Publicidade:

Sou Mais: como candidatar-se ao Programa Nacional de Microcrédito

Se tem uma ideia de negócio, o Sou Mais, Programa Nacional de Microcrédito, pode ser ideal para si, dando-lhe um financiamento de 20 mil euros.

Sou Mais: como candidatar-se ao Programa Nacional de Microcrédito
Fique a conhecer o Programa Nacional de Microcrédito

“Vou criar o meu próprio emprego” é o lema do “Sou Mais”, o Programa Nacional de Microcrédito indicado para quem quer começar um negócio e criar o seu próprio emprego.

O programa é dinamizado pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP, IP) e a Cooperativa António Sérgio para a Economia Social (CASES).

O Sou Mais financia o empreendedor, ao dar acesso a crédito através de um financiamento de 20 mil euros. Este montante destina-se a apoiar projetos cujo limite máximo de investimento seja também de 20 mil euros.

Programa Nacional de Microcrédito: a quem se destina e como candidatar-se

Este programa é direcionado a empreendedores que tenham pelo menos 18 anos (até à data de pedido de financiamento) e não tenham um registo bancário com qualquer tipo de incidentes.

O programa tem como alvo todos aqueles que, possuindo uma ideia de negócio viável, tenham um perfil empreendedor, mas tenham dificuldades em aceder ao mercado de trabalho e estejam em risco de exclusão social e quem, nestas condições, tiver elaborado um projeto viável capaz de ser sustentável e de gerar postos de trabalho.

No entanto, o programa não se destina apenas a entidades individuais. Tem como alvo também microentidades e cooperativas até 10 trabalhadores (incluem-se aqui os cooperadores trabalhadores que apresentem projetos viáveis com criação líquida de postos de trabalho, particularmente na área da economia social).

Como funciona o financiamento

O empreendedor escolherá o banco ao qual vai apresentar o seu projeto, sendo que as instituições bancárias aderentes são as seguintes: Banco Popular, Barclays, BIC, BPI, CGD,  Crédito Agrícola, Millennium-BCP, Montepio, Novo Banco e Santander-Totta. Pode ser exigida ao empreendedor uma livrança avalizada até 25% do crédito contratado.

O processo tem um um período de carência de capital de 24 meses, sendo que será reembolsado em 60 prestações mensais de igual capital, às quais acresce o valor mensal dos juros.

O empreendedor irá suportar uma taxa máxima de juro de 3,5% por ano, sendo que o excedente fica a cargo do IEFP, IP. Nos primeiros 12 meses, os juros estarão a cargo do IEFP, que ficará também responsável por pagar a taxa de juro de 2,25% aplica ao segundo e terceiro anos.

Para se candidatar a este programa, o empreendedor deve preencher e validar os seguintes documentos (disponíveis no site do Programa Nacional de Microcrédito):

  • Ficha de Validação;
  • Dossiê de Negócio;
  • Protocolo com o Instituto de Informática da Segurança Social, IP;
  • Declaração de autorização de obtenção de informação na Segurança Social;
  • Minuta de Protocolo de Cooperação e Prestação de Apoio Técnico, entre a CASES e as Entidades Certificadas para Prestar Apoio Técnico (ECPAT);
  • Minuta de pedido de apoio técnico pelo promotor;
  • Minuta de credenciação;
  • Ficha de Avaliação do Técnico de Apoio Local;
  • Declaração de destinatário jovem do PNM, a emitir pelo IEFP, IP;
  • Ficha de Avaliação da ECPAT pelo promotor.

Para obter mais informações pode consultar o site do Sou Mais.

Veja também:

Ana Duarte Ana Duarte

Jornalista e gestora de comunicação no projeto Patient Innovation, Ana Duarte é mestre em Ciências da Comunicação, pela Universidade do Porto. A sua paixão pela escrita começou cedo, quando aprendeu a escrever e começou a criar os seus próprios jornais. Interessa-se por tecnologia, desporto, cinema e literatura.