Publicidade:

O que realmente acontece se engolir pastilha elástica

Engolir pastilha elástica não é perigoso, mas também não é recomendável. Fique a saber o que acontece ao organismo quando engole pastilha elástica.

O que realmente acontece se engolir pastilha elástica
O mito de engolir pastilha elástica

Já toda a gente engoliu uma pastilha elástica. Sobretudo as crianças conhecem os mitos associados a este incidente: a pastilha vai ficar colada às paredes do estômago, ou do intestino, e vai permanecer no organismo durante anos. E é perigoso.

O que não é verdade. Mas afinal, o que acontece após engolir pastilha elástica?

O estômago de facto não consegue digerir a pastilha da mesma forma que digere a comida. Mas o sistema digestivo consegue mover a pastilha pelo intestino até que esta seja expulsa pelo organismo nas fezes.

O que acontece ao corpo depois de engolir pastilha elástica

Existem três etapas básicas associadas à digestão. A primeira está relacionada com o processo mecânico necessário para triturar a comida quando é primeiramente ingerida (mastigar). A segunda fase tem a ver com as enzimas e proteínas que estão presentes na saliva e ajudam a desfazer a comida e transformá-la em bolo alimentar. Por fim seguem-se os ácidos, que dissolvem o restante para que possa ser absorvido pelo organismo e passar pelos intestinos.

Ao comer, os dentes e a língua trabalham em conjunto para transformar a comida em pedaços pequenos. Depois, movimentos musculares levam o bolo alimentar até ao esófago, que por sua vez vai chegar ao estômago, juntamente com outros sucos gástricos. Com isto, o sistema digestivo está a fazer com que a comida seja convertida em nutrientes que o corpo vai conseguir absorver e utilizar para ter energia.

De seguida chega a vez dos ácidos do estômago, que vão dissolver aquilo que sobrou da comida e enviar para os intestinos o que está a mais.

A pastilha elástica, devido à sua composição, não é digerida pelo organismo da mesma forma do que a comida normal. Isto porque é feita de um material sintético elástico e de borracha (borracha de butilo) que lhe dá uma consistência especial. Este tipo de borracha é o mesmo que se usa para fabricar pneus e bolas de basquetebol, por exemplo. E é o que faz com que a pastilha elástica seja tão mastigável.

É fácil notar que a pastilha elástica não se destrói por mais mastigada que seja. Por isso, quando é engolida, a pastilha elástica viaja inteira até ao estômago. Enquanto as enzimas e os ácidos conseguem decompor hidratos de carbono, óleos e álcool, são ineficazes no que toca a este tipo de borracha. Assim sendo, a pastilha elástica resiste a todas as tentativas do sistema digestivo em triturar a mesma.

No entanto, nada impede a pastilha elástica de chegar ao intestino e ser expelida pelo organismo através das fezes.

Em ocasiões raras, grandes quantidades de pastilha elástica engolida, quando associadas à prisão de ventre, podem bloquear o intestino das crianças. É por isso que é recomendável não dar pastilha elástica a crianças que não tenham pelo menos cinco anos de idade. A partir dessa idade a criança já consegue perceber que a pastilha é diferente dos outros doces e não é para ser engolida.

Veja também:

Ana Duarte Ana Duarte

Jornalista e gestora de comunicação no projeto Patient Innovation, Ana Duarte é mestre em Ciências da Comunicação, pela Universidade do Porto. A sua paixão pela escrita começou cedo, quando aprendeu a escrever e começou a criar os seus próprios jornais. Interessa-se por tecnologia, desporto, cinema e literatura.