PLANO DE SAÚDE MEDICARE - 6 mensalidades sem compromisso

Obesidade infantil: as causas e a prevenção

A obesidade infantil é um dos principais problemas da população europeia. Conheça as principais causas e formas de prevenção.

Obesidade infantil: as causas e a prevenção
Fique alerta!

A obesidade infantil tem vindo a assolar grande parte da população, sobretudo ocidental. Desde 1980 que a sua prevalência triplicou em alguns dos países europeus!

Cerca de 20% da população europeia é obesa e estas tendências são particularmente preocupantes entre as crianças dos estratos socio-económicos mais desfavoráveis.  O que se torna ainda mais preocupante é o facto de esta taxa de crescimento continuar numa tendência crescente.

A publicidade, o acesso a “junk food”, a falta de tempo dos pais para cozinharem refeições nutritivas e os preços competitivos das comidas menos saudáveis, fazem com que a obesidade infantil seja um dos principais problemas do nosso século.

 

Causas da obesidade infantil

De acordo com a British Medical Association, a causa principal do aumento de crianças obesas no mundo terá a ver com o equilíbrio de energia: as crianças ingerem grandes quantidades de alimentos face a uma reduzida prática de atividade física.

Outro dos fatores preocupantes reside na questão de, uma vez sofrendo de obesidade na infância, ser muito mais difícil reverter a situação na fase adulta.

Durante a adolescência, existem alguns fatores que podem influenciar a tendência para a obesidade: alterações psicológicas na fase de transição para a idade adulta, o sedentarismo, a baixa auto-estima, alimentação excessivamente calórica e a grande vulnerabilidade à publicidade de consumo.

Além destas causas, é ainda possível referir outras como:

  • Padrão alimentar à base da ingestão de muitas gorduras;
  • Horários incertos para a ingestão das refeições (falta de "rotina");
  • Acesso fácil e rápido aos ditos alimentos “Fast Food”;
  • Falta de controlo dos pais face ao que os filho comem;
  • Alterações psico-sociais das crianças;
  • Fatores genéticos associados (família obesa).

Se é verdade que 95% dos fatores que contribuem para uma propensão maior à obesidade são de caráter exógeno, não podemos esquecer os 5% de caráter endógeno. A probabilidade de obesidade aumenta em proporção ao pai e/ou a mãe serem obesos também.

 

Panorama da obesidade infantil em Portugal

Portugal encontra-se numa das posições mais desfavoráveis do cenário europeu, com mais de metade da população com excesso de peso. É também um dos países do espaço da Europa com maior prevalência de obesidade infantil, já que 30% das crianças apresentam sobrepeso e mais de 10% são obesas.

Estima-se que 1 em cada 5 crianças, em Portugal e na Europa, tenha excesso de peso!

 

Aposte na prevenção!

O papel dos pais e cuidadores das crianças é crucial para ser possível reverter uma situação de obesidade. Mas antes de ter de pensar em reverter a situação, há que agir para prevenir que ela aconteça!

  • Aposte em refeições saudáveis e alimentos frescos: descarte ao máximo as comidas pré-cozinhadas como lasanhas, pizzas, croquetes e outros fritos - deixe isso para dias de festa!
  • Elimine o hábito dos sumos e refrigerantes à hora da refeição: a água é o melhor hidratante! Para “enganar” os miúdos, junte umas rodelas de limão e faça uma deliciosa limonada!
  • Deixe as idas aos fast food unicamente para dias festivos - não deixe de reforçar que esse tipo de comidas são a exceção à regra.
  • Prepare a lancheira do seu filho com fruta fresca, pão de mistura, iogurtes... isto vai evitar que a criança tenha de ir ao bar comprar alimentos muito mais calóricos e menos saudáveis.
  • Estimule a prática de exercício físico! Inscreva-o numa modalidade desportiva e aos fins de semana promova programas que envolvam movimento (caminhadas, idas ao parque, passear na praia).

Veja também: