O que saber antes de investir em acções?

As acções implicam um risco elevado, mas também apresentam um retorno bastante interessante. Saiba tudo antes de investir em acções.

O que saber antes de investir em acções?
O investimento em acções acarreta riscos.

Espaços coworking para pequenas empresas e freelancers

Em primeiro lugar, saiba que ao investir em acções, passa a ser accionista ou proprietário de uma pequena parte dessa empresa, o que significa que passa a receber uma parte dos lucros da empresa.

 

Desengane-se se pensa que só as pessoas com bastante poder económico e com maior educação financeira é que estão em posição de investir em acções. É óbvio que quanto maior o capital investido, maior poderá ser o retorno conseguido, mas mesmo investindo pouco, pode vir a ter um retorno interessante. A diferença é que quem tem mais capital pode correr o risco de também perder muito, daí a importância de investir apenas um valor que sabe que não vai precisar no curto prazo.

 

A educação financeira também é importante, mas não é fundamental. Pode sempre aconselhar-se junto do seu banco que poderá vir a ser o intermediário, seja qual for a empresa na qual pretenda investir.

 

Antes de investir em acções deve:

1. Conhecer a área de negócio

Antes de mais, deve conhecer bem o negócio da empresa, pois tal influencia as cotações e os resultados dos títulos.

Um bom conselho é que diversifique os seus investimentos para que não esteja dependente única e exclusivamente do resultado de uma única empresa. Procure investir em empresas de sectores diferentes para que no caso de uma delas ser penalizada, poder compensar com os eventuais ganhos de uma outra.

 

2. Estudar a concorrência

Outro bom conselho é investigar a concorrência da empresa onde pretende investir, de forma a não ser surpreendido e evite investir em determinada empresa por uma questão de modas, de se falar muito nessa entidade, por mero aconselhamento de amigos ou porque o preço da acção tem subido muito, pois poderá ser um investimento muito instável e não lhe devolver os resultados pretendidos.

 

3. Estar consciente da sua saúde financeira

Finalmente, antes de mais, também deve estar consciente do risco que corre e que pode sofrer perdas.

Pergunte-se se tem capacidade para suportar uma perda elevada e nunca se esqueça que independentemente do retorno das acções ser positivo ou negativo, existem custos que o acompanham sempre: o do intermediário financeiro, que é obrigatório se vai investir em acções.

Terá sempre custos relativos às comissões associados à aquisição de títulos (comissão de corretagem) e à manutenção da carteira (comissões de custódia de títulos).

 

Veja também: