Passos para equilibrar as suas finanças pessoais

Quer equilibrar rapidamente as suas finanças pessoais? Conheça alguns dos passos que poderão fazer toda a diferença e ajudar a equilibrar a sua vida financeira

Passos para equilibrar as suas finanças pessoais
6 passos essenciais para o seu equilíbrio e sucesso financeiro.

Os portugueses tornaram-se verdadeiros mágicos que aprenderam a esticar o seu ordenado, aparentemente imunes aos sucessivos aumentos de impostos. Apesar das eleições que estão aí à porta poderem vir a trazer uma ligeira redução da taxa de impostos, é certo que o esforço das famílias deverá continuar a ser o equilíbrio e melhoria das suas finanças pessoais. Na prática, cada pessoa terá de fazer o que está ao seu alcance e esperar que os outros façam a sua parte.
 
Neste artigo deixamos-lhe um conjunto de passos que deverá seguir caso queira equilibrar (ou melhorar o equilíbrio) das suas finanças pessoais.
 

1. Identifique todos os seus gastos:

O primeiro passo para equilibrar as suas finanças pessoais passa por identificar todos os seus gastos. Saber onde gasta o seu dinheiro é essencial para o segundo passo.
 
JUNTE TODOS OS SEUS CRÉDITOS NUM SÓ
Simplifique as suas contas, consulte agora os nossos especialistas em crédito consolidado. Ao juntar os seus créditos, fica com apenas uma mensalidade, paga sempre ao mesmo dia do mês.

2. Corte os seus gastos:

Depois de ter identificado onde gasta o seu dinheiro está em condições de se questionar quais as despesas que fazem sentido e aquelas que poderão ser reduzidas ou mesmo eliminadas. Não defendemos que limite a sua vida ao mínimo indispensável mas que ajuste o seu orçamento ao nível de rendimento da família, deixando espaço para alguma poupança.
 

3. Poupe:

O terceiro passo consiste na análise de alternativas para promover a poupança. Eventualmente já se encontra numa situação financeira complicada que impossibilita amealhar algum dinheiro todos os meses. Estando nessa situação, sugerimos duas alternativas adicionais.
 

4. Poupe com os seus créditos, consolide-os:

Se as suas prestações já atingiram níveis incomportáveis, sugerimos que analise a viabilidade de efetuar uma consolidação de créditos. Na prática, ao englobar todos os créditos num único irá estar a facilitar a gestão dos seus créditos bem como poderá reduzir as prestações mensais com o aumento do prazo (atenção que vai pagar mais juros, pelo que deve utilizar esta alternativa com cautela).
 

5. Poupe com os seus créditos, renegoceie:

A alternativa à consolidação de créditos, especialmente para aqueles que têm incumprimentos junto do Banco de Portugal (para quem novo crédito é impossível), consiste na renegociação dos seus vários contratos. Aumentar 
prazos, pedir períodos de carência ou pedir reduções de taxas de juro são tudo alternativas para a redução das suas prestações mensais.
 

6. Defina objetivos:

O último passo consiste na definição de objetivos financeiros de curto, médio e longo prazo. Neste contexto, deverá definir objetivos de corte/redução de custos, objetivos de poupança e de investimento. Nesta fase poderá parecer-lhe um exercício que não faz muito sentido. Contudo, ter objetivos é meio caminho andado para os atingir. Se não souber para onde ir como sabe qual o caminho e o esforço exigido?
 
Poupe até 60%, reduza as suas mensalidades com o crédito consolidado, saiba como.
 
Leia também: