PLANO DE SAÚDE MEDICARE - 6 mensalidades sem compromisso

Pílula e antibiótico: mistura incompatível ou mito?

Muitas pessoas se questionam se a toma da pílula e antibiótico altera a proteção anticontracetiva. O E-Konomista vai aprofundar a questão.

Pílula e antibiótico: mistura incompatível ou mito?
Tentamos perceber se o efeito da pílula é comprometido ou não

Desde sempre que se instalou a ideia de que se tomarmos a pílula e antibiótico ao mesmo tempo, a pílula perde o seu efeito de proteção contra uma gravidez indesejada. No entanto, será que isto é mesmo assim?

Em tempos passados, esta ideia pré concebida não se baseava em estudos científicos com base no teste, mas sim com base na teoria. Acreditava-se que a toma de antibióticos alterava a flora intestinal da mulher, o que tornava mais difícil a absorção das hormonas ingeridas na pílula.

No entanto, estudos mais recentes com testes realmente efetuados, vêm defender que a pílula e antibiótico, na sua maioria de tipologias, não são componentes incompatíveis e a toma de um não corta o efeito de outro!

 

Que tipos de antibiótico cortam o efeito da pílula?

A rifampicina e a rifabutina são os únicos tipos de antibiótico que se comprovam alterar a eficácia da pílula, pelo que deve utilizar métodos alternativos de proteção caso esteja a tomar estes componentes.

Além deste tipo de antibiótico, e apesar de não haver tantos estudos que o comprovem, aconselha-se a ter precauções adicionais com a amoxicilina, penicilina e tetraciclinas.

 

Pílula e antibiótico: quais os tipos que não interferem?

Aqui não são colocados todos os tipos de antibiótico existentes, pois são inúmeros, mas colocámos pelo menos aqueles que são mais vulgarmente prescritos.

Segue então a lista de antibióticos que não interferem com a toma da pílula:

  • Azitromicina;
  • Cefalexina;
  • Cefazolina;
  • Cefotaxima;
  • Claritromicina;
  • Clindamicina;
  • Ciprofloxacino;
  • Doxiciclina;
  • Fosfomicina;
  • Levofloxacino;
  • Metronidazol;
  • Minociclina;
  • Moxifloxacino;
  • Nitrofurantoína;
  • Norfloxacino;
  • Ofloxacino;
  • Trimetoprim-sulfametoxazol.
 

Como repor o efeito da pílula?

Se no seu caso tomou um dos tipos de antibióticos referidos acima como podendo alterar a eficácia da pílula, saiba como voltar a repor o efeito da pílula.

Em primeiro lugar, durante a toma do antibiótico, deve sempre utilizar um método contracetivo alternativo (preservativo ou outro).

Em segundo lugar, de acordo com a semana de toma da pílula em que se encontra, os procedimentos são diferentes:

  • Se iniciou ou terminou o antibiótico na primeira ou segunda semana da pilula, deve continuar a utilizar também preservativo ou outro método alternativo durante o tempo de tratamento e nos 7 dias seguintes após o mesmo.
  • Se iniciou ou terminou o antibiótico na terceira semana da toma da pílula, deve manter a toma da mesma, fazer a habitual pausa, mas entretanto utilizar um método contracetivo adicional até chegar ao 7º comprimido da seguinte carteira de pílulas.

Veja também: