O que fazer com o subsídio de Natal: 4 sugestões

Não quer gastar tudo em prendas, mas não sabe o que fazer com o subsídio de Natal? Veja as nossas ideias de aplicação e poupança para o décimo terceiro mês.

O que fazer com o subsídio de Natal: 4 sugestões
O pagamento Subsídio de Natal abre a porta a investimentos e poupanças

No Natal, é quase inevitável a corrida às lojas para comprar prendas. Muitos são os que aproveitam o subsídio de Natal para fazer as suas compras de Natal, no entanto, se possível, importa canalizar parte desse valor para aplicar e/ou poupar.

Se não sabe o que fazer com o subsídio de Natal e se não o vai gastar todo em prendas, confira quatro formas de aplicar (bem) e rentabilizar o seu décimo terceiro mês. Isto para aqueles que recebem o subsídio sem ser em duodécimos, pois estes terão de esperar pelo próximo ano para o receber por inteiro.

Saiba o que fazer com o subsídio de Natal, através de ideias de aplicações e poupança.

Saiba o que fazer com o subsídio de Natal


Quatro formas de aplicar ou poupar dinheiro para quem não sabe o que fazer com o subsídio de Natal:

Fundo de emergência

Uma boa forma de aplicar o subsídio de Natal é num fundo de emergência, seja para começar a construí-lo ou reforçá-lo. Lembre-se que um fundo de emergência é aconselhado pela maioria dos especialistas em finanças pessoais, serve de reserva a uma situação excecional em que haja uma redução de rendimentos (como o desemprego ou uma doença) e deve ter recursos acumulados suficientes para garantir seis meses de despesas do agregado familiar.

Pagar dívidas

Liquidar dívidas ou amortizá-las é outra alternativa de utilização do subsídio de Natal. No entanto, informe-se primeiro se lhe trará vantagens em termos de poupanças amortizar determinados créditos.

Por exemplo, no crédito à habitação, provavelmente, não será vantajoso a amortização porque o valor do subsídio de Natal tende a ser baixo para compensar e os juros estão baixos. Se tiver créditos pessoais ou de cartões de crédito, por as taxas de juros serem habitualmente altas, provavelmente serão melhores opções para liquidar ou amortizar dívida.

Investir

O subsídio de Natal também poderá ser usado em produtos financeiros de forma a rentabilizar o dinheiro. Os depósitos a prazo, apesar da rendibilidade baixa, são simples e podem ser a solução indicada para quem apenas quer colocar algum dinheiro de lado, em aplicações de curta duração (um ano).

Se pretender aplicações para médio prazo, os seguros de capitalização são uma boa opção e permitem entregas regulares de pequeno valor. Se preferir investimentos a longo prazo – e maior risco –, então escolha um fundo de investimento.

Começar a preparar o futuro

Quando ponderar o que fazer com o subsídio de Natal coloque na equação também a possibilidade de preparar já o futuro (reforma), ou seja, rentabilizá-lo através de um Plano Poupança Reforma (PPR). Dentro do segmento dos PPR (sob a forma de fundo ou sob a forma de seguro), escolha o que melhor se adequa ao seu perfil de aforrador (atendendo à idade, ao nível de risco e rentabilidade).

Veja também: