rio Plata que divide o Uruguai da Argentina. 

No Uruguai há 9 dias sem gastar um cêntimo
A crónica de viagem de Diogo Campos

De novo na estrada, consegui quatro boleias que me levaram cerca de 200km, numa manhã quente de verão, até Punta Ballena.


No Uruguai a custo zero

Cheguei ao Hostel onde iria ficar nos próximos dias a trabalhar (em troca de alojamento e todas as refeições) no momento certo, à hora de almoço! Logo me convidaram para sentar e comer a típica e famosa carne de vaca uruguaia com salada.

1
O Hostel era um bar com vinte e oito camas, divididas por quatro quartos e um sótão, destinado aos voluntários. No meio das árvores e a cinco minutos a pé da praia, o Hostel bar estava quase todo revestido a madeira e na rua havia um espaço agradável, com mesas e bancos de madeira onde se almoçava à sombra das árvores e se jantava à luz das velas.

Logo a seguir a ter chegado, depois de almoçar, desempenhei a minha primeira função: lavar as casas de banho. Sinceramente nunca pensei que pudesse ser tão feliz a lavar casas de banho! Desde aí fiz muitas outras coisas: desde descascar batatas, ralar queijo, mondar a horta, servir no bar (onde cheguei a fazer uma caipirinha para um cliente), até preparar todo o pequeno almoço.

2
As tardes eram livres, então deu para conhecer e passear por toda essa região. A praia não era muito do meu agrado, devido à água ser do rio, mas valeu muito a pena visitar os jardins e as grutas.

O que mais me surpreendeu foi a Casa Pueblo, uma obra de arte de Carlos Páez Vilaró, um artista e poeta até então desconhecido para mim, que me despertou um grande interesse, desde os seus quadros, poemas e principalmente as suas viagens pelos quatro cantos do mundo.

3
Durante o pôr do sol, todo o museu ficava em silêncio a ouvir um poema declamado pelo próprio. Foi o pôr do sol mais intenso da minha vida, onde o texto era uma bela dedicatória ao sol que nos ilumina todos os dias. Foi um dos lugares mais inspiradores onde estive até agora nesta viagem.

O interessante de trabalhar num Hostel é a quantidade de pessoas que conhece e que se cruzam na sua vida, com interesses em comum com os seus. Mais do que tudo predominam as conversas sobre viagens e especificamente que lugares devemos visitar em cada região.

4
Esta semana foi muito boa para pensar e planear a viagem na Argentina, que será o próximo país que vou visitar, e também para poder descansar e alimentar-me bem. Penso que aqui recuperei um ou dois quilos que tinha perdido desde o início do ano.

Ainda dei um pulinho a Punta del Este, considerada a Miami da América do Sul, onde predomina o luxo, tanto nos carros, como nos hotéis monstruosos à beira mar ou na marina com grandes iates. Foi o único lugar até agora onde não consegui boleia e acabei por ter que ir a pé até ao Hostel que ficava a 15km de distância.

5
Era altura de continuar viagem rumo à capital Montevideo, onde estava o Lucas, um brasileiro que tinha vivido uma semana comigo e com Susana em Florianópolis. Nunca na minha vida tinha ficado tantos dias sem gastar dinheiro! Há nove dias que não gasto um cêntimo. Acompanhem esta aventura em Puririy no Facebook.

Veja também:

Diogo Campos Diogo Campos

Diogo Campos é um sonhador de natureza. Tirou um Mestrado em Engenharia do Ambiente, já teve um negócio de sumos naturais e por vezes dedica-se à agricultura biológica. No ano de 2016 decidiu deixar tudo para trás e ir viajar apenas com bilhete de ida para a América do Sul, mas mais do que isso decidiu ir praticamente sem dinheiro. Neste momento está apenas dedicado à escrita e a viajar.